Direito natural e a fundação do Estado, segundo Jean-Jacques Rousseau

Cristiane Aparecida Barbosa

Resumo


Esse trabalho trata da obra Discurso sobre a desigualdade, na qual Rousseau expõe sua crença na igualdade original dos homens e sua tendência à solidão, portanto, à não-sociabilidade. Discorre também acerca dos diversos fatores que conduziram os homens desde a solidão até a formação paulatina de grupos que cresciam, mais e mais, e que culminaram com a fundação do Estado, o qual o pensador acusa de injusto por tornar legítima a distribuição desigual da terra, isto é, a propriedade. Aponta ainda as conseqüências para a vida dos homens advindas da instituição da sociedade injusta embasada em leis que distribuem privilégios a alguns, autorizando a existência de ricos e pobres. Em específico, expõe as diretrizes gerais do pensamento de Rousseau sobre o direito natural e ainda trata das conseqüências da fundação do Estado injusto, ou seja, da desigualdade social, seu desenvolvimento e a perda da liberdade.

Palavras-chave


Desigualdade. Direito. Estado.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v5i0.603

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Prisma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional