Ferramentas para gestão da floresta urbana

Raquel Dias de Aguiar Moraes Amaral, Rúbia Gomes Morato, Richard Soares Mariano, Jânio Marcos Rodrigues Ferreira

Resumo


Objetivo: Contextualizar o uso de ferramentas de gestão da Floresta Urbana para promoção da qualidade de vida maximizando os serviços ambientais que as árvores prestam para os citadinos.

Metodologia: Apresentar o estado da arte do desenvolvimento de tecnologias de monitoramento fundamentadas em plataformas espaciais e terrestres para a gestão da floresta urbana, por meio da aplicação de métodos, técnicas e tecnologias de monitoramento, controle e automação de processos de levantamento e mapeamento, com vistas à tomada de decisão.

Originalidade/Relevância: A relevância deste trabalho está na apresentação das diferentes ferramentas para gestão da floresta urbana de maneira atualizada, aliando os recursos tecnológicos às necessidades dos gestores públicos e, com isso, contribuindo para a qualidade de vida da população urbana.

Resultados: Algumas ferramentas vêm ganhando notoriedade em decorrência das suas vantagens em captarem informações, como os Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs). Tecnologias de sensoriamento remoto tem se tornado ferramentas obrigatórias na gestão de cidades, no planejamento urbano e ambiental. A análise da vegetação na área urbana, distribuição e classificação efetuada por meio da extração do NDVI (Normalized Difference Vegetation Index) também é utilizada para caracterizar grandes áreas e localizar exemplares arbóreos com suspeitas de deficiência na saúde vegetal. Os sensores LiDAR executam varredura a laser propiciando análises topográficas e da cobertura florestal que possibilitam mapear, simultaneamente, o terreno sob as árvores e a sua altura estimada. As técnicas de sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica (SIG) são combinadas para mapear o uso e mudanças na cobertura da terra e medir a taxa de expansão urbana e perda de vegetação. Outras ferramentas computacionais promissoras são a Inteligência Artificial (IA) e o aprendizado de máquinas que se propõe a elaborar dispositivos que simulem a capacidade humana de raciocinar, perceber, tomar decisões e resolver problemas.

Contribuições sociais / para a gestão: A utilização de ferramentas de gestão para a floresta urbana são recursos necessários e mais ágeis que podem auxiliar os gestores na tomada de decisão para a construção de uma cidade mais sustentável e inclusiva.


Palavras-chave


Floresta urbana; Gestão; Tecnologia de informação; Ferramentas.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Amato-Lourenço, L., Moreira, T., Arantes, B., Silva Filho, D., & Mauad, T. (2016). Metrópoles, cobertura vegetal, áreas verdes e saúde. Estudos Avançados, 30(86), 113-130. Recuperado em 3 de maio, de 2021, de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/115084

Andersen, H.-E., Reutebuch, S. E., & McGaughey, R. J. (2006). A rigorous assessment of tree height measurements obtained using airborne LiDAR and conventional field methods. Canadian Journal of Remote Sensing, 32(5), 355–366. https://doi.org/10.5589/m06-030

Bêrni, D. A. (2002). Técnicas de pesquisa em economia: transformando curiosidade em conhecimento. São Paulo.

Biondi, D. (2015). Floresta urbana: conceitos e terminologias. In D. Biondi (Org.), Floresta urbana. Curitiba: O Autor.

Borges, M. G., Rodrigues, H. L. A., & Leite, M. E. (2019). Sensoriamento remoto aplicado ao mapeamento do Cerrado no Norte de Minas Gerais e suas fitofisionomias. Caderno de Geografia, 29(58). ISSN 2318-2962.

Branson, S., Wegner, J. D., Hall, D., Lang, N., Schindler, K., & Perona, P. (2018). From Google Maps to a fine-grained catalog of street trees. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing,135,13-30.

Buckeridge, M. (2015). Árvores urbanas em São Paulo: planejamento, economia e água. Estudos Avançados, 29(84), 85-101. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142015000200006

Carbone, A. S. (2014). Gestão de áreas verdes no Município de São Paulo, SP - Brasil: ganhos e limites, (Dissertação de mestrado). Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi: 10.11606/D.6.2014.tde-09042014-103047. Recuperado em 19 de março, de 2021, de http://www.teses.usp.br

Cavalheiro, F., & Del Picchia, P. C. D. (1992). Áreas Verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento. 1o Congresso Brasileiro Sobre Arborização Urbana (pp. 29-35). Vitória - ES. v. I e II.

Crósta, A. P. (1992). Processamento digital de imagens de sensoriamento remoto (ed. rev.). Campinas: IG/UNICAMP.

Hamamura, C. (2020). Sensoriamento remoto para identificação taxonômica e mapeamento de espécies arbóreas em ambiente urbano, (Tese de doutorado). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba. doi:10.11606/T.11.2020.tde-12082020-165438. Recuperado em 28 de agosto, de 2020, de http://www.teses.usp.br

Harder, I. C. F., Ribeiro, R. C. S., & Tavares, A. R. (2006). Índices de área verde e cobertura vegetal para as praças do município de Vinhedo, SP. Revista Árvore, 30(2), 277-282.

Hassaan, O., Nasir, A. K., Roth, H., & Khan, M. F. (2016). Precision Forestry: Trees Counting in Urban Areas Using Visible Imagery Based on an Unmanned Aerial Vehicle. IFAC-Papers On Line, 49(16), 16-21.

Ifatimehin, O. O., & Ufuah, M. (2006). An Analysis of Urban Expansion and Loss of Vegetation Cover in Lokoja, Using GIS Techniques an Analysis of Urban Expansion and Loss of Vegetation. The Zaria Geographer, 17(1), 28–36.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. (2020). Plano de Desenvolvimento Institucional na Área de Transformação Digital: Manufatura Avançada e Cidades Inteligentes e Sustentáveis. São Paulo: IPT. 24 p. (2º relatório científico, Processo FAPESP: 2017/50343-2; Programa de Modernização dos Institutos Estaduais de Pesquisa).

Lemos, A. (2013). Cidades inteligentes. GV-executivo, 12(2).

Morato, R. G., & Machado, R. P. P. (2015). Análise espacial da justiça ambiental no Distrito da Vila Andrade – São Paulo/SP. Seminário Internacional Justiça Espacial e Direito à Cidade (p. 21). São Paulo, SP: https://doi.org/10.13140/RG.2.1.3461.8645

Moreira, M. A. (2005). Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. Viçosa, MG: Editora UFV.

Narulita, S., Zain, A. F. M., & Prasetyo, L. B. (2016). Geographic Information System (GIS) Application on Urban Forest Development in Bandung City. Procedia Environmental Sciences, 33, 279–289. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.proenv.2016.03.079

Nucci, J. C. (2001). Qualidade ambiental e adensamento urbano. São Paulo, SP: Humanitas.

Organização das Nações Unidas – ONU. (2012). World urbanization prospects: the 2011 revision. New York: ONU. Recuperado em 06 de junho, de 2012, de http://esa.un.org/unpd/wup/index.htm

Pauleit, S., & Duhme, F. (2000). GIS assessment of Munich's urban forest structure for urban planning. Journal of arboriculture, 26(3), 133-141.

Prefeitura da Cidade de São Paulo. (2017). Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica do Município de São Paulo - PMMA. Recuperado em 28 de agosto de 2020, de https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/PMMA_final_8_jan%20ok.Pdf

Randrup, T. B., Dobbertin M. K., Bosch C. K., & Pruller, R. (2005). The Concept of Urban Forestry in Europe, (p.13). Europe.

Rezende, J. H., Aroni, L. R., & Rodrigues, V. L. (2020). Avaliação e classificação de praças com o uso de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT). REVSBAU, 15(2), 75-89.

Ribeiro, T. G., Boaventura, G. R., Cunha, L. S., & Pimenta, S. M. (2017). Qualidade Ambiental: Reflexões Teóricas. Revista Processos Químicos, 11(21), 37-45. https://doi.org/10.19142/rpq.v11i21.390

Rouse, J. W., Haas, R. H., Schell, J. A., Deering, D. W., & Harlan, J. C. (1973). Monitoring the vernal advancement of retrogradation of natural vegetation. Greenbelt: National Aerospace Spatial Administration, (371 p). MD: NASA/GSFC Type III, Final Report. Recuperado em 06 junho, de 2012, de http://ntrs.nasa.gov/archive/nasa/casi.ntrs.nasa.gov/19730017588.pdf

Salbitano, F. (2019, May 08-11). Urban forest-based solutions for health: opportunities and threats of doctor green in our future cities. Paper presented at the World Conference on Forests for Public Health, Greece. (Abstract Book).

Silva, R., Lima, C., & Saito, C. (2019). Análise Per Capita dos Espaços Verdes Urbanos na Região Metropolitana de São Paulo - Brasil. Revista do Departamento de Geografia, 38, 31-41. https://doi.org/10.11606/rdg.v38i1.156105

Sociedade Brasileira de Arborização Urbana – SBAU. (1996). Carta a Londrina e Ibiporã. Boletim Informativo, 3 (5), 3.

Tyrväinen, L. (2019, May 08-11). Outdoor recreation and nature-based tourism for public health. Paper presented at the World Conference on Forests for Public Health, Greece. (Abstract Book).

Viríssimo, D. B., Russo, M. C., Brazolin, S., Amaral, R. D. A. M. (2013). Arbio: Sistema de Gestão da Arborização. Conferência IADIS Ibero-Americana Computação Aplicada, São Leopoldo, RS.

Wagner, W., & Ullrich, A. (2006). Gaussian decomposition and calibration of a novel small-footprint full-waveform digitising airbone laser scanner. ISPRS Journal of photogrammetry and Remote Sensing, 60(2), 100-112.

Zheng, Y., Lan, S., Chen, W. Y., Chen, X., Xu, X., Chen, Y., & Dong, J. (2019). Visual sensitivity versus ecological sensitivity: An application of GIS in urban forest park planning. Urban Forestry & Urban Greening, 41, 139–149. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.ufug.2019.03.010




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v10i1.18131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2022 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional