ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ALTERNATIVA: INVESTIGANDO A PROPOSTA DAS NOVAS FORMAS ORGANIZACIONAIS

Vanessa de Campos Junges, Ranice Höehr Pedrazzi Pozzer, Beatriz Leite Gustmann de Castro

Resumo


A partir do entendimento que uma organização pode ultrapassar o modelo burocrático e basear-se em uma nova forma organizacional pautada pela racionalidade substantiva, foi elaborado este artigo. Desse modo, o objetivo deste estudo é compreender como se configura a estrutura organizacional da Olhar Vegano a partir do pressuposto das novas formas organizacionais. Trata-se de um estudo de caso em uma organização vegana, a qual possui uma lógica de negócio diferenciada e estrutura de gestão horizontal. Possuindo valores como a preocupação com a sustentabilidade, traduzidos em ações que beneficiam a comunidade local. Na condução do estudo de caso, foram aplicados formulários multicritérios e realizadas entrevistas com os gestores da organização em análise, além da análise documental. Os dados foram analisados, utilizando-se da Análise Hierárquica de Processos (AHP) e da Análise de Conteúdo. Como contribuições, este estudo investiga como se dá o desenvolvimento de uma organização sob as Novas Formas Organizacionais e fornece informações acerca de gestão nessa nova lógica.


Palavras-chave


Novas formas organizacionais. Organização burocrática. Estrutura organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Baldi, M. (2004). Novas formas organizacionais: a necessidade de superação das perspectivas sobressocializadas e subsocializadas. Cadernos Ebape. BR, 2(1), 01-15.

Barcellos, R. D. M. R., & Dellagnelo, E. H. L. (2013). Novas formas organizacionais: do dominante às ausências. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(1), 1-16.

Barcellos, R. D. M. R. D., & Dellagnelo, E. H. D. L. (2014). A Teoria Política do Discurso como abordagem para o estudo das organizações de resistência: reflexões sobre o caso do Circuito Fora do Eixo. Organizações & Sociedade, 21(70), 405-424.

Barcellos, R. D. M. R. D., Dellagnelo, E. H. L., & Salles, H. K. D. (2017). Reposicionando conceitos: a organização fora dos eixos. Revista de Administração de Empresas, 57, 10-21.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70 Brasil.

Boehs, C. G. E. (2018). Para além da dos limites da organização formal como objeto: a discussão de referências renegadas. Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(13), 592-637.

Cerri, L. T., Maranhão, C., & Pereira, J. J. (2017). As racionalidades substantivas e instrumental na prática organizacional: um olhar sobre Guerreiro Ramos e os estudos organizacionais. Revista Foco, 10(2), 125-147.

Costa, H. G. (2002). Introdução ao método de análise hierárquica: análise multicritério no auxílio à decisão. Niterói: HGC.

Dellagnelo, E. L., & Machado-da-Silva, C. L. (2000). Novas formas organizacionais: onde se encontram as evidências empíricas de ruptura com o modelo burocrático de organizações?. Organizações & Sociedade, 7(19), 19-33.

Ramos, A. G. (1981). A Nova ciência das organizações uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Jung, J., & Ronquillo, J. C. (2021). Racial Representation and Socialization in Bureaucratic Organizational Structures. The American Review of Public Administration, 51(3), 213-226.

Oliveira, J., & Chagas, P. B. (2021). Práticas organizacionais horizontais. Revista Espaço Acadêmico, 20(226), 136-147.

Oliveira, J. T.; & Crispim, S. F. (2020). Mudanças no modelo de negócio e alinhamento da estrutura organizacional. Gestão & Regionalidade, 36(108).

Osterwalder, A., & Pigneur, Y. (2020). Business model generation: inovação em modelos de negócios. Alta Books.

Parker, M. (2002). Against management: Organization in the age of managerialism.

Reedy, P. (2014). Impossible organisations: Anarchism and organisational praxis. Ephemera, 14(4), 639.

Rocha, J. C. M. (2019). Racionalidades instRumental e substantiva no teRceiRo setoR. ORG & DEMO, 20(2), 163-184.

Rubel, M. R. B., Kee, D. M. H., & Rimi, N. N. (2021). High commitment human resource management practices and hotel employees' work outcomes in Bangladesh. Global Business and Organizational Excellence, 40(5), 37-52.

Saaty, T. L. (2008). Decision making with the analytic hierarchy process. International journal of services sciences, 1(1), 83-98.

Sato, L., & Esteves, E. (2002). Autogestão: possibilidades e ambiguidades de um processo organizativo peculiar. Agência de Desenvolvimento Solidário.

Serva, M. (1993). O fenômeno das organizações substantivas. Revista de administração de empresas, 33(2), 36-43.

Siqueira, G. D. M. V. (2017). Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental: estudo de caso em uma ecovila no sul da Bahia. Cadernos EBAPE. BR, 15(4), 768-782.

Stalker, B., Clegg, S. R. Handbook de estudos organizacionais: ações e análise organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998.

Starosky Filho, L. (2020). As mudanças que o marco regulatório trouxe para as organizações alternativas. Revista de Gestão e Secretariado, 11(1), 20-40.

Vasconcelos, I. F. F. G. D., Cyrino, A. B., & Carvalho, L. A. D. (2017). Organizações pós-burocráticas e resiliência organizacional: a institucionalização de formas de comunicação mais substantivas nas relações de trabalho. Cadernos Ebape. Br, 15, 377-389.

Vizeu, F. (2009). Contribuições da sociologia da dádiva aos estudos sobre organizações substantivas. Organizações & Sociedade, 16, 409-427.

Weber, M. (1971). Ensaios de sociologia. 2. Ed. Rio de Janeiro: Zahar.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e métodos. Bookman editora.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2022.22242

Direitos autorais 2022 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional