A Súmula Vinculante como um instituto voluntarista

José Alfredo de Oliveira Baracho Júnior, Ana Luiza Novais Cabral

Resumo


A súmula vinculante possui aspectos dúplices quanto a sua utilidade: contribui para a celeridade processual e a segurança jurídica, porém, mostra-se como forma de interpretação impositiva proferido pelo Supremo Tribunal Federal. O voluntarismo jurídico constatado no cenário atual permite que o órgão analise e decida sobre quaisquer questões sem uma fórmula adequada. Originalmente, aquela Corte, pode ter sua decisão de forma obrigatória aos Tribunais e todas as esferas da administração direta e indireta através da Súmula Vinculante com eficácia que prepondera a norma posta, excedendo, os poderes legiferantes a quem a Constituição Federal atribui tipicamente essa função. Assim, utilizando-se de uma metodologia teórico-jurídico com raciocínio dedutivo, através de análise doutrinária e jurisprudencial, serão observados, importantes fatores que colocam a súmula vinculante num caráter prioritário do processo constitucional e a correspondência crítica quanto ao ilimitado e irrestrito poderá inferido ao Supremo Tribunal Federal, no qual poderá culminar numa erosão democrática.


Palavras-chave


direito sumular; súmula vinculante; voluntarismo jurídico; poder contramajoritário; Supremo Tribunal Federal

Texto completo:

PDF

Referências


ARGUELHES, Diogo Werneck. O Supremo que não erra. In: VIEIRA, Oscar Vilhena; GLEZER, Rubens (org.). A razão e o voto. Diálogos Constitucionais com Luís Roberto Barroso. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2017. p. 81-107.

BARROSO, Luís Roberto; BARCELLOS, Ana Paula de. Limites constitucionais à edição de súmula por Tribunal Superior. Análise da súmula 331, I, do TST. Revista Eletrônica de Direito Processual – REDP. Periódico da Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Processual da UERJ, v. VII, n. 7, p. 456-480, 2011. Disponível em: https://livros-e-revistas.vlex.com.br/vid/constitucionais-súmula-tribunal-tst-417359318. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, 17 mar. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Lei n.º 11.417, de 19 de dezembro de 2006. Regulamenta o art. 103-A da Constituição Federal e altera a Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999, disciplinando a edição, a revisão e o cancelamento de enunciado de súmula vinculante pelo Supremo Tribunal Federal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 dez. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11417.htm. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Regimento interno do Supremo Tribunal Federal. Atualizado até a Emenda Regimental n. 51/2016. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoRegimentoInterno/anexo/RISTF_integral.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Pesquisa – 2015. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/destaques//arquivo/2015/06/bbb34b5dd27f6c38f7bd0877496c264a.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

DIMOULIS, Dimitri; LUNARDI, Soraya. Democraticidade ou Juridicidade? Reflexões sobre o passivismo do STF e o futuro do controle judicial de constitucionalidade. In: VIEIRA, Oscar Vilhena; GLEZER, Rubens (org.). A razão e o voto. Diálogos Constitucionais com Luís Roberto Barroso. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2017, p. 197-223.

ELIAS, Gustavo Terra. Súmula Vinculante n. 3 do Supremo Tribunal Federal: um estudo do conflito entre as mutações do direito e a busca de segurança jurídica no controle dos atos de aposentadoria pelos tribunais de contas. Revista TCEMG, p. 23-39, out/nov/dez 2013. Disponível em: http://revista.tce.mg.gov.br/Content/Upload/Materia/2264.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

HART, Herbert. O conceito de direito. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

LEAL, Fernando. Até que ponto é possível legitimar a jurisdição constitucional pela racionalidade? Uma reconstrução crítica de “A razão sem voto”. In: VIEIRA, Oscar Vilhena; GLEZER, Rubens (org.). A razão e o voto. Diálogos Constitucionais com Luís Roberto Barroso. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2017, p. 108-139.

MORETO, Mariana Capela Lombardi. O precedente judicial no sistema processual brasileiro. 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2137/tde-15052013-162737/pt-br.php. Acesso em: 20 mar. 2020.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.

SILVA, Daianny Cristine. A súmula vinculante como instrumento para conceder efeito erga omnes ao controle difuso de constitucionalidade. Revista do Ministério Público do Estado de Goiás, Goiânia, ano XVI, n. 25, p. 113-142, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.mp.go.gov.br/revista/pdfs_4/Artigo21final_Layout%201%20-%206.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

SOUZA, Marcelo Alves Dias de. Do precedente judicial à súmula vinculante. 2. ed. Curitiba: Juruá Editora, 2007.

SUSTEIN, Cass Robert. A Constituição parcial. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Estabilidade e adaptabilidade como objetivos do direito: civil law e common law. Revista de Processo, v. 172, p. 121, jun./2009. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/estabilidade_e_adaptabilidade_como_objetivos_do_direito_civil.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v20n2.18402

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Prisma Juridico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prisma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional