Velocidade de caminhada em idosos diabéticos e não-diabéticos

Luciana Oliveira Gomes, Fernanda Guimarães Borges, Izabela Santos Rancone, Cláudia Santos Oliveira, Daniela Maria Anjos

Resumo


A diabetes mellitus está associada a vários comprometimentos neuromusculoesqueléticos que podem levar a incapacidades físicas e alterações da marcha, como diminuição da velocidade de caminhada, passos curtos, mobilidade de joelho e tornozelo limitada. O objetivo principal deste estudo foi comparar a velocidade da marcha em idosos diabéticos e não-diabéticos por meio do teste de velocidade de 10 metros. Os dados foram analisados por intermédio de Mann-Whitney Test. A pesquisa foi realizada na Clínica Escola do UNI-BH e no Centro de Saúde São Francisco. Nossa amostra foi composta de 47 participantes – 35 mulheres e 12 homens, com idades entre 60 e 75 anos –, dos quais, 24 eram não-diabéticos (grupo 1), e 23, diabéticos (grupo 2). Os resultados deste trabalho mostram que os idosos diabéticos (mediana 1,11m/s) caminham mais lentamente que os não-diabéticos (mediana 0,95m/s). Portanto, nossos estudos indicam que idosos diabéticos podem ter um maior declínio funcional quando comparados aos não-diabéticos

Palavras-chave


Diabetes; Idosos; Velocidade de caminhada.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v7i2.1013

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2008 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.