Mapeamento dos domínios do Neck Disability Index vinculados à classificação internacional de funcionalidade e incapacidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/23.2024.25543

Palavras-chave:

Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, Cervicalgia, Inquéritos e Questionários, Reprodutibilidade dos Testes

Resumo

Objetivo: Este estudo visa vincular itens da NDI ao CIF usando regras de vinculação específicas e atualizadas.
Métodos: É um estudo de análise de propriedades de medição no qual dois avaliadores realizaram a ligação entre NDI e CIF, ambos com experiência em taxonomia CIF e aplicação de NDI. Assim, foram aplicadas dez regras de vinculação desenvolvidas e atualizadas especificamente para vincular a ICF a outros instrumentos.
Resultados: O coeficiente Kappa determinou o nível de concordância entre os avaliadores com um intervalo de confiança de 95%. Todos os itens do NDI estavam vinculados a códigos ICF; não havia necessidade de utilizar o termo "não definível". O grau de concordância entre os avaliadores em relação aos domínios e às categorias do primeiro, segundo e terceiro níveis da ICF foi caracterizado como quase perfeito.
Conclusão: Portanto, o NDI está bem ligado aos códigos relacionados à Atividade, Participação, Funções e Estrutura dos domínios da ICF. Entretanto, não foram identificados conceitos relacionados a fatores contextuais.

CROSSMARK_Color_horizontal.svg

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Djalma Arrais Junior, Universidade Nove de Julho - Uninove

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Estácio de Sá - UNESA (2018), pós graduação em termografia do mvoimento - Uniwallace (2020), pós graduação em Fisioterapia traumato ortopédica e esportiva pelo Centro Universitário Redentor - UNIREDENTOR (2020), fisiologia esportiva pela Faculdade Venda Nova do Imigrante - FAVENI (2021), nutrição esportiva e funcional pela Faculdade Venda Nova do Imigrante - FAVENI (2021). Atualmente pós graduando em Cinesiologia e biomecânica aplicada ao treinamento e reabilitação pela Versila Educacional - UNIVERSILA, mestrando em ciências da reabilitação pela Universidade Nove de Julho (Uninove) Tem experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em avaliação e intervenção fisioterapêutica relacionadas ás disfunções osteomioarticulares. Desenvolve pesquisas que abrangem a linha de pesquisa de Interações de Recursos Terapêuticos em Sistemas Biológicos, principalmente na análise do comportamento de sinais biológicos nas avaliações e intervenções fisioterapêuticas reçacionadas às disfunções osteomioarticulares.

Gabriela Santos Pereira, Universidade Nove de Julho - Uninove

Profissional graduada em Fisioterapia (2016), Mestrado (2018) e Doutorado (2021) em Ciências da Reabilitação pela Universidade Nove de Julho - Uninove. Possui aperfeiçoamento profissional em Disfunções Neurológicas da Criança e do Adulto pela Associação de Assistência á Criança Deficiente (2018) - AACD. Tem experiência na área de Fisioterapia Neurofuncional adulto e infantil, Saúde do Idoso e Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), Acidente Vascular Cerebral (AVC), Instrumentos de avaliação funcional, Teste de propriedades de medida e Validação de instrumentos.

Aron Charles Barbosa da Silva, Universidade Nove de Julho - Uninove

Doutorando em Ciências da Reabilitação pela Universidade Nove de Julho.Tem experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em avaliação e intervenção fisioterapêutica relacionadas às disfunções osteomioarticulares. Desenvolve pesquisas que abrangem a linha de pesquisa de Interações de Recursos Terapêuticos em Sistemas Biológicos, principalmente na análise do comportamento de sinais biológicos nas avaliações e intervenções fisioterapêuticas relacionadas às disfunções osteomioarticulares, membro da International Association for the Study of Pain | IASP. (Texto informado pelo autor)

Daniella Dias de Oliveira, Universidade Nove de Julho

Graduada em Fisioterapia pela Universidade Nove de Julho (2018), pós graduada em Gerontologia pela Universidade Nove de Julho (2019), cursando Mestrado em Ciências da Reabilitação (2023). Experiência como preceptora na área de UBS (Saúde Básica) e Ortopedia e Traumatologia pela Universidade Nove de Julho (2020 á 2022). Experiência na função de Fisioterapeuta para reabilitação esportiva e atendimento nas áreas de Ortopedia e Gerontologia. Tem experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em avaliação e intervenção fisioterapêutica relacionada às disfunções osteomioarticulares. Desenvolve pesquisas que abrangem a linha de pesquisa de Interações de Recursos Terapêuticos em Sistemas Biológicos, principalmente na análise do comportamento de sinais biológicos nas avaliações e intervenções fisioterâpeuticas relacionadas às disfunções osteomioarticulares.

Soraia Micaela Silva, Universidade Nove de Julho - Uninove

Possui graduação em Fisioterapia (2009), Mestrado (2012) e Doutorado (2015) em Ciências da Reabilitação pela Universidade Nove de Julho. Concluiu Pós-Doutorados em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da USP (2017) e em Ciências da Reabilitação pela UFMG (2019). Atualmente, é professora no Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação e na graduação em Medicina da Universidade Nove de Julho, onde coordena o grupo de pesquisas CIFácil. Tem ampla experiência em Fisioterapia Neurofuncional adulto e infantil, com foco na abordagem biopsicossocial, funcionalidade, instrumentos de avaliação funcional, validação de instrumentos, Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) e Saúde Pública. Foi coordenadora da Residência Multiprofissional em Saúde da Família/Atenção Básica da UNINOVE de 2020 a 2023 e é revisora de periódicos científicos nacionais e internacionais.

Cid André Fidelis de Paula Gomes, Universidade Nove de Julho - Uninove

Possui graduação em Fisioterapia pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió (2008), mestrado em Ciências da Reabilitação pela Universidade Nove de Julho (2011) e doutorado. Doutor em Biofotônica Aplicada às Ciências da Saúde pela Universidade Nove de Julho (2015). Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação da Universidade Nove de Julho (UNINOVE) em São Paulo, SP. Editor Associado das revistas Musculoskeletal Disorders, Fisioterapia e Pesquisa e ConScientiae e saúde do BMC. Experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em avaliação e intervenção fisioterapêutica relacionada a distúrbios musculoesqueléticos. Desenvolve pesquisas que abrangem a linha de pesquisa Interações de Recursos Terapêuticos na pesquisa de sistemas biológicos, principalmente na análise do comportamento de sinais biológicos em avaliações e intervenções fisioterapêuticas relacionadas a distúrbios musculoesqueléticos. É coordenador do grupo de pesquisa Iniciativa Evidencie. E-mails: cid.andre@gmail.com ou cid.andre@uni9.pro.br

Referências

Madden RH, Bundy A. The ICF has made a difference to functioning and disability measurement and statistics. Disabil Rehabil. 2019;41(12):1450-1462. https://doi.org/10.1080/09638288.2018.1431812

Pereira GS, Corrêa FI, Elord Júlio C, Thonnard JL, Kossi O, Bouffioulx E, et al. Linking of concepts measured by SATIS-Stroke and the PM-Scale to the International Classification of Functioning, Disability and Health. Physiother Theory Pract. 2022;38(13):3055-3071. https://doi.org/10.1080/09593985.2021.1983908

Kossi O, Amanzonwe ER, Thonnard JL, Batcho CS. Applicability of International Classification of Functioning, Disability and Health-based participation measures in stroke survivors in Africa: a systematic review. Int J Rehabil Res. 2020;43(1):3-11. https://doi.org/10.1097/MRR.0000000000000377

Cieza A, Brockow T, Ewert T, Amman E, Kollerits B, Chatterji S, et al. Linking health-status measurements to the International Classification of Functioning, Disability and Health. J Rehabil Med. 2002;34(5):205-210. https://doi.org/10.1080/165019702760279189

Cieza A, Geyh S, Chatterji S, Kostanjsek N, Ustun B, Stucki G. ICF Linking Rules: an update based on lessons learned. J Rehabil Med. 2005;37(4):212-218. https://doi.org/10.1080/16501970510040263

Cieza A, Fayed N, Bickenbach J, Prodinger B. Refinements of the ICF Linking Rules to strengthen their potential for establishing comparability of health information. Disabil Rehabil. 2019;41(5):574-583. https://doi.org/10.3109/09638288.2016.1145258

Wijma AJ, van Wilgen CP, Meeus M, Nijs J. Clinical biopsychosocial physiotherapy assessment of patients with chronic pain: The first step in pain neuroscience education. Physiother Theory Pract. 2016;32(5):368-384. https://doi.org/10.1080/09593985.2016.1194651

Barreto FS, Avila MA, Pinheiro JS, Almeida MQG, Ferreira CSB, Fidelis-de-Paula-Gomes CA, et al. Less is More: Five-item Neck Disability Index to Assess Chronic Neck Pain Patients in Brazil. Spine (Phila Pa 1976). 2021;46(12):E688-E693. https://doi.org/10.1097/BRS.0000000000003872

Castaneda L, Bergmannll A, Bahia L. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: Uma revisão sistemática de estudos observacionais. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):437-451. https://doi.org/10.1590/1809-4503201400020012ENG

Oliveira AI, Silveira KR. Utilização da CIF em pacientes com sequelas de AVC. Rev Neurocienc. 2011;19(4):653-662. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8336

Organização Panamericana da Saúde, Organização Mundial da Saúde. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo: EDUSP; 2008. http://www.periciamedicadf.com.br/cif2/cif_portugues.pdf

Tse T, Douglas J, Lentin P, Carey L. Measuring participation after stroke: a review of frequently used tools. Arch Phys Med Rehabil. 2013;94(1):177-192. https://doi.org/10.1016/j.apmr.2012.09.002

Cook C, Richardson JK, Braga L, Menezes A, Soler X, Kume P, et al. Cross-cultural adaptation and validation of the Brazilian Portuguese version of the Neck Disability Index and Neck Pain and Disability Scale. Spine (Phila Pa 1976). 2006;31(14):1621-1627. https://doi.org/10.1097/01.brs.0000221989.53069.16

Vernon H, Mior S. The Neck Disability Index: a study of reliability and validity. J Manipulative Physiol Ther. 1991;14(7):409-415. http://europepmc.org/article/med/1834753

Vernon H. The Neck Disability Index: state-of-the-art, 1991-2008. J Manipulative Physiol Ther. 2008;31(7):491-502. https://doi.org/10.1016/j.jmpt.2008.08.006

Sterling M, Kenardy J, Jull G, Vicenzino B. The development of psychological changes following whiplash injury. Pain. 2003;106(3):481-489. https://doi.org/10.1016/j.pain.2003.09.013

Cieza A, Fayed N, Bickenbach J, Prodinger B. Refinements of the ICF Linking Rules to strengthen their potential for establishing comparability of health information. Disabil Rehabil. 2019;41(5):574-583. https://doi.org/10.3109/09638288.2016.1145258

Landis JR, Koch GK. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1977;33(1):159-174. https://doi.org/10.2307/2529310

Krebs DE. Declare your ICC type. Phys Ther. 1986;66(9):1431. https://doi.org/10.1093/ptj/66.9.1431

Bernardelli RS, Santos BC, Scharan KO, Corrêa KP, Silveira MIB, Moser ADL. Application of the refinements of ICF Linking Rules to the Visual Analogue Scale, Roland Morris questionnaire and SF-36. Cienc Saude Colet. 2021;26(3):1137-1152. https://doi.org/10.1590/1413- 81232021263.03502019

Daluiso-King G, Hebron C. Is the biopsychosocial model in musculoskeletal physiotherapy adequate? An evolutionary concept analysis. Physiother Theory Pract. 2022;38(3):373-389. https://doi.org/10.1080/09593985.2020.1765440

Downloads

Publicado

28.03.2024

Como Citar

1.
Arrais Junior JD, Santos Pereira G, Barbosa da Silva AC, de Oliveira DD, Silva SM, Gomes CAF de P. Mapeamento dos domínios do Neck Disability Index vinculados à classificação internacional de funcionalidade e incapacidade. Cons. Saúde [Internet]. 28º de março de 2024 [citado 19º de abril de 2024];23(1):e25543. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/saude/article/view/25543

Edição

Seção

Artigos