A dimensão jurídica e econômica do empoderamento feminino

Samantha Ribeiro Meyer-Pflug Marques, Gina Vidal Marcílio Pompeu

Resumo


O presente artigo trata de analisar a dimensão jurídica e econômica do empoderamento feminino. A Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável estabeleceu como uma de suas metas o empoderamento de meninas e mulheres na busca da igualdade de gênero. Nesse contexto, cumpre examinar com acuidade como se dá a dimensão jurídica desse empoderamento, tanto no âmbito da legislação como da atuação do Poder Judiciário. Do ponto de vista econômico, cumpre estudar os aspectos sociais, políticos e trabalhistas dos direitos das mulheres, bem como o papel da empresa na busca da equidade entre homens e mulheres. . Para tanto, são empregados o método dedutivo e a pesquisa bibliográfica.


Palavras-chave


direito das minorias; direito das mulheres; empoderamento feminino

Texto completo:

PDF

Referências


ABÍLIO, Adriana Galvão Moura; ASSIS, Adriana de Fátima Guilherme de. “A proteção jurídica do trabalho da mulher: um olhar sobre o viés das discriminações”. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

ALENCAR, Ana Lúcia Arraes de; FERREIRA, Ana Maria Alves. “A participação feminina na política como pilar da democracia”. In: MENDONÇA, Grace (org.). De.mo.cra.cia substantivo feminino. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

ARRUDA, Desdêmona Tenório de Brito Toledo. “Cultura da igualdade de gênero no Brasil – uma leitura a partir de Raewyn Connel”. In: SILVA, Christine Oliveira Peter da; BARBOZA, Estefânia Maria de Queiroz; FACHIN, Melina Girardi (coord.). Constitucionalismo feminista: expressão das políticas públicas voltadas à igualdade de gênero. Salvador: Podvim, 2020.

AZEVÊDO, Maria Nazareth Farani. “Mulheres, Diplomacia e Democracia: de Bertha Lutz aos Dias de Hoje”. In: MENDONÇA, Grace (org.). De.mo.cra.cia substantivo feminino. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

BOBBIO, Norberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Unesp, 2002.

BOULOS, Katia. “As breves considerações sobre a violência contra a mulher no âmbito da família”. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coordenação). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

CASTRO, Susana de. “Apresentação à edição brasileira”. In: NUSSBAUM, Martha. Fronteiras da Justiça: deficiência, nacionalidade, pertencimento à espécie. Tradução de Susana de Castro. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

CHAKIAN, Silvia. A construção dos direitos das mulheres: histórico, limites e diretrizes para uma proteção penal eficiente. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019.

COOLE, Diana. “Is class a difference that makes a difference?”.Radical Philosophy, 1996, n. 77.

DAHL, Tove Stang. O Direito das mulheres: uma introdução à teoria do direito feminista. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

DWORKIN, Ronald. O Direito da Liberdade: a leitura moral da constituição norte-americana. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FACHIN, Melina Girardi; ROSA, Vitória Pereira. “O legado de Malala no Brasil atual: o cenário do direito à educação das meninas e mulheres a partir do constitucionalismo feminista”. In: SILVA, Christine Oliveira Peter da; BARBOZA, Estefânia Maria de Queiroz;

FACHIN, Melina Girardi (coord.). Constitucionalismo feminista: expressão das políticas públicas voltadas à igualdade de gênero. Salvador: Podvim, 2020.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 15. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2000.

GUSMÃO, Ana Carina Freire Correia de. “Aspectos civis e empresariais da violência contra a mulher”. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

LEON, Magdalena. “Empoderamiento: relaciones de las mujeres con el poder”. Revista de Estudos Feministas, v. 8, n. 2, 2000.

MACHADO, Marlene Oliveira Campos. “O poder feminino da independência à influência”. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

MACHADO, Monica Sapucaia. Direito das mulheres: ensino superior, trabalho e autonomia. São Paulo: Almedina, 2019.

MARCON, Chimelly Louise de Resenes. O direito das mulheres a uma vida sem violência: uma construção dos direitos humanos. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

MARTA, Taís Nader; PINTO, Gabriela Cristina Gaviolli. “Uma visão jurídica do trabalho como Revolução social e transformação pessoal da Mulher”. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

MARTINI, Sandra Regina; REIS, Clayton; EMERICH, Beathrys Ricci. “O compliance na efetivação dos direitos fundamentais da mulher no âmbito empresarial”. Administração de Empresas em Revista, v. 3, n. 17, 2019.

MILL, Stuart. Sobre a liberdade e a sujeição das mulheres. São Paulo: Penguin, 2017.

NALINI, José Renato. Ética geral e profissional. 13. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

NUSSBAUM, Martha. Fronteiras da Justiça: deficiência, nacionalidade, pertencimento à espécie. Tradução de Susana de Castro. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

NUSSBAUM, Martha. Las mujeres y el desarrollo humano el enfoque de las capacidades. Barcelona: Herder editorial, 2012.

OKIN, Susan Moller. “Gênero, o público e o privado”. Estudos feministas, Florianópolis, maio/ago. 2008.

OLIVEIRA, Régis Fernandes de. As desigualdades sociais, a mulher e a liberdade no Direito. Barueri: Estante de Direito, 2020.

PEDUZZI, Maria Cristina Irigoyen. “O trabalho como pilar da democracia”. In: MENDONÇA, Grace (org.). De.mo.cra.cia substantivo feminino. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

PHILLIPS, Anne. “Da desigualdade à diferença: um caso grave de deslocamento?” Revista Brasileira de Ciências Políticas, Brasília, n. 2, p. 223-240, jul./dez. 2009.

PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi. “A luta histórica das mulheres e as dificuldades encontradas nas esferas políticas de poder para alcançar a igualdade de gênero”. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

PINTO, Ligia Paula Pires. “A resiliência é mais forte que a violência: a mulher no jogo político. In: PINTO, Alessandra Caliguri Calabresi (coord.). Direito das mulheres: igualdade, perspectiva e soluções. São Paulo: Almedina, 2020.

POLITANSKI, Claudia; MELO, Leila Melo “Uma jornada para o empoderamento financeiro das mulheres empreendedoras do Brasil”. In: MENDONÇA, Grace (org.). De.mo.cra.cia substantivo feminino. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

POMPEU, Gina; FARIAS, Isabel; VIEIRA, Sofia (org.). Coleção Constituições do estado do Ceará – 1935. Fortaleza: INESP, 2005.

PROGRAMA DE LAS NACIONES UNIDAS PARA DESARROLLO (PNUD). Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/135265-pnud-convida-criador-do-microcredito-para-discutir-empreendedorismo-pos-pandemia. Acesso em: 24 set. 2021.

PROGRAMA DE LAS NACIONES UNIDAS PARA DESARROLLO (PNUD). Panorama General: Informe sobre Desarollo Humano 2019. Más allá del ingreso, más allá de los promedios, más allá del presente: Desigualdades del desarrollo humano en el Siglo XXI. Disponível em: http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr_2019_overview_-_spanish.pdf. Acesso em: 24 set. 2021.

PUYOL, Ángel. El discurso de la igualdad. Barcelona: Editorial Crítica, 2001.

ROCHA, Maria Elizabeth Guimarães Teixeira; LAGE, Fernanda de Carvalho. “A mulher e o Poder Judiciário no Brasil” In: SILVA, Christine Oliveira Peter da; BARBOZA, Estefânia Maria de Queiroz. FACHIN, Melina Girardi (coord.). Constitucionalismo feminista: expressão das políticas públicas voltadas à igualdade de gênero. Salvador: Podvim, 2020.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Tradução de Laura Texeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVEIRA, Vladmir Oliveira da; MEYER-PFLUG, Samantha Ribeiro. “A igualdade entre homens e mulheres e as Forças Armadas”. A&C, R. Dir. Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 14, n. 57, p. 133-146, jul./set. 2014.

UNZUETA, Maria Angeles Barrère. Discriminación, derecho antidiscriminatorio y acción positiva en favor de las mujeres. Madrid: Cuadernos Civitas, 1997.

VERNIER, Martha Elena. Por qué “apoderar”. Boletín 67. México: El Colegio de Mexico, Mayo-Junio, 1996.

YOUNG, Kate. Reflexiones sobre como enfrentar las necesidades de las mujeres. In: GUZMÁN et al. (ed.). Una nueva mirada: género en el desarrollo. Lima: Flora Tristán/Entre mujeres, 1991.

YUNUS, Muhammad. Um mundo sem pobreza. A empresa social e o futuro do capitalismo. São Paulo: Ática, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v21n1.21973

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Samantha Ribeiro Meyer-Pflug Marques; Gina Vidal Marcílio Pompeu

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prisma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional