Pressões respiratórias máximas de adolescentes brasileiros com diferentes níveis de atividade física

Gabriela Suéllen da Silva Chaves, Moema Amorim Teixeira, Diana Amélia de Freitas, Raquel Emanuele de França Mendes, Álvaro Campos Cavalcanti Maciel, Karla Morganna Pereira Pinto de Mendonça

Resumo


Introdução: A força dos músculos respiratórios sofre influência de fatores como idade, gênero e antropometria. Além desses, a atividade física também pode influenciá-la. Objetivo: Comparar as pressões respiratórias máximas em adolescentes saudáveis, entre os diferentes níveis de atividade física. Métodos: Realizou-se estudo observacional do tipo descritivo transversal. Foram avaliados 182 adolescentes saudáveis. As pressões respiratórias máximas foram mensuradas com manovacuômetro digital; e os níveis de atividade física, com o questionário internacional de atividade física versão curta. Aplicou-se Anova oneway para comparar as variáveis entre os grupos classificados, conforme o nível de atividade física. Resultados: Houve diferença significativa nas pressões respiratórias entre os grupos irregularmente ativos A e B e o grupo ativo/muito ativo. Ambos apresentaram, respectivamente, média de PImáx de 77,7±26,2 e 96,2±28,3cmH2O (p<0,001) e PEmáx de 90,8±29,4 e 111,5±32,2cmH2O (p<0,001). Conclusão: A prática regular do exercício físico pode incrementar significativamente a força muscular respiratória de adolescentes saudáveis.

Palavras-chave


Adolescente; Atividade motora; Força muscular; Músculos respiratórios.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v12n2.4227

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2013 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.