A violência segundo uma análise criminológico-cultural: um estudo de caso com base nas consequências de The Last of Us – parte II

Felipe da Veiga Dias, Francielli Bressan

Resumo


A presente pesquisa promove um debate entre a explicação criminológico-cultural acerca da violência e a sua forma abordada no jogo The Last of Us – part II, englobando sua apresentação durante a história e seus efeitos no campo empírico. O problema de pesquisa se concentra em: como o tema da violência é tratado no jogo The Last of Us – part II, e quais são as suas consequências? O objetivo central consiste em analisar as discussões, para além do habitual, acerca da violência por intermédio de uma mídia interativa, com efeitos múltiplos (seja na obra em si, nos jogadores ou ainda nas pessoas envolvidas fora do campo digital). Para tanto, inicialmente se adota como método de abordagem a lógica dedutiva, o método de procedimento monográfico e a técnica de pesquisa da documentação indireta. Por fim, conclui-se que, embora seja uma peça da indústria cultural, a obra em análise subverte a expectativa do público a respeito da violência, introduzindo aspectos importantes para a reflexão social, tendo obtido como consequência reações odiosas que são ligadas ao contexto social contemporâneo e aos processos discriminatórios ainda existentes.


Palavras-chave


violência; tecnologia; criminologia cultural; jogos

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W, HORKHEIMER, Max. A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Pelas mãos da criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

ARENDT, Hannah. Da violência. Brasília: Universidade de Brasília, 1970.

BEIRAS, Iñaki Rivera. Retomando el concepto de violência estructural. La memoria, el daño social y el derecho a la resistência como hemamientas de trabajo. In: BEIRAS, Iñaki Rivera. Delitos de los estados, de los mercados y daño social: debates em criminología crítica y sociología jurídico-penal. Barcelona: Anthropos Editorial, 2014.

BRUGGER, Winfried. Proibição ou proteção do discurso do ódio?: Algumas observações sobre o direito alemão e o americano. Direito Público. v. 4, n. 15, p. 116-136, jan./mar. 2007.

BUTLER, Judith. A força da não violência: um vínculo ético-político. São Paulo: Boitempo, 2021.

COSTA, Fabrício Veiga; ANDRADE, Érica Patrícia Moreira de Freitas. A linha tênue entre o exercício do direito de liberdade religiosa em face do discurso de ódio. Prisma Jurídico, v. 16, n. 2, p. 479-503, 2017. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/prisma/article/view/7800

CRUZ, Sabrina Uzêda. A representação da mulher na mídia: um olhar feminista sobre as propagandas de cerveja. Revista Travessias: educação, cultura, linguagem e arte, v. 2, n. 2., p. 1-16, 2008. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/2997

DIAS, Felipe da Veiga. Introdução à criminologia. São Paulo: Tirant lo Blanch, 2020.

DIAZ, Alvaro Paul. La penalización de la incitación al ódio a la luz de la jurisprudência comparada. Revista Chilena de Derecho, v. 38, n. 2, p. 503-609, 2011.

FERRELL, Jeff. Tédio, crime e criminalidade. In: ROCHA, Álvaro Oxley et al. Explorando a criminologia cultural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

FERRELL, Jeff; HAYWARD, Keith. A criminologia cultural continuada. In: ROCHA, Álvaro Oxley. et al. Explorando a criminologia cultural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2012.

GALTUNG, Johan. Violence, peace, and peace research. Journal of peace research, v. 6, n. 3, p. 167-191, 1969.

GERVASONI, Tamiris Alessandra. A decisão de Joel ao fim de The Last of Us. A decisão certa em termos de justiça? In: BOLESINA, Iuri; GERVASONI, Tamiris. DIPOP: o direito na cultura pop. Curitiba: Ithala, 2014.

GOIRAND, Camille. Lusotopie 2003: violence et controle de la violência au Brésil, en Afrique et à Goa. Paris: Karthala, 2004.

HAYWARD, Keith. Focando as lentes: criminologia cultura e a imagem. Revista de Direito da Cidade, v. 11, n. 1., p. 550-581, 2019.

HAYWARD, Keith; FERRELL, Jeff. Possibilidades insurgentes: as políticas da criminologia cultural. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito – PUCRS, v. 4, n. 2., p. 206-218, 2012.

HAYWARD, Keith; YOUNG, Jock. Cultural criminology. In: The Oxford handbook of

criminology. 4th ed. Oxford: Oxford University Press, 2007.

HAYWARD, Keith; YOUNG, Jock. Cultural criminology. In: MAGUIRE, Mike; MORGAN, Rod; REINER, Robert. The Oxford handbook of criminology. 5. ed. Oxford: Oxford University Press, 2012.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W. Dialectic of Enlightenment Stanford. CA: Stanford, 2002.

KHALED JUNIOR, Salah H. Perspectivas insurgentes na criminologia cultural na quadra tardo-moderna. In: ROCHA, Álvaro Oxley et al. Explorando a criminologia cultural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

KHALED JUNIOR, Salah H. Videogame e violência: cruzadas morais contra os jogos eletrônicos no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

LESSA, Patrícia. Mulheres à venda. Londrina: Eduel, 2005.

LINCK, José; MAYORA, Marcelo. Criminologia e cultura contemporânea: três proposições para uma criminologia pós-moderna. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito – PUCRS, v. 2, n. 2, p. 104-115, 2010.

MASI, Carlo V.; MOREIRA, Renan S. Criminologia cultural e mídia: um estudo da influência dos meios de comunicação na questão criminal em tempos de crise. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 108, p. 437, 2014.

METACRITIC. Sony Interactive Entertainment. Metacritic: The Last of Us – Part 2. Disponível em: https://www.metacritic.com/game/playstation-4/the-last-of-us-part-ii. Acesso em: 12 de novembro de 2020.

NAUGHTY DOG. The Last of Us – Part 2. Disponível em: https://www.naughtydog.com/. Acesso em: 10 de novembro de 2020.

PRESDEE, Mike. Cultural criminology and the carnival of crime. Routledge: London/New York, 2000.

RIFIOTIS, Theophilos. Nos campos da violência: diferença e positividade. Antropologia em Primeira Mão, Florianópolis, v. 19, p. 1-19, 1997.

SACKS, Patricia Meyer. Boredom. Chicago: Chicago, 1995.

SANDEL, Michael J. Justiça – o que é fazer a coisa certa. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

THE GAME AWARDS. Disponível em: https://thegameawards.com/nominees. Acesso em: 13 de novembro de 2020.

TWITTER. Tweet de Laura Bailey. Disponível em: https://twitter.com/LauraBaileyVO/status/1279173199918292992. Acesso em: 12 nov. 2020.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v21n1.18900

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Felipe da Veiga Dias; Francielli Bressan

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prisma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional