O currículo paulista (2020) como arquitetura ontológica

uma análise crítica freireana sobre os paradigmas do ser no currículo de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/eccos.n69.25438

Palavras-chave:

Currículo Paulista, ideologia, Ontologia, Paulo Freire, Ser Mais

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a construção ontológica implícita no Currículo Paulista (2020) e suas intencionalidades. Partindo da concepção do currículo como campo de disputas que impactam a formação ontológica dos seres sociais, cabe questionar: qual concepção ontológica o Currículo Paulista (2020) se propõe a desenvolver?  Para responder à questão, utilizou-se a metodologia qualitativa de pesquisa com a análise documental, tomando o estudo crítico do discurso de Norman Fairclough, (2001) como ferramenta para compreensão dos documentos como materialização dos conflitos sociais, históricos e ideológicos. Desse modo, partiu-se da concepção de Michael Apple (2006) do currículo como campo de disputas ideológicas e de Paulo Freire (2019) com a ontologia do “ser mais” para compreender os impactos do discurso neoliberal na formação ontológica dos estudantes paulistas. Concluiu-se, portanto, que a ontologia desenvolvida ao longo do documento do Currículo Paulista (2020) é fortemente comprometida com a formação de seres sociais ajustados ao capital para o mercado, tendo a ideologia do “empreendedorismo” como elemento central para a formação ontológica dos estudantes comoempresários de si”. Assim, o documento curricular oficial opera como instrumento ideológico na formação, constituindo como uma “arquitetura ontológica”.

 CROSSMARK_Color_horizontal.svg

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Henrique Ferreira, Universidade Federal de São Carlos – Campus Sorocaba

Doutorando em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação (PPGEd) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) campus Sorocaba - SP, na linha de pesquisa Teorias e Fundamentos da Educação. Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. É membro do GPTeFE (Grupo de Pesquisa Teorias e Fundamentos da Educação) da UFSCar Sorocaba. Professor de Filosofia da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Tem como objetivo desenvolver pesquisas na área da filosofia da educação com foco em filosofia e teorias da educação, epistemologia, filosofia e currículo

Antonio Fernando Gouvêa da Silva, Universidade Federal de São Carlos – Campus Sorocaba

Doutor em Educação pela PUC-SP. Professor pela Universidade Federal de São Carlos - Campus Sorocaba. 

Referências

ADORNO & HORKHEIMER. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 2014.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2022.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

APPLE, M. Ideologia e currículo. Porto Alegre: Artmed, 2006.

APPLE, M. Educação e Poder. Porto: Porto Ed, 2001.

APPLE, M. Políticas culturais e educação. Porto, Portugal: Porto Ed., 1999.

APPLE, M. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, A. F. e SILVA, T. T. (ORGS.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez Ed., 2013.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico/. Acesso em: 10 abr. 2020.

CHAUÍ, M. A ideologia da competência. Belo Horizonte: Autêntica Ed. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2014.

CHAUÍ, M. Anacronismo e Irrupción, Vol. 10, N° 18 (Mayo - Octubre 2020): 307-328.

CHAUÍ, M. Conferência Comunicação e Democracia. PT. São Paulo. Disponível em: http://www.pt.org.br/marilenachaui-comunicacao-e-democracia/. Acesso em: 20 de jun. de 2023.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. UNB, 2001.

FOUCAULT, M. O Nascimento da biopolítica: Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 69. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

LAVAL, C; DARDOT, P. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias De Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. PESQUISA EM EDUCAÇÃO: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2018.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial – O homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã: Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Boitempo, 2005, p. 40.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARX, K. Para a crítica da economia política; Salário Preço e lucro; O rendimento e suas fontes: a economia vulgar. São Paulo: Abril Cultural, 1982 (Os economistas).

SAFATLE, V.; SILVA JUNIOR, N.; DUNKER, C (Org.). Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica, 2021a.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2021b.

SÃO PAULO. Currículo Paulista - Etapa Ensino Médio. 2020. Disponível em: https://efape.educacao.sp.gov.br/curriculopaulista/ensino-medio/. Acesso em: 25 ago. 2022.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SAUL, A. M. & SAUL, A. Uma trama conceitual entrada no currículo inspirada na pedagogia do oprimido. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.16, n.4, p. 1142-1174 out./dez.2018. Disponível em: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2018v16i4p1142-1174. Acesso em: 20 de jun. de 2023.

ZANETTE, Marcos Suel. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, n. 65, p. 149–166, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-4060.47454. Acesso em 25 ago. 2022.

Downloads

Publicado

14.06.2024

Como Citar

FERREIRA, Fernando Henrique; SILVA, Antonio Fernando Gouvêa da. O currículo paulista (2020) como arquitetura ontológica: uma análise crítica freireana sobre os paradigmas do ser no currículo de São Paulo. EccoS – Revista Científica, [S. l.], n. 69, p. e25438, 2024. DOI: 10.5585/eccos.n69.25438. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/eccos/article/view/25438. Acesso em: 17 jul. 2024.