Empresas startups: análise do ciclo de vida a partir do modelo de Lester, Parnell e Carraher (2003)

Edmilson Estevão da Silva, Patricia Viveiros de Castro Krakauer, Roberto Coda

Resumo


Objetivo do estudo: Esta pesquisa busca identificar quais estágios do modelo de ciclo de vida organizacional (CVO) de Lester, Parnell e Carraher (2003) são pertinentes às startups brasileiras e tem como objetivo: (i) identificar os estágios do CVO existentes em startups e (ii) apresentar recomendações estratégicas para cada estágio.


Metodologia/abordagem: Trata-se de uma pesquisa com abordagem descritiva, não paramétrica, sendo utilizada a escala do tipo likert de questionário já validado em pesquisas anteriores, acrescido de perguntas sociodemográficas. Obteve-se 118 respostas válidas. Os dados foram analisados conforme o método de análise proposto por Frezatti et al. (2010), que preconiza que as questões inclusas no questionário possuem relação com os estágios do ciclo de vida do modelo de Lester, Parnell e Carraher (2003).


Originalidade/Relevância: Diversos autores escreveram sobre o CVO, voltando suas pesquisas para pequenas ou grandes empresas e empresas familiares, porém não foi encontrado um modelo de CVO específico para startups, conforme pesquisa bibliográfica realizada como parte da investigação teórica deste estudo.


Principais resultados: 118 respostas válidas foram obtidas. A análise dos resultados indica que nem todos os estágios existentes no modelo teórico de CVO existiam na amostra de startups investigada. Foram identificados os estágios de nascimento, crescimento e declínio e, a partir de tal constatação, foram feitas recomendações estratégias possíveis em cada um dos estágios.


Contribuições teóricas/metodológicas: Os resultados obtidos com esta pesquisa podem ser aplicados por startups que busquem longevidade, a partir do entendimento do seu ciclo de vida e de possíveis estratégias pertinentes a cada fase identificada.


Palavras-chave


Startup; Ciclo de vida; Estratégia.

Texto completo:

PDF

Referências


Adizes, I. (2004). Gerenciando os ciclos de vida das organizações. Sâo Paulo: Prentice Hall.

Adizes, I. (1990). Os ciclos de vida das organizações: como e porque as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. São Paulo: Pioneira.

Arruda, C. & Nogueira, V. (2015). Causas Da Mortalidade De Startups Brasileiras. O que fazer para aumentar as chances de sobrevivência no mercado. Nova Lima, DOM, 9(25):26-33. Disponível em: http://acervo.ci.fdc.org.br/AcervoDigital/Artigos%20FDC/Artigos%20DOM%2025/Causas%20da%20mortalidade%20das%20startups%20brasileiras.pdf Acesso em 28/02/2019.

ANPROTEC & SEBRAE. (2016). Estudo de impacto econômico: segmento de incubadoras de empresas do Brasil.Disponível em: http://www.anprotec.org.br/Relata/18072016%20Estudo_ANPROTEC_v6.pdf Acesso em: 28/02/2019

Bardazzi, G. (2019). The role of start-up companies in creating job opportunities. Studies in Surface Science and Catalysis, 179:499-510.

Battisti, A. L. E. & Quandt, C. O. (2016). Como a estrutura de capital das web startups brasileiras de software é formada?. XXXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. João Pessoa/PB, Brasil, Anais... Disponível em http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_226_316_28805.pdf Acesso em 17/11/16.

Beuren, I. M. & Pereira, A. M. (2013). Análise de artigos que relacionam ciclo de vida organizacional com controles de gestão. RAI Revista de Administração e Inovação, 10(2):123-143. DOI: http://doi.org/10.5773/rai.v10i2.806

Beuren, I. M., Rengel, S. & Hein, N. (2012). Ciclo de vida organizacional pautado no modelo de Lester, Parnell e Carraher (2003) e na lógica fuzzy: classificação de empresas de um segmento industrial de Santa Catarina. Revista de Administração, 47(2):197-216. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-21072012000200004.

Beuren, I. M., Rengel, S. & Rodrigues Junior, M. M. (2015). Relação dos atributos da contabilidade gerencial com os estágios do ciclo de vida organizacional. Innovar, 25(57):63-78.

Blank, S. & Dorf, B. (2012). The startup owner's manual: The step-by-step guide for building a great company. New Jersey: BookBaby.

BNDES. (2016). Classificação de porte os clientes. Disponível em http://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/guia/quem-pode-ser-cliente Acesso em 12/10/2016

Carli, E., Vasconcelos, A. M. & Lezana, A. G. R. (2014). Conhecimentos e habilidades de comunicação para empreendedores nas fases iniciais do ciclo de vida organizacional de Adizes. Revista de Negócios, 19(2): 21–35. DOI: https://doi.org/10.7867/1980-431.2014v19n2p21_35

Cantner, U., Cunningham, J.A., Lehmann, E.E. & Menter, M. (2020). Entrepreneurial ecosystems: a dynamic lifecycle model. Small Business Economics, February, publish online, open acess. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11187-020-00316-0 Acesso em: 09/03/2020.

Churchill, N.C. & Lewis, V.L. (1983). The Five Stages of Small Business Growth. Harvard business review, May.

Correia, R. B. (2010). Ciclo de vida organizacional e instrumento de gestão: uma investigação nas empresas baianas. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis)-Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2ª ed. - Porto Alegre: Artmed.

Exame. (2017). Startups crescem no Brasil economizando com escritórios colaborativos. Disponível em: https://exame.abril.com.br/negocios/dino/startups-crescem-no-brasil-economizando-com-escritorios-colaborativos-shtml/ Acesso em: 08/01/2019.

Frezatti, F., Relvas, T. R. S, Nascimento, A. R, Junqueira, E. R & Bido, D. S. (2010). Perfil de planejamento e ciclo de vida organizacional nas empresas brasileiras. Revista de Administração, 45(4):383-399.

Gaibraith, J. (1982). The stages of growth. Journal of Business Strategy, 3(1):70-79.

Gambiagi, F. (2011). 2022, Propostas para um Brasil melhor no Ano do Bicentenário, São Paulo: Campus.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Atlas.

Greiner, L. E. (1998). Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, May/June.

Hanks, S. H., Watson, C. J., Jansen, E. & Chandler, G. N. (1993). Tightening the life-cycle construct: A taxonomic study of growth stage configurations in high-technology organizations. Entrepreneurship: Theory and Practice, 18(2):5-30.

Hein, N.; beuren, I. M.; Novello, A. A. (2011). Sistema classificador híbrido do ciclo de vida organizacional. Revista de Administração da Unimep, 9(2):1-23.

Konsek-Ciechońska, J. (2019). Startup companies, challenges in Poland. Knowledge International Journal, 30(6):1621-1626.

Lavarda, C. E. F. & Pereira, A. M. (2012). Uso dos sistemas de controles de gestão nas diferentes fases do ciclo de vida organizacional. Revista Alcance, 19(4):497-518.

Lester, D. L., Parnell, J. A. & Carraher, S. (2003). Organizational life cycle: A five-stage empirical scale. The International Journal of Organizational Analysis, 11(4):339-354.

Machado-da-silva, C., Vieira, M. M. F. & Dellagnelo, E. (1998). Ciclo de Vida, Controle e Tecnologia: um modelo para análise das organizações. Organizações & Sociedade, 5(11):77-104.

Medeiros Júnior, J. V, Añes, M. E. M, Neto, M. V. S & Bezerra, M. H. M. (2015). Elaboração do mapa de recursos: processo de apoio ao planejamento de um novo negócio de Internet. Revista de Administração Mackenzie, 16(5):226–256.

Miller, D. & Friesen, P. H. (1984). A longitudinal study of the corporate life cycle. Management science, 30(10):1161-1183.

Oliveira, J., Escrivão Filho, E., Nagano, M. S. & Ferraudo, A. S. (2015). Estilos gerenciais dos dirigentes de pequenas empresas: estudo baseado no ciclo de vida organizacional e nos conceitos de funções e papéis do administrador. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(57):1279–1299.

Quinn, R. E. & Cameron, K. (1983). Organizational life cycles and shifting criteria of effectiveness: Some preliminary evidence. Management Science, 29(1):33-51.

Ribeiro, A. T. V. B., Rocha, R. M., Krakauer, P. V. C. & Pedroso, M. C. (2016). Formalização da estratégia em empresas nascentes de base tecnológica: recursos alternativos na fragilidade do novo. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 15(4):63-76.

Richardson, R. J. (2017). Pesquisa social: métodos e técnicas. 4ª. ed. São Paulo: Atlas.

Ries, E. (2012). A startup enxuta: Como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. São Paulo: Lua de Papel.

Sarmento, M. R. C & Costa, L. F. L. G. (2016). O papel das aceleradoras na consolidação de novas empresas de cultura empreendedora a luz da metodologia lean startup. Revista Brasileira de Gestão, Negócio e Tecnologia da Informação, 1(1):65-86, set. 2016.

Scott, M. & Bruce, R. (1987). Five stages of growth in small business. Long range planning, 20(3):45-52.

SEBRAE. (2013). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. Disponível em http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Anuario%20do%20Trabalho%20Na%20Micro%20e%20Pequena%20Empresa_2013.pdf Acesso em 12/10/2016

STARTUPBASE. (2019). Estatísticas. Disponível em: https://startupbase.abstartups.com.br/stats Acesso em: 28/02/2019.

STARTUPFARM. (2016). Panorama das startups no Brasil. Disponível em: https://startup.farm/blog/pesquisa-da-startup-farm-revela-a-mortalidade-das-startups-brasileiras/ Acesso em: 28/02/2019.

Stubner, S., Wulf, T. & Hungenberg, H. (2007). Management Support and The Performance Of Entrepreneurial Start-Ups - An Empirical Analysis Of Newly Founded Companies in Germany. Schmalenbach Business Review, 59(2):138-159.

Sutton, S. M. (2000). The role of process in software start-up. IEEE software, 17(4):33-39.

Torres, N. J., Guerra, E. L.; Lima, A. M. (2014). Uma Pesquisa-ação da Metodologia Lean Startup em um Empreendimento de Software. Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação (SBSI), Universidade Federal do Pará (UFPA), Castanhal – PA.

Valor Econômico. (2018). Mercado de Tecnologia movimentou R$4678 bilhões. Disponível em: https://www.valor.com.br/empresas/5470331/mercado-de-tecnologia-movimentou-r-4678-bilhoes-no-brasil-em-2017 Acesso em 01/02/2019.

Viana, R. B. C. A. (2012). estratégia na incerteza: explorando cenários para empresas recém-criadas no mercado brasileiro de tecnologia da informação. Reuna, 17(3):85–98.

Victorazzo, V., Geraldi, W. A., Stettiner, C. F., Roque Filho, M. P., & Moia, R. P. (2014). Análise da escalabilidade em novos negócios. Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios, 1(1):129.

Xavier, W. G. & Cancellier, E. L. P. L. (2008). Atividades de monitoramento em empresas de startup de base tecnológica na indústria do turismo. Análise–Revista de Administração da PUCRS, 19(2):107-119.




DOI: https://doi.org/10.5585/riae.v19i1.16790

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM)
Revista Ibero-Americana de Estratégia (RIAE)
e-ISSN: 2176-0756
https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=riae

Copyright © 2020 Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM) All rights reserved.
Revista Ibero-Americana de Estratégia (RIAE) ©2020 Todos os direitos reservados.