Coração Púrpura: o debate sobre as pessoas com deficiências não aparentes e os reflexos nos direitos humanos e da personalidade

Daniela Menengoti Gonçalves Ribeiro, Patrícia dos Santos Conde, Renata Monteiro de Andrade

Resumo


O objetivo do trabalho é analisar os direitos das pessoas com deficiência não aparente, utilizando como ponto de reflexão a condecoração Coração Púrpura, concedida a oficiais feridos ou mortos em missões bélicas norte-americanas, mas que, porém, é negada a veteranos que sofrem de transtorno pós-traumático decorrente de combates. A partir desta reflexão, questiona-se a efetividade dos direitos humanos e da personalidade das pessoas com deficiência não aparente no Brasil. Para tanto, utilizar-se-á do raciocínio indutivo, partindo da análise específica da condecoração Coração Púrpura para uma análise geral, que terá como escopo a dimensão social alcançada pela definição de deficiência traçada na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência de 2007, e empregar-se-á, os instrumentos bibliográfico e documental, com análise descritiva e o jurídico-comparativa. Conclui-se, que, quando não esse reconhecimento aos soldados, se reforça o estigma que circunda as deficiências não aparentes e se nega às pessoas, os seus direitos.

 

Palavras-chave


Deficiência não aparente; Efetividade dos direitos; Pessoas com deficiência

Texto completo:

PDF

Referências


ALETTA, Elvira G. PTSD and the Purple Heart. Psych Central. Newburyport, Massachusetts, 8 jul. 2018. Disponível em: https://psychcentral.com/blog/ptsd-and-the-purple-heart/. Acesso em: 06 nov. 2019.

ALVAREZ, Lizette; ECKHOLM, Erik. Purple Heart Is Ruled Out for Traumatic Stress. The New York Times, 7 jan. 2009. Disponível em: https://www.nytimes.com/2009/01/08/us/08purple.html. Acesso em: 06 maio 2019.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Tradução Maria Inês Corrêa Nascimento [et. al]. 5. ed., Dados eletrônicos. Porto Alegre: Artmed, 2014. Disponível em: http://www.niip.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Manual-Diagnosico-e-Estatistico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5-1-pdf.pdf. Acesso em: 05 dez. 2020.

ARANHA, Maria Salete Fábio. Integração social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto-SP, n. 2, p. 63-70, 1995, p. 64. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v3n2/v3n2a08.pdf. Acesso em: 06 fev. 2020.

BARLETTA, Fabiana Rodrigues. O direito à saúde da pessoa idosa. São Paulo: Saraiva, 2010.

BELL, Beverly. The Global Disability Rights Movement: Winning Power, Participation, and Access, 5 out. 2014. Huffington Post. Disponível em: https://www.huffpost.com/entry/the-global-disability-rig_b_5651235. Acesso em: 15 fev. 2020.

BOUDREAU, Tyler E. Troubled Minds and Purple Hearts. The New York Times, 25 jan. 2009, p. A21. Disponível em: https://www.nytimes.com/2009/01/26/opinion/26boudreau.html. Acesso em: 06 abr. 2020.

BRASIL, Deilton Ribeiro; SILVA, Filipe Augusto Silva. Direito das pessoas com deficiência à educação como um direito fundamental e humano. Prisma Jurídico, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 261-280, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=prisma&page=article&op=view&path%5B%5D=8718&path%5B%5D=8024. Acesso em: 10 abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.5585/PrismaJ.v18n2.8718

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Tradução de Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. 4 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

CARVALHO-FREITAS, Maria Nilva de; MARQUES, Antônio Luiz. A diversidade através da História: a inserção no trabalho de pessoas com deficiência. Revista Organizações e Sociedade, Salvador, vol. 14, nº.41, p. 59-78, jun. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/osoc/v14n41/03.pdf. Acesso em: 06 fev. 2020.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS (Corte IDH). Cuadernillo de jurisprudencia de la Corte Interamericana de Derechos Humanos, nº 14: igualdad y no discriminación, actualizado com sentencias hasta julio de 2019. Disponível em: http://www.corteidh.or.cr/sitios/libros/todos/docs/cuadernillo14.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

FLETCHER, Nathan. Veterans with mental-health injuries deserve Purple Hearts too. The Washington Post, Washington, 29 mai. 2017. Disponível em: https://www.washingtonpost.com/opinions/veterans-with-mental-health-injuries-deserve-purple-hearts-too/2017/05/29/b1210a3e-4250-11e7-9869-bac8b446820a_story.html. Acesso em: 05 nov. 2019.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001

KAPCZINSKI, Flávio. Apresentação. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 25, p. 1-2, jun. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462003000500001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 dez. 2019.

KIME, Patricia. Active-Duty Military Suicides at Record Highs in 2018. Military.com, 30 jan. 2019. Disponível em: https://www.military.com/daily-news/2019/01/30/active-duty-military-suicides-near-record-highs-2018.html. Acesso em: 06 dez. 2019.

KLAUTAU, Perla; WINOGRAD, Monah; BEZERRA JR., Benilton. Normatividade e plasticidade: algumas considerações sobre a clínica psicanalítica com pacientes neurológicos. Revista Mal Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 9, n. 2, p. 551-574, jun. 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482009000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 26 jan. 2020.

LOUGHRAN, David S.; HEATON, Paul. Post-Traumatic Stress Disorder and the Earnings of Military Reservists. RAND Corporation: Santa Monica, CA, 2013. Disponível em: https://www.rand.org/content/dam/rand/pubs/technical_reports/TR1000/TR1006/RAND_TR1006.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

MILLER, T. Christian; ZWERDLING, Daniel. Army Clarifies Purple Heart Rules For Soldiers. Nacional Public Radio, Washington, 17 mar. 2011. Disponível em: https://www.npr.org/2011/03/17/134604533/army-revising-purple-heart-rules-for-soldiers. Acesso em: 02 dez. 2019.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Disponível em: http://portal.mj.gov.br. Acesso em: 10 set. 2019.

NATIONAL ARCHIVES. Executive Order 11016-Authorizing award of the Purple Heart, 25 abr. 1962. Disponível em: https://www.archives.gov/federal-register/codification/executive-order/11016.html. Acesso em: 06 dez. 2019.

PACHECO, Kátia Monteiro de Benedetto; ALVES, Vera Lúcia. A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma. Revista Acta Fisiatrica, São Paulo-SP, vol. 4, n.º 14, p. 242-248, 2007, p. 243. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/102875/101168. Acesso em: 06 fev. 2020.

PLANALTO. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Portal da Legislação, Brasília, DF, 25 de agosto de 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6949.htm. Acesso em: 10 set. 2019.

PLANALTO. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Portal da Legislação, Brasília, DF, 07 de julho de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 10 set. 2019.

PURPLEHEART, The Military Order of the Purple Heart. Suicide Awareness Program, 2016. Disponível em: https://www.purpleheart.org/our-services/suicide-awareness-program/. Acesso em: 06 jul. 2019.

RIBEIRO, Daniela Menengoti; VINCE, Fernando Navarro; NETTO, João Paulo Gomes. Acesso à justiça: a tutela coletiva de direitos individuais homogêneos e dos direitos da personalidade. Revista Juris Poiesis. Rio de Janeiro. Vol. 22, n. 30, 2019, p. 264-282. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/jurispoiesis/article/viewFile/7617/47966414. Acesso em: 20 jan. 2020.

SANDEL, Michael J. Justiça - O que é fazer a coisa certa. Tradução de Heloisa Macias e Maria Alice Máximo. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

SBARDELLOTO, Gabriela et al. Transtorno de estresse pós-traumático: evolução dos critérios diagnósticos e prevalência. Psico-USF, Itatiba, v. 16, n. 1, p. 67-73, abr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712011000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 nov. 2019.

SCHEWINSKY, Sandra Regina. A barbárie do preconceito contra o deficiente – todos somos vítimas. Revista Acta Fisiatrica, São Paulo-SP, vol. 1, n. 11, p. 7-11, 2004, p. 8. Disponível em: https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/publisher.gn1.com.br/actafisiatrica.org.br/pdf/v11n1a01.pdf. Acesso em: 06 fev. 2020.

SILVA, Otto Marques da. A epopeia ignorada: a pessoa deficiente na História do mundo de ontem e de hoje. São Paulo: CEDAS, 1987.

TANIELIAN, Terri; JAYCOX, Lisa H. Invisible Wounds of War: psychological and cognitive injuries, their consequences, and services to assist recovery. RAND Corporation: Santa Monica, CA, 2008. Disponível em: https://www.rand.org/content/dam/rand/pubs/monographs/2008/RAND_MG720.pdf. Acesso em: 06 nov. 2019.

THE AMERICAN WAR LIBRARY. Common Myths About The Purple Heart Medal, Gardena, Califórnia, 15 nov. 2008. Disponível em: https://www.americanwarlibrary.com/theheart.htm. Acesso em: 06 abr. 2020.

U.S. ARMY CENTER OF MILITARY HISTORY. Personnel-General Military Awards. Army Regulation 600–8–22, Headquarters Department of the Army, Washington, DC, 25 June 2015. Disponível em: https://history.army.mil/html/forcestruc/docs/r600_8_22.pdf. Acesso em: 06 abr. 2020.

U.S. ARMY CENTER OF MILITARY HISTORY. The Badge of Military Merit/The Purple Heart, Washington, DC, 3 October 2003. Disponível em: https://history.army.mil/faq/PurHrt.htm. Acesso em: 06 nov. 2019.

UNITED NATIONS HUMAN RIGHTS. Declaration on the Rights of Disabled Persons. Proclaimed by General Assembly Resolution 3447 (XXX) of 9 December 1975. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/ProfessionalInterest/Pages/RightsOfDisabledPersons.aspx#navigation. Acesso em: 10 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v19n2.17057

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Prisma Juridico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prísma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Prísma Jurídico ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional