Paulo Freire – o anúncio da esperança

Dulce Consuelo Andreatta Whitaker, Diego da Costa Vitorino, Elis Cristina Fiamengue

Resumo


O olhar peculiar que lançamos nesse artigo para abordar a trajetória intelectual do patrono da educação brasileira nos instigou a compreender esse grande autor multifacetado também por sua face mais esperançosa, como uma forma de alento e contraponto ao avanço da onda neoconservadora. Analisamos Paulo Freire por alguns ângulos: a influência das mulheres em sua vida, os momentos de seu pensamento e os contextos sociais que o ajudaram a forjar o próprio fazer científico, além de observá-lo pelo viés das perseguições, do conservadorismo e do autoritarismo na sociedade brasileira de ontem e hoje. Apesar do avanço da onda neoconservadora, nosso patrono ainda tem nos ensinado que a educação pode deixar de ser reprodutora e passar a ser libertadora, sendo utilizada como uma tecnologia social importante para o despertar da autonomia, ao invés da opressão, e o incentivo a formas de ação social libertadoras e humanizadoras, ou seja, não opressoras. A obra de Freire é um prenúncio de esperança. 

 


Palavras-chave


educação libertadora; educação reprodutora; esperança. Neoconservadorismo; trajetória intelectual de Freire

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO FREIRE, A. M. (2005) Paulo Freire: uma história de vida. Indaiatuba – SP: Villa das Letras.

BARRETO, V. (1998) Paulo Freire para Educadores. São Paulo: Arte & Ciência.

BEISIGEL, C. (1984) Ensino Público e Educação Popular. In: Paiva, V. (org.) Perspectivas e dilemas da educação popular. Rio de Janeiro: Ed. Graal.

BOURDIEU, P. & PASERRON, J. C. (1982) A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

BRANDÃO, C. (1981) Pesquisa Participante. São Paulo: Ed. Brasiliense.

CAPRA, F. (1982) O Ponto de Mutação. São Paulo: Cutrix.

FAGUNDES, R. & BARBOSA, W. (2019) Por que o sistema educacional brasileiro nunca adotou Paulo Freire na prática? Le Monde Diplomatique – Brasil, nº 138, jan.

FRAGA, G. (2010) “A Nicarágua sandinista: guerrilha e educação” Revista História: Debates e Tendências – v. 10, n. 1, jan./jun. (p. 189-203).

FREIRE, P. (1979) Conscientização. Teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes.

FREIRE, P. (2013) Pedagogia do Oprimido. 54ª ed. rev. e atua. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (2003) Cartas à Cristina: reflexões sobre a minha vida e a minha práxis. ARAÚJO FREIRE, A. M. (org.) São Paulo: Editora Unesp.

GEERTZ, C. (1989) A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC.

GUERRA, M. (2013) Sobre as 40 horas de Angicos. Em Aberto. vol. 26, nº90, pág. 21-44. jul/dez.

SOUZA, Ana I. (2012) Pensando com Paulo Freire. Guararema – SP: Escola Nacional Florestan Fernandes.

WILLIAMS, R. (1986) The uses of Cultural Theory. In: New Left Review. nº158.

WHITAKER, D. C. A. (2000) Brasilien, Land der Zukunft? Die Projektionen Stefan Zweigs und Paulo Freire: der Kontrapunkt der Hoffnung. In: CHIAPPINI, L. & ZILLY, B. (Hrsg.) Brasilien, Land der Vergangenheit? Frankfurt am Main: TFM.

WHITAKER, D. C. A. (1984) Ideologia e práticas culturais: o controle ideológico dos trabalhadores da cana. São Paulo, USP, FFLCH.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n58.14610

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional