A criança como sujeito de direitos no pensamento de Boaventura de Sousa Santos: diálogos com a sociologia da infância e implicações para a pesquisa em educação

Fernanda Michelle Pereira Girão, Ana Carolina Perrusi Brandão

Resumo


O artigo reflete sobre alguns pilares do pensamento de Boaventura de Sousa Santos tecendo conexões com os Estudos da Criança, sobretudo, no que se refere à Sociologia da Infância em sua vertente crítica. Dessa forma, retomamos conceitos elaborados pelo autor, tais como, a crítica à ciência moderna e a sociologia das emergências, dialogando principalmente com o quadro teórico proposto por Sarmento (2004; 2018). No artigo discutimos ainda a concepção de criança como sujeito de direitos e suas implicações para a pesquisa com foco na educação da primeira infância. Por fim, considerando a natureza argumentativa da cadeia de conceitos desenvolvida por Boaventura, que dá espaço ao contraditório e ao enfrentamento da hegemonia de discursos já formulados sobre a infância, sugerimos alguns alinhamentos entre a necessidade de repensar esse segmento geracional e a efetivação das condições para a sua emancipação social. Nessa direção, propomos a superação da visão universalista não apenas em relação à criança, como já tem sido indicado pela Sociologia da Infância crítica, mas também em relação à escola, dando visibilidade a experiências alternativas nesse espaço. Concluímos que o olhar descentralizado sobre a infância em diferentes contextos institucionais, incluindo ambientes escolares com outras formas de organização do tempo e do espaço, com outras lógicas na implementação de seus projetos políticos pedagógicos, pode nos oferecer novos subsídios para a construção de uma Pedagogia da Infância que, no Brasil, constitui um campo de pesquisa emergente.

 

 

 


Palavras-chave


Infância; Pesquisa em Educação Infantil; Sociologia da Infância

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M. C. S. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1059-1083, out. 2007. Disponível em https://www.cedes.unicamp.br/. Acesso em: 30 jul. 2018.

BELTER. L. “Olhos grandes pra te ver e orelhas grandes pra te ouvir”: Culturas infantis na docência da Educação Infantil. 2013. 95 f. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências). Universidade Regional do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. 2013.

BORBA, A. M. Culturas da infância nos espaços-tempos do brincar: um estudo com crianças de 4-6 anos em instituição pública de educação infantil. 2005. 298 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2005.

BRANDÃO. A. C. P. A criança de 6 anos no Ensino Fundamental: de onde vem e para onde vai? In: PINHEIRO, A. C. F.; ANANIAS, M. (orgs.) Educação, direitos humanos e inclusão social: histórias, memórias e políticas educacionais, João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, vol. 2, 2009.

BRANDÃO, A. C. P. ; ROSA, E. C. S. (orgs.). Ler e escrever na educação infantil: discutindo práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília, DF, 2006.

BRASIL. Indicadores de qualidade na Educação Infantil. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF, 2010.

BUSS-SIMÃO, M. Antropologia da Criança: uma revisão da literatura de um campo em construção. Revista Teias, v.10, n.20, julho de 2009.

COHN, C. Antropologia da Criança. São Paulo: Jorge Zahar, 2005.

DELGADO, A.C.C.; MÜLLER, F. Apresentação: Sociologia da infância: pesquisa com crianças. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, mai./ago. 2005. p. 351-360.

MÜLLER, F. Infâncias nas vozes das crianças: culturas infantis, trabalho e resistência. Educação e Sociedade, São Paulo, v. 27, n. 95, p. 553-573, 2006.

NEVES, V. F. A.; CASTANHEIRA, M. L.; GOUVÊA, M. C. S. de. O letramento e o brincar em processos de socialização na educação infantil: brincadeiras diferentes. Revista Brasileira de Educação. 2015. v. 20, n. 60 jan./mar. p. 215-244. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v20n60/1413-2478-rbedu-20-60-0215.pdf. Acesso em: 22 mar. 2021.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

SANTOS, B. de S. Por que é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais. n. 54, p. 197-215, jun. 1999. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/Porque_e_tao_dificil_construir_teoria_critica_RCCS54.PDF. Acesso em: 30 jul. 2018.

SANTOS, B. de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, M. J.; CERISARA, A. B. Crianças e Miúdos: Perspectivas Sociopedagógicas da Infância e Educação. Porto, Portugal: Asa Editores, 2004.

SARMENTO, M. J. Uma agenda crítica para os estudos da criança. Currículo sem Fronteiras, n. 54, p. 31-49, jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/art_v15_n1.htm Acesso em: 29 jul. de 2018.

SILVA, P. L. da. Paradigmas emergentes da Sociologia da Infância: uma aproximação entre Boaventura Santos e Manoel Sarmento. In: NETO, D. G. T. (org.). Escritos interdisciplinares: o conhecimento em Boaventura de Sousa Santos. USA: Laxami Book Publication, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n56.13475

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional