A influência neoliberal nas políticas educacionais brasileiras: um olhar sobre a BNCC

Carolina de Moura Vasconcelos, Carlos Henrique Ferreira Magalhães, Telma Adriana Pacífico Martineli

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar a influência neoliberal na educação e seus reflexos na elaboração da Base Nacional Comum Curricular. Trata-se de um estudo bibliográfico e documental fundamentado no materialismo histórico e dividido em três partes principais: (1) A origem dos princípios neoliberais; (2) A influência desses princípios na origem e na estrutura da educação; (3) A dinâmica da relação entre os conceitos neoliberais e os princípios do aprender a aprender, das competências e habilidades e do protagonismo do aluno, presentes na BNCC. Dessa forma, o artigo teve como questionamento central: Qual a influência neoliberal na educação e quais são seus reflexos na elaboração da Base Nacional Comum Curricular brasileira? Conclui-se que o neoliberalismo enquanto corrente de pensamento e conjunto de políticas adotadas por governos neoconservadores surge a partir de um liberalismo econômico que culminou em inúmeras crises e necessitou de reformas econômicas. Esse processo de reformas é observado nas políticas brasileiras de privatização, de incentivo à competição, bem como na educação voltada para o mercado de trabalho. Portanto, os ideais neoliberais e os documentos dos organismos internacionais influenciaram a estruturação da BNCC que se orienta pelo aprender a aprender, para promover a formação de competências e habilidades, assim como o protagonismo do aluno no processo de ensino, o qual é permeado por esses princípios.

 

 


Palavras-chave


BNCC; educação; neoliberalismo

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2003.

ALVES, R. S. P. Neoliberalismo e educação: Uma década de intervenção do Banco Mundial nas políticas públicas no Brasil (2000-2010). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE

HISTÓRIA, São Paulo. Anais do XXVI simpósio nacional da ANPUH - Associação Nacional de História. São Paulo: ANPUH, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300894657_ARQUIVO_artigoNE

OLIBERALISMOEEDUCACAO.pdf

Acesso em: 01 ago. 2018.

AZEVEDO, J. C; REIS, J. T. Políticas Educacionais no Brasil Pós-Golpe. Porto Alegre: Editora Universitária Metodista IPA, 2018.

BRASIL. PARECER CNE/CP Nº 15/2017. Proc. Nº 23001.000201/2014-14. Brasília: Ministério da educação, 2017a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=78631-pcp015-17-pdf&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 ago. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2017b.

D’ÁVILA, J. L. Política De Formação Docente Executada Pelo Terceiro Setor: Considerações Sobre a Fundação Lemann. In: XI Congresso Nacional de Educação –

EDUCERE. Curitiba: ANAIS EDUCERE, 2013. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2013/10301_5770.pdf. Acesso em: 10 ago. 2018.

DUARTE, N. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 18, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n18/n18a04.pdf. Acesso em: 08 out. 2018.

DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cadernos Cedes, v. 19, n. 44, p. 1-6, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32621998000100008

ENGELS, F. A origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. 9. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

FRIEDMAN, M. Capitalismo e Liberdade. São Paulo: LTC, 2014.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, T. T. da; GENTILI, P. (Orgs.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE, p. 9-49, 1996.

MARSIGLIA, A. C. G; PINA, L. D; MACHADO, V. O; LIMA, M. A Base Nacional Comum Curricular: Um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, p. 107-121, abr. 2017. DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v9i1.21835

MARTINELI, T. A. P. A Fenomenologia nas concepções pedagógicas de João Paulo Medina e Vitor Marinho de Oliveira na Educação Física dos anos 1980. In: VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO. Anais CBHE. Maringá, 2015.

MARTINELI, T. A. P. M. A educação física e a cultura no contexto da crise estrutural do capital: divergências teóricas e suas raízes filosóficas. 2013. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

MARX, K. Contribuições à crítica da Economia Política. 2. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1857.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro 1 – O processo de produção do capital. São Paulo: Edifel, 1984.

MARX, K; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. 5. Ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MORAES, R. C. Neoliberalismo – de onde vem, para onde vai? São Paulo: SENAC, 2001.

MORAES, R. C. Liberalismo e Neoliberalismo – Uma Introdução Comparativa. In: SEMANA DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. Palestra. Santo André, 1997. Disponível em: https://reginaldomoraes.files.wordpress.com/2011/06/lib_neolib_compara.pdf. Acesso em: 19 ago. 2018.

NAGEL, L. H; CARAVALHO, E. J. G; MACHADO, M. C. G. Bases Teóricas e Práticas da Educação Brasileira. Maringá: EDUEM, 2018.

PAULO NETTO, J. Introdução ao método da teoria social, 2009. Palestra. Disponível em: http://pcb.org.br/portal/docs/int-metodo-teoria-social.pdf. Acesso em: 28 mai. de 2018.

OLIVEIRA, D. A. A Educação básica e profissional no contexto das reformas dos anos 90. In: 23º Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – ANPED, Minas Gerais. ANAIS ANPED, 2000.

PERONI, V; CAETANO, M. R. C; LIMA, P. Reformas educacionais de hoje: As implicações para a democracia. Retratos da Escola. Brasília, v. 11, n. 21, p. 377-757, 2017. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v11i21.793

ROSA, D. B. A. R. As ideias defendidas por Adam Smith para a educação: suas influencias nas orientações curriculares da educação básica do estado de Mato Grosso. In: XII Congresso Nacional de Educação- EDUCERE. Curitiba: ANAIS EDUCERE, 2015. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/16386_7397. PDF. Acesso em: 26 mai. De 2018.

SAVIANI, D. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas: Editora Autores Associados, 2014.

SILVA, M. R; PIRES, G. L; PEREIRA, R. S. A Base Nacional Comum Curricular da Educação Básica em tempos de neoconservadorismo e de “neoliberalismo que saiu do armário”; mas também de tempos de resistência: Fora Temer!!! Motrivivência. Florianópolis, v. 28, n. 28, p. 7-14, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2016v28n48p7/32530. Acesso em: 19 ago. 2018.

SMITH, A. A Riqueza das Nações: Investigações Sobre sua Natureza e suas Causas. São Paulo: Abril Cultural, 1996.

TAUILE, J. R; FARIA, L. A. E. F. As transformações do capitalismo contemporâneo e sua natureza na análise de Marx. Revista de Economia Política. São Paulo, n. 19, n. 73, 1999. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/24342/000008537.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 25 mai. 2018.

VIANA, N. Breve História do Neoliberalismo. Revista Enfrentamento, n. 05, jul./ dez., 2008.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n58.10726

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional