Carta-manifesto ao companheiro Paulo Freire: a conjuntura neoconservadora, as (poucas) conquistas e a esperança na edificação de um novo modo de produção

Anderson dos Anjos Pereira Pena, Clarice Zientarski

Resumo


Este documento tem o propósito de reconhecer o legado de Paulo Freire na educação, narrar um pouco mais acerca dos acontecimentos recentes para além das aparências fenomênicas com a finalidade de revelar o avanço imperialista das políticas neoliberais que têm como fito promover a destruição das forças produtivas (MONTORO, 2018), utilizando-se de táticas de guerra híbrida (KORYBKO, 2018). Esta é uma carta de reconhecimento e continuidade da luta travada por Freire; atualização sobre a conjuntura e renovação da esperança na transformação social cujo patrono da educação brasileira é um dos protagonistas históricos. Partimos do entendimento de que a educação não transforma imediatamente, mas pode mediar o desenvolvimento de um psiquismo enriquecido dos indivíduos. Propomos uma breve discussão acerca da relação entre o papel da educação, a superação do modo de produção capitalista e a edificação de uma sociedade que irreversivelmente possibilite a universalização do gênero humano, a igualdade e a liberdade. Compreendemos que o espaço aqui é abreviado, mas objetivamos que este texto estimule a ampliação do debate acerca da teoria pedagógica revolucionária.

 

 


Palavras-chave


esperança; neoconservadorismo; revolução

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, T (2017). A privatização dos processos pedagógicos: grupos editoriais e os negócios na educação básica. In: MARIGONI, Gilberto (Org.) et al. O negócio da educação: aventuras na terra do capitalismo sem risco. São Paulo: Olho d’Água,.

ADRIÃO, T (2013). et al. A atuação de grupos empresariais em educação e sua inserção em redes públicas de ensino: reflexões iniciais. Políticas e gestão da educação: desafios em tempos de mudanças. São Paulo: Autores Associados. p. 267-283.

DIP, A (2018). Em nome de quem? A bancada evangélica e seu projeto de poder. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

DUARTE, Newton (2020). “Um montão de amontoado de muita coisa escrita”. Sobre o alvo oculto dos ataques obscurantistas ao currículo escolar. In: MALANCHEN, Julia; DE MATOS, Neide da Silveira Duarte; ORSO, Paulino José (org.). A pedagogia histórico-crítica, as políticas educacionais e a Base Nacional Comum Curricular. Campinas, SP: Editora Autores Associados.

FREIRE, P (1987). Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP.

FRIGOTTO, G. (2011). Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século Revista Brasileira de Educação. v. 16 n. 46 jan. |abr. Revista Educação & Sociedade.

KORYBKO, A (2018). Guerras híbridas: das revoluções coloridas aos golpes. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular.

LÊNIN, VI. (1987). O Estado e a revolução: a doutrina marxista do Estado e as tarefas do proletariado na revolução. São Paulo: Global.

LEONTIEV, A. (1978). O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte.

MARTINS, LM. (2013). O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

MARTINS, LM. (2018). O sofrimento e/ou adoecimento psíquico do(a) professor(a) em um contexto de fragilização da formação humana. Cadernos cemarx, no 11.

MARX, K. (2011). A guerra civil na França. São Paulo: Boitempo.

MARX, K. (2011). O 18 brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo.

MARX, K. ENGELS, F. (2005). Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo.

MASCARO, A. L. (2013). Estado e forma política. São Paulo, SP: Boitempo.

MÉSZÁROS, I. (2004) O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo.

MONTORO, X. A. (2018) Financeirização? Não, imperialismo, crescimento da exploração e crise crescente do capital. A Verdade: Revista teórica da 4ª internacional. Edição em Língua Portuguesa. n. 97, ago. ISSN 1679-2742.

MONTORO, X. A. (2016). Capitalismo y economía mundial. Madrid: Instituto Marxista de Economía – IME.

SAVIANI, D. (2013). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados.

SAVIANI, D. (2008). História das idéias pedagógicas no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados.

SAVIANI, D. (2010). Interlocuções pedagógicas: conversas com Paulo Freire e Adriano Nogueira e 30 entrevistas sobre educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

SOUZA, JJF. (2017). A Elite do Atraso. Da escravidão à Lava Jato. ed. Casa da Palavra/LeYa. Rio de Janeiro.

TROTSKY, L. (2007). A revolução permanente. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular.

VIGOTSKI, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

VYGOTSKY, L. S. (2004). A transformação socialista do homem. Marxists Internet Archives, 2004. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/vygotsky/1930/mes/transformacao.htm.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n58.15795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional