Avaliação em cursos superiores de artes: a ênfase no processo e a educação pelo sensível

Josélia Schwanka Salomé, Maria Cristina Mendes

Resumo


O artigo trata da problemática advinda da subjetividade inerente às avaliações realizadas nos ateliês dos cursos de arte do ensino superior. Busca-se contribuir para as pesquisas da área por meio da identificação de possíveis caminhos que conduzam à adoção de critérios que possibilitem o equilíbrio entre aquisição de conhecimento e educação pelo sensível. Parte-se de uma abordagem do ensino como um todo, no afã de incluir os cursos responsáveis pela habilitação de professores para o Ensino Fundamental; Descartes, Morin, Libâneo e Luckesi embasam esta parte introdutória. No que concerne à avaliação no ensino superior, destaca-se a necessidade de uma educação integral, voltada para o incentivo da pesquisa e pautada na relação entre especificidades da área e equilíbrio afetivo/ emocional; Masseto, Vieira e De Sordi norteiam este segmento da investigação. No tópico que trata da avaliação nos cursos de artes, é pontuada a presença do artista-professor e a ênfase atribuída ao aspecto processual da avaliação; com Garcia, Feyerabend, Tourinho e Almeida valorizam-se o processo de construção do conhecimento e o olhar sensível para a produção do estudante. Enfatiza-se, ao longo do texto, a necessidade de transformação dos moldes avaliativos tradicionais. Observa-se, na pesquisa sobre avaliação em cursos superiores de arte, que é necessária a atenção tanto no processo quanto no produto final, e que a avaliação seja concebida a partir de critérios que coadunem questões subjetivas e objetivas. 

 

 


Palavras-chave


Ensino superior; Avaliação em artes; Práticas pedagógicas

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Célia Maria de Castro. Ser artista, ser professor: razões e paixões do ofício. São Paulo: UNESP, 2009.

FEYERABEND, Paul. Contra o método. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2011.

GARCIA, Joe. Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 20, n. 43, p. 201-213, maio/ago. 2009.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez. 2006.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 9. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

MASETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. 2. ed. São Paulo: Summus, 2012.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 2133-2144, 2008.

MORIN, EDGAR. Os sete saberes necessários para a educação do futuro. Tradução: Catarina Eleonora F. da silva e Jeanne Sawaya. 2 ed. São Paulo: Cortez: UNESCO, 2011.

READ, Herbert. A Educação pela Arte. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

TOURINHO, Irene. Transformações no ensino da arte: algumas questões para uma reflexão conjunta. In: BARBOSA, Ana Mae (org.). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002. p. 28-36.

TOURINHO, Irene. Retomando um tema delicado: avaliação e ensino de arte. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS - ANPAP, 19., 2010. Cachoeira. Anais.... Salvador: EDUFBA, 2010. p. 2094-2106.

VIEIRA, Maria Lourdes; De SORDI, Mara Regina Lemes. Possibilidades e limites do uso do Portfólio no trabalho pedagógico no ensino superior. Revista E-curriculum, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 1-27, abr. 2012.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n55.18872

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional