Educação escolar diferenciada, formação de professores indígenas e currículo

Alcioni da Silva Monteiro, Suely Aparecida do Nascimento Mascarenhas

Resumo


O presente artigo, é uma abordagem bibliográfica na qual compreende os processos históricos que permitiram aos índios, o acesso à educação escolar e a formação para o educador índio. Para tal, se objetivou a análise acerca da educação escolar diferenciada, formação de professores e currículo. A educação escolar diferenciada no Brasil, tem sido tema sobre o qual pesquisadores de diversas áreas do conhecimento tem se debruçado, com o intuito de entendê-la, de modo a vislumbrar um modelo pedagógico que atenda as especificidades dos grupos indígenas.  E a formação de professores indígenas, para as possibilidades de se gerenciar uma educação escolar que atenda aos interesses dos povos originários, assim, como uma proposta curricular voltada aos interesses pedagógicos, culturais e políticos, a fim de vitalizar e revitalizar a identidade indígena. Os debates em torno dos referenciais teóricos consultados como Ghedin (2007), Grupioni (2000), Peréz Ruiz (2011), Urquiza (2017) entre outros, possibilitaram conhecer os principais desafios da realidade da educação escolar indígena. Neste sentido, pretende-se provocar uma reflexão sobre a efetivação do ensino intercultural, e como se faz necessário formações continuadas, consolidação e fortalecimento da identidade do povo tradicional para a construção do currículo específico e intercultural.


Palavras-chave


Educação Escolar Diferenciada; Formação de professores indígenas; Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


BANIWA, G. (2006). O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Coleção Educação Para Todos. Brasília.

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 99/2017 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas.

BRASIL. (2018). LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – 2. ed. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas. [Disponível em https://www.senado.leg.br>handle, consultado em 21/07/2019].

CANDAU, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação v. 13 n. 37 jan./abr.

Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT (2011). Organização Internacional do Trabalho. - Brasília: OIT, 2011 v. ISBN: 978-92-2-824257-7 (print); 978-92-2-824258-4 (web pdf).

ESPAR, V. T. da H. (2014). Processo de Estadualização da Educação Escolar Indígena e Desafios para um Currículo Intercultural (Dissertação de Mestrado. Universidade Federal De Pernambuco. Recife.

GIL, A. C. (2002). Como elabora Projetos de Pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

GHEDIN, Evandro (2007). Teorias do currículo. In: GHEDIN, Evandro (org.) Currículo: Avaliação e gestão por projetos no ensino médio. 2ª ed. Manaus: Editora Travessia/SEDUC.

GRUPIONI, L. D. B. (2000). Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, Luiz Donizete Benzi. Brasília (org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade.

SILVA, A. L. da (2001). Educação para a tolerância e os povos indígenas no Brasil. In: Povos Indígenas e Tolerância: Construindo práticas de respeito e solidariedade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

MACEDO, A. S. (2015). Saberes Tradicionais Krahô e Educação Escolar Indígena: Um Diálogo Possível na Escola Indígena. 19 de abril, Araguaina. Dissertação de Mestrado em Ensino de Língua e Literatura. Brasil: Universidade Federal de Tocantins.

MOREIRA, A. F. B. & DA SILVA, T. T. (1999). Sociologia e Teoria Crítica do Currículo: uma introdução. In:.Currículo, Cultura e Sociedade. 3. ed. São Paulo: Cortez.

PILETTI, C. (2002). Didática Geral. 23ª ed. São Paulo: Editora Ática.

PÉREZ RUIZ, Maya Lorena y VILLAMAR, Arturo Argueta (2011). “Saberes indígenas y diálogo intercultural”. En Cultura y Representaciones Sociales, año 5, núm. 10, pp. 31-56. México, IIS-UNAM.

PERRELLI, M. A. de S. (2008). “Conhecimento Tradicional” e Currículo Multicultural: Notas com base em uma experiência com estudantes Indígenas Kaiowá/Guarani. Ciência & Educação, v. 14, n. 3, p. 381-96.

SACRISTÁN, J. G. (1998). Compreender e transformar o ensino. 4º ed. Porto Alegre: ArtMed.

SECAD-MEC. (2007). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade- Ministério da Educação Cadernos Secad. Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Brasília-DF. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoindigena.pdf Acesso em: 27/09/2019.

TEIXEIRA, V. C. G. & LANA, E. dos S. C. (2012). Interculturalidade e Direito Indígena à Educação – A Política Pública de Formação Intercultural de Professores Indígenas do Brasil.

URQUIZA, A. (2017). A Interculturalidade como ferramenta para descolonizar a educação – Reflexões a partir da ação ‘Saberes Indígenas na Escola. Articul. constr. saber., Goiânia, v.2.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n54.17338

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.