A importância das variáveis intrínsecas e extrínsecas no controle dos movimentos

Irlei dos Santos, Nádia fernanda Marconi

Resumo


Neste artigo, analisam-se que variáveis, intrínsecas ou extrínsecas, o Sistema Nervoso Central controla durante a execução de movimentos voluntários da extremidade superior. De acordo com a “Estratégia Dual”, esse sistema modula os padrões de atividade muscular conforme a demanda da tarefa em termos de distância percorrida e velocidade de execução. De um modo geral, a revisão de literatura revelou que, durante a execução de movimentos simples e complexos da extremidade superior, esses padrões estão linearmente acoplados com os impulsos do torque muscular (força gerada na articulação). Por se tratar de eventos que ocorrem no nível da articulação, alguém poderia argumentar que o Sistema Nervoso Central tem uma preferência pelo controle de variáveis intrínsecas durante a execução de movimentos. Por outro lado, as invariâncias observadas na trajetória da mão e na velocidade do dedo indicador suportam a idéia de que tal sistema planeja os movimentos a partir de variáveis extrínsecas. Essa hipótese ganha força com os resultados de estudos mais recentes que compararam o desempenho motor (em termos de precisão) durante a execução de uma tarefa “extrínseca” e “intrínseca”.

Palavras-chave


Cinemática; Controle motor; EMG; Variáveis intrínsecas; Variáveis extrínsecas; Torque muscular.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v7i3.1155

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2008 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.