Proteínas no sangue de índios Terena de Mato Grosso do Sul – Brasil

Petr Melnikov, Wander Fernando de Oliveira Filiú, Sandra Maura Aguena

Resumo


A participação dos indígenas brasileiros no espaço socioeconômico mais amplo implica abandono de hábitos originais e mudanças na sua alimentação. Apesar da existência de programas especiais que provêem assistência, a ideia geral que persiste na opinião pública é que essas comunidades são socialmente abandonadas e economicamente desfavorecidas. Proteínas do sangue estão entre os marcadores bioquímicos que permitem uma avaliação objetiva do estado de saúde de um indivíduo. O objetivo deste estudo foi determinar as proteínas no sangue de 285 índios Terena saudáveis que habitam o Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. As concentrações no soro de homens e mulheres foram, respectivamente, 7,48 (±0,46) e 7,42 (±0,58) g/dl de proteínas totais e 4,33 g/ dl (±0,36) e 4,17 g/dl (±0,37) de albumina. Conclui-se, do ponto de vista bioquímico, que os índios Terena estudados não mostram nenhuma anormalidade no metabolismo protéico e não podem ser considerados como um grupo subnutrido.

Palavras-chave


Albumina; Índios Terena; Proteínas totais.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v8i2.1632

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2009 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.