Inclusão da criança com espectro autista em sala de aula: desafios e perspectivas familiares

Parley Lopes Bernini da Silva, Ana Paula Gouvêa, Silvana de Araujo Castro de Oliveira

Resumo


O artigo analisa os significados atribuídos pelos pais de crianças diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista ao ingresso de seus filhos no ensino regular em Barbacena-MG, sobretudo nos aspectos psicossociais. Metodologicamente demarcado como qualitativo, a aplicação de 12 questionários semiestruturados, aliada ao resgate na literatura pertinente, ofertou o aporte deste trabalho. A análise evidenciou que a percepção dos genitores emerge de que o espaço escolar não se encontra apto para receber seus filhos, sem profissionais capazes de atender suas demandas e peculiaridades, limitando a equidade no ensino. Conclui-se que suas representações são polissêmicas acerca dessa inserção e centralizadas pelo que se tem nos meios de informação, especialmente pela comunicação informal, rotineira, do cotidiano. Após coleta dos dados, revelou-se a necessidade de uma análise mais densa e particularizada deste fenômeno, aliada às falas pelos respondentes.


Palavras-chave


autismo; família; inclusão escolar

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, A. Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cad. Pesqui., São Paulo, n. 117, p. 127-147, nov. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742002000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em 17 set. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AUTISMO. ABA. História e Atuação [on-line]. Disponível em: http://www.autismo.org.br/site/abra/historia-e-atuacao.html. Acesso em 18 jul. 2019.

AZEVEDO. M. O. Práticas pedagógicas desenvolvidas com alunos com transtorno do espectro autista na escola regular: uma revisão integrativa da literatura. 2017. 153p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em 24 out. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Lei Nº 12.764 de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Au¬tista. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2012/lei-12764-27-dezembro-2012-774838-publicacaooriginal-138466-pl.html. Acesso em 10 nov. 2019.

CABRAL, T. L. O.; SILVA, J. E. O.; SAITO, C. E. Realidade do Intercâmbio e da Mobili¬dade Acadêmica na Universidade Federal de Santa Catarina. In: XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sule II Congresso Internacional IGLU, 2011.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo. Ed: Atlas, 2008.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. Rio de Janeiro: Ed: EdUERJ, 2001. p.17-42.

LOPES, T. J. S. As representações sociais e a educação. In XI Congresso Nacional de Educa-ção EDUCERE, 2013. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/ANAIS2013/pdf/90776744.pdf. Acesso em 04 out. 2019.

MANDAL, A. News Medical Life Science [on-line]. Disponível em: https://www.news-medical.net/health/Autism-History-(Portuguese).aspx. Acesso em 10 nov. 2019.

MOSCOVICI, S. Das representações coletivas às representações sociais: elementos para uma histórica. In JODELET, D. (Orgs.) Representações sociais: um domínio em expansão. Rio de Janeiro: Ed: EdUERJ, 2001. p. 45-66.

NASCIMENTO, F. F.; CRUZ, M. M.; BRAUN, P. Escolarização de pessoas com transtorno do espectro do autismo a partir da análise da produção científica. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 25, n. 125, 2016.

NUNES, D. R. P.; SCHMIDT, C. Educação Especial e Autismo: Das Práticas Baseadas em Evidências à Escola. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 49, n. 173, p. 84-103, set. 2019. Disponível em: http://www.sci¬elo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742019000300084&lng=en&nrm=iso

. Acesso em 17nov. 2019.

NUNES, D. R. P.; AZEVEDO, M. Q. O.; SCHMIDT, C. Inclusão educacional de pessoas com autismo no Brasil: uma revisão da literatura. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 47, p. 557-572, set./dez. 2013.

OLIVEIRA, J.; PAULA, C. S. Estado da arte sobre inclusão escolar de alunos cm transtornos do espectro do autismo no Brasil. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 53-65, 2012.

PEREIRA, E. C. Os processos formativos do professor de alunos com transtorno do espectro autista: contribuições da teoria histórico-cultural. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

PESAVENTO, S. J. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 15, n. 29, 1995. Disponível em: https://www.anpuh.org/arquivo/download?ID_ARQUIVO=3770. Acesso em 28 out. 2019.

SCHMIDT, C.; NUNES, D. R. P.; PEREIRA, D. M.; OLIVEIRA, V. F.; NUERNBERG, A. H.; KUBASKI, C. Inclusão escolar e autismo: uma análise da percepção docente e práticas pedagógicas. Revista Psicologia: Teoria e Prática, v. 17, n. 3, p. 222-235, jan./abr. 2016.

SACCO DOS ANJOS, F.; GODOY, W. I.; CALDAS, N. V. As feiras-livres de Pelotas sob o impé-rio da globalização: perspectivas e tendências. Pelotas/RS. Ed: Editora e Gráfica Universitária, 2005.

SÊGA, R. A. O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Anos 90. Porto Alegre, n. 13, julho de 2000. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6719. Acesso em 28 out. 2019.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed., 5ª reimpressão. São Paulo. Ed: Cortez, 2007.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo. Ed: Atlas, 2004.

WUO, A. S. Educação de pessoas com transtorno do espectro do autismo: estado do conhecimento em teses e dissertações nas regiões Sul e Sudeste do Brasil (2008-2016). Saude soc., São Paulo, v. 28, n. 3, p. 210-223, set. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010412902019000300210&lng=en&nrm=iso. Acesso em 28 out. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v20n2.20650

Direitos autorais 2021 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
e-ISSN: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Cadernos de Pós-graduação ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional