O uso do core set da CIF para avaliação de pacientes com distúrbios cardiorrespiratórios

Caroline Camelo de Silos Bertoldo, Gustavo Athayde Stockler, Andersom Ricardo Fréz, Marina Pegoraro Baroni, João Afonso Ruaro, Chistiane Riedi Daniel

Resumo


Introdução: A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) categoriza a saúde e deficiência do indivíduo considerando a funcionalidade e os fatores contextuais. No entanto, a CIF apresenta muitas categorias que dificultam o seu uso diário e, por isso, foram criados os core sets. Entre os diversos core sets propostos, existe um core set para condições cardiorrespiratórias pós-agudas.
Objetivo: classificar os pacientes com alterações cardíacas, respiratórias e mistas, assistidos ambulatoriais por meio de um core sets para esta população, além de verificar se existem diferenças entre os grupos na aplicação deste core set.
Métodos: Foram avaliados indivíduos com diagnóstico clínico de doenças cardiorrespiratórias em acompanhamento fisioterapêutico ambulatorial para reabilitação cardiopulmonar. A amostra foi dividida em três grupos: cardíacos, respiratórios e mistos. Os pacientes foram avaliados por meio da versão abreviada do core set para condições cardiorrespiratórios pós-agudas, funcionalidade, força de preensão palmar e dos músculos respiratórios.
Resultados: A amostra foi composta por 67 indivíduos alocados de acordo com seu comprometimento. Verificou-se que apenas as funções de energia e impulso, cardíaca e de ingestão, estrutura do sistema respiratório e a atividade andar apresentaram respostas significativamente diferentes entres os grupos. Pacientes com distúrbios respiratórios, cardíacos e mistos apresentam perfis funcionais semelhantes, porém as categorias com diferença desse perfil foram as relacionadas ao sistema respiratório, atividades e funções relacionadas ao aumento da demanda metabólica como andar.
Conclusão: Assim é possível afirmar que o core set auxilia a identificar as disfunções dos pacientes sem depender se sua disfunção é cardíaca, respiratória ou mista que pode ser uma ferramenta utilizada no meio clínico.


Palavras-chave


Classificação internacional de funcionalidade Incapacidade e saúde; Força muscular; Testes de função respiratória; Doença cardiopulmonar; Core set

Texto completo:

PDF

Referências


Seki, KLM, Queiróz APL, Costa AS, et al. Physical capacity, respiratory and peripheral muscle strength in heart failure. Rev Bras Med Esporte. 2020; 26 [4]:289-293. https://doi.org/10.1590/1517-869220202604198189.

World Health Organization. Management of cardiovascular risks in low-resource settings. https://www.who.int/cardiovascular_diseases/priorities/cvdrisks/en/. Acesso em 18 Fev 2021.

Leite JS, Feter N, Caputo EL, et al. Managing noncommunicable diseases during the COVID-19 pandemic in Brazil: findings from the PAMPA cohort. Ciênc. Rev Saúde Coletiva. 2021;26[3]:987-1000. https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.39232020.

Cuschieri S, Grech, S. At-risk population for COVID-19: multimorbidity characteristics of a European small Island state. Public Health, 192, 33-36, 2021. https://doi.org/10.1016/j.puhe.2020.12.012

Malta DC, Gomes CS, Barros MBA, et al. Doenças crônicas não transmissíveis e mudanças nos estilos de vida durante a pandemia de COVID-19 no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2021; 24:e210009. https://doi.org/10.1590/1980-549720210009

Zhang FMD, Zhong YMS, Qin ZMD, Xiaomeng MD, Wang WMD. Effect of muscle training on dyspnea in patients with chronic obstructive pulmonary disease: A meta-analysis of randomized controlled trials. Medicine. 2021; 100 [9]:e24930. https://doi.org/10.1097/0000000000024930

Long L, Mordi IR, Bridges C, et al. Exercise‐based cardiac rehabilitation for adults with heart failure. Cochrane Database of Systematic Reviews 2019; 1. https://doi.org/10.1002/14651858-003331.

Grill E, Quittan M, Fialka-Moser V, et al. Brief ICF Core Sets for the acute hospital. J Rehabil Med. 2011; 43[2]:123-30. https://doi.org/10.2340/16501977-0646

Organização Mundial de Saúde, Organização Panamericana de Saúde. Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. Universidade de São Paulo: São Paulo: Edusp. 2003. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2005000200011

Negrini S, Mills JA, Arienti C, Kiekens C, Cieza A. The “Rehabilitation Research Framework for COVID-19 patients” defined by Cochrane Rehabilitation and the World Health Organization Rehabilitation Programme. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation. 2021; 102 [7]: 424-1430. https://doi.org/10.1016/j.apmr.2021.02.018

World Health Organization. List of Official ICF Updates 2018. http://www.who.int/classifications/icfupdates/en/. Acesso em 25 out 2019.

Stucki G, Grimby G. Applying the ICF in medicine. J Rehabil Med. 2004; (44 Suppl):5-6. https://doi.org/10.1080/16501960410022300

Selb M, Escorpizo R, Kostanjsek N, Stucki G, Ustun B, Cieza A. A guide on how to develop an International Classification of Functioning, Disability and Health Core Set. Eur J Phys Rehabil Med. 2015;51(1):105-117. PMID: 24686893

Stucki G, Cieza A, Ewert T, Kostanjsek N, Chatterji S, Ustun TB. Application of the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) in clinical practice. Disabil Rehabil. 2002;24[5]:281-282. https://doi.org/10.1080/09638280110105222.

Stucki G, Ewert T, Cieza A. Value and application of the ICF in rehabilitation medicine. Disabil Rehabil. 2002;24[17]:932-938. https://doi.org/10.1080/09638280110070221

Grill E, Ewert T, Chatterji S, Kostanjsek N, Stucki G. ICF Core Sets development for the acute hospital and early post-acute rehabilitation facilities. Disabil Rehabil. 2005;27[7-8]:361‐366. https://doi.org/10.1080/09638280400013974

Lima KCA, Santos RQ, Freitas PB. Relação entre a força de preensão palmar máxima e destreza dos dedos em adultos saudáveis: Implicações para a avaliação da função manual. Braz. J. Mot. Behav. 2011; 6 [3]:1-6. Corpus ID: 113734029

Dias JÁ, Ovando AC, Külkamp W, Borges Junior NG. Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam a medida. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010; 12 [3]: 209-216. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2010v12n3p209

Paula FL, Júnior A, Drummond E, Prata H. Teste timed up and go: uma comparação entre valores obtidos em ambientes fechado e abertos. Rev Fisiot Mov. 2007; 20 [4].

Souza RB. Pressões respiratórias estáticas máximas. J. bras. pneumol. 2002; 28 [3]: 155-165.

Züge CH, Oliveira, MR., da Silva, ALG, Fleig, TCM. Entendendo a funcionalidade de pessoas acometidas pela Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) sob a perspectiva e avalidação do Comprehensive ICF Core Set da Classificação Internacional de Funcionalidade. Cader. Bras. de Terapia Ocupacional. 2019; 27[1]. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao1582

Cieza A, Stucki A, Geyh S, Berteanu M, et al. ICF Core Sets for chronic ischaemic heart disease. Eur J Phys Rehabil Med. 2004; 36[0]:94-99. https://doi.org/10.1080/16501960410016785

Reis F, Pereira C, Escoval A. Contributo para a classificação da funcionalidade dos utentes da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados segundo a Classificação Internacional de Funcionalidade. Rev. Port. saúde pública. 2015; 33[1]: 84–97. http://dx.doi.org/10.1016/j.rpsp.2014.02.004

Stucki A, Stoll T, Cieza A, et al. ICF Core Sets for obstructive pulmonary diseases. Eur J Phys Rehabil Med. 2004; 36[0]:114-120. https://doi.org/10.1080/16501960410016794

da Silva CM, Neto ACP, Júnior, BRVN, et al. Incapacidade funcional de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica através da WHODAS. Acta Fisiátric. 2016; 23[3]: 125-129. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20160024

Li XX, Du XW, Song W, Lu C, Hao WN. Effect of continuous nursing care based on the IKAP theory on the quality of life of patients with chronic obstructive pulmonary disease: A randomized controlled study. Medicine. 2020; 99[11]:e19543. https://doi.org/10.1097/MD.0000000000019543

Milani P, Lanferdini IZ, Alves VB. Percepção dos Cuidadores Frente à Humanização da Assistência no Pós-Operatório Imediato de Cirurgia Cardíaca. Rev. Pesq: Cuid. Fund. 2018; 10[3]:810-816, 2018. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i3.810-816

Athayde F, Mancuzo EV, Corrêa RDA. Influência ambiental sobre a incapacidade física: uma revisão sistemática da literatura. Cien. Sau.e Col. 2017; 22:3645-3652. https://doi.org/10.1590/1413-812320172211.01992017

Ostroschi, DT; Zanolli, ML; Chun, RYS. Percepção de familiares de crianças e adolescentes com alteração de linguagem utilizando a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. CoDAS. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 2017; 29 [3]. https://doi.org/10.1590/2317-1782/20172016096

Pommerehn J, Delboni MCC, Fedosse E. International Classification of Functioning, Disability and Health, and aphasia: a study of social participation. CoDAS. 2016; 28 [2]: 132-140. https://doi.org/10.1590/2317-1782/201620150102




DOI: https://doi.org/10.5585/21.2022.21712

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional