O brincar das crianças na escola em tempo integral: tensões entre as fronteiras territoriais e as culturas infantis

Alessandra Amaral Ferreira, Maria Celeste Reis Fernandes de Souza

Resumo


O artigo se sustenta na defesa da educação integral em tempo integral na Educação Infantil e visa contribuir para ampliar o debate nesse campo, ao tomar como objeto o brincar das crianças de 5 anos, em uma escola municipal, na qual elas permanecem 8 horas diárias. Como questão norteadora, indaga-se sobre as configurações do brincar dessas crianças na Escola em Tempo Integral. O referencial teórico estabelece um diálogo com autores da Sociologia da Infância que reconhecem a centralidade do brincar como constitutivo das culturas infantis, e autores do campo da Geografia que tematizam território e territorialidade. Participam do estudo 22 crianças e, para capturar as configurações do brincar, foram utilizados para a coleta dos dados: observação do cotidiano da escola, análise de documentos e rodas de conversa com as crianças. A análise coloca em evidência as tensões entre as culturas infantis e as fronteiras territoriais que buscam conformar o brincar das crianças na Escola em Tempo Integral (ETI). Os resultados indicam a forma escolar presente nas configurações do brincar e os escapes propiciados pelas práticas do brincar na imbricação território/territorialidade. As conclusões permitem refletir sobre a necessidade de reconhecimento, no tempo integral, de que o brincar é parte da cultura infantil, tem centralidade na infância e, portanto, é um direito das crianças.

 

 


Palavras-chave


Brincar; Educação infantil; Tempo integral

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, V. C. de. (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral. Vitória: EDUFES, 2015a.

ARAÚJO, V. C. . O “tempo integral” na educação infantil: uma análise de suas concepções e práticas. In: ARAÚJO, V. C. de. (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral. Vitória: EDUFES, 2015b, p. 17-56.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creches; manual de orientação pedagógica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao_brinquedo_e_brincadeiras_completa.pdf . Acesso em: 16 mar. 2021.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br . Acesso em: 15 mar. 2021.

BRASIL. MEC. Referencial Curricular Para a Educação infantil. v. 1,2 e 3. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br . Acesso em: 14 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação infantil. Brasília: MEC, 2010. Disponível em: http://ndi.ufsc.br/files/2012/02/Diretrizes-Curriculares-para-a-E-I.pdf . Acesso em: 25 out. 2020.

BARBOSA, M. C. S; RICHTER, S. R. S.; DELGADO, A. C., Educação infantil: Tempo Integral ou Educação Integral? Educação em Revista. Belo Horizonte, Vol.31, n 04, p. 95-119, Out/dez. 2015.

CAVALIERE, A. M. V. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. In: MAURICIO, Lúcia Velloso (Org.). Em aberto. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, v.22, n.80, p. 51-63, 2009.

CLAVAL, P. A Geografia Cultural. 3ª ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2007.

CLAVAL, P., Uma, ou Algumas Abordagem(ns) Cultural(is) na Geografia Humana? In: SERPA, A., (Org.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações [online]. Salvador: EDUFBA, 2008, p. 13-32. Disponível em: http://books.scielo.org . Acesso em: 15 dez. 2019.

CORSARO, W. A. Sociologia da Infância. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DELGADO, A. C.; MÜLLER, F. Sociologia da infância: pesquisa com crianças. Educ. Soc. Campinas, Vol. 26, n 91, Maio/Ago. 2005. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a02v2691.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

ECKSCHMIDT, S. O brincar na escola entre tantos caminhos. In: MEIRELLES, R. (Org.) Território do Brincar: diálogo com escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015.

p.70 - 75

FILHO, L. M. F.; VAGO, T. M., Entre relógios e tradições: elementos para uma história do processo de escolarização em Minas Gerais. In: VIDAL, D. G.; HILSDORF, M. L. S. (Orgs.). Brasil 500 Anos: Tópicas em História da Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo, EDEUSP, 2001, p. 117-136.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 31. ed. Petrópolis: Vozes, 2006.

HAESBAERT, R. Território e multiterritorialidade: um debate. Geografia. Ano IX. N. 17, 2007, p. 19-46.

MAURÍCIO, L. V. Educação integral e(m) tempo integral na educação infantil: possibilidade de um olhar inovador. In: ARAÚJO, V. C. de. (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral. Vitória: EDUFES, 2015, p. 89-122.

MEIRELLES, R. (Org.). Território do Brincar: diálogo com escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015.

MOLL, J. (Org.). Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.

PEIXOTO, E. M., SCHUCHTER, T. M., ARAÚJO, V.C.. O “tempo integral” na educação infantil: financiamento, gestão e projeto político pedagógico em questão. In: ARAÚJO, V. C. de. (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral. Vitória: EDUFES, 2015, p. 123-160.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In: SARMENTO, M. J.; CERISARA, A.B. (Org.). Crianças e miúdos: perspectivas sócio pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004, p. 9-34.

SARMENTO, M. J. Para uma agenda da educação da infância em tempo integral assente nos direitos da infância. In: ARAÚJO, V. C. de. (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral. Vitória: EDUFES, 2015, p. 57-88.

SACK, R. Significado de territorialidade. In: DIAS, L. C.; FERRARI, M. (Orgs.) Territorialidades humanas e redes sociais. 2ª ed. rev. Florianópolis: Insular, 2013. p.19-113.

SARDENBERG, A. (Coord.). Educação integral nas infâncias: Pressupostos e práticas para o desenvolvimento e a aprendizagem de crianças de 0 a 12 anos. Centro de Referências em Educação Integral. 2017.

SEVERINO, A. J.; BAUER, C., O Plano Nacional de Educação (PNE) e a Educação infantil. ECCOS – Rev. Cientifica. São Paulo, n 37, p. 11 – 16, maio/Ago. 2015. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/eccos/article/view/5829/2995 Acesso em: 13 mar. 2021.

VICENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D., Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista. Belo Horizonte, n 33, p. 07-47, jun. 2001.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n56.11234

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional