O ensino da história e cultura afro-brasileira em tempos sombrios: reflexões teóricas e tempestivas

Antonio Carlos Figueiredo Costa

Resumo


Esse estudo intenta aproveitar de roteiros e aprendizagens auferidos em cursos de formação de professores, ao ministrar a Disciplina História e Cultura-Afro Brasileira. Ao mesmo tempo procura apontar a necessidade de agregar a essa disciplina as recentes inovações historiográficas que contribuíram para redimensionar a percepção da formação social brasileira, face ao desenvolvimento capitalista e à inserção em um mundo globalizado, sobretudo entre os séculos XVI e XIX. É a partir desse referencial histórico que julgamos possível articular o discurso antirracista, enquanto condição necessária à re-educação das relações étnico-raciais no caso brasileiro. Defendemos que o constructo teórico a ser formulado deve contar com o conhecimento dos tempos pretéritos nas condições acima expostas, afinando a esse, as discussões que transitam pelas ondas teóricas do pensamento racial brasileiro.

 


Palavras-chave


história e cultura afro-brasileira; formação social brasileira; ondas teóricas do pensamento racial brasileiro; racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul (séculos XVI e XVII). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BANTON, Michael; MILES, Robert. Racismo. In: CASHMORE, Ellis (Org.). Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. As câmaras ultramarinas e o governo do Império. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima (Org.). O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, p. 189-221.

BICALHO, Maria Fernanda. Dos “Estados nacionais” ao “sentido da colonização”: história moderna e historiografia do Brasil colonial. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca (Org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 67-87.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco (Org.). Dicionário de Política. 8.ed. Brasília: UnB, 1995.

BOXER, Charles Ralph. Relações raciais no Império Colonial Português: 1415-1825. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.

BOXER, Charles Ralph. Salvador de Sá e a luta pelo Brasil e Angola: 1602-1686. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973.

BOXER, Charles Ralph. O Império Colonial Português. Lisboa: Edições 70, 1977a.

BOXER, Charles Ralph. A mulher na expansão ultramarina ibérica. Lisboa: Horizonte, 1977b.

BRASIL, 2003. Lei nº 10.639, de 9 de Janeiro de 2003. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm Acesso em: 8 jun. 2020.

BRASIL, 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2004.

BRASIL, 2013. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2013.

COSTA, Antonio Carlos Figueiredo. Relações Étnico-Raciais em questão: as ondas teóricas do Pensamento Racial Brasileiro e o Racismo Trans-histórico. In: OLIVEIRA, Aciomar de; COSTA, Antonio Carlos Figueiredo (Org.). Relações étnicas: conexões possíveis. Ibirité: Poesias Escolhidas, 2018, p. 67-82.

DAHL, Robert Alan. Um prefácio à teoria democrática. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

DAHL, Robert Alan . Poliarquia: participação e oposição. São Paulo: EdUsp, 2012.

DIEHL, Astor Antonio. Cultura historiográfica: memória, identidade e representação. Bauru: Edusc, 2002.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 3.ed. São Paulo: Ática, 1978.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande&Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 35. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. 2.ed. Belo Horizonte: Editora UFMG/IUPERJ, 2005.

HESPANHA, Antonio Manuel. As vésperas do Leviathan: instituições e poder político (Portugal – séc. XVII). Coimbra: Almedina, 1994.

KOSELLECK, Reinhart. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos históricos: Rio de Janeiro, v.5. n. 10, 1992, p. 134 – 146.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro pasado: para una semántica de los tiempos históricos. Paidós: Barcelona, 1993.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do Estado Imperial. 2.ed. São Paulo: Hucitec, 1990.

MEC. Secretaria de Educação fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História e Geografia. 2.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NOVAIS, Fernando A. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1808). São Paulo: Hucitec, 1979.

SANTOS, Gevanilda. Relações raciais e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2009.

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e sociedade no Brasil Colonial: o tribunal superior da Bahia e seus desembargadores (1609-1751). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SILVA, Alberto da Costa e. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

SILVA, Alberto da Costa e. A manilha e o libambo: a África e a escravidão, de 1500 a 1700. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

SILVA, Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

XAVIER, Ângela Barreto; Hespanha, Antonio Manuel. As redes clientelares. In: MATTOSO, José (Dir.). História de Portugal: o Antigo Regime (1620-1807). V. 4. Lisboa: Estampa, 1998, p. 339-349.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n60.21731

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional