Risk management: case study on implementation and effectuation challenges

Loana de Moura Furlan, Anderson Sasaki Vasques Pacheco

Abstract


Objective: The Public Administration faces the influence of internal and external factors that bring uncertainty regarding the achievement of its objectives. These uncertainties can be called organizational risks, which can be analyzed by the Implementation and its processes. However, these phases have been approached as synonymous, making it difficult to measure the results desired by Risk Management. Thus, this article aims to highlight the difference in implementation and implementation in risk management, as well as to elucidate the challenges faced by the Federal Institute of Santa Catarina in the Risk Management process.

Methodology/Approach: This research is classified as a qualitative case study, with information analysis through interviews with the organization's employees and participant observation over three years.

Originality/Relevance: The study provides empirical evidence on the distinction between the implementation and implementation stages, as well as their challenges, to improve the studies and execution of Risk Management. 

Main results: The implementation and its phases were identified, with challenges occurring in both, especially regarding the difficulty of public servants in understanding risk management and its context, the preparation of risk maps, the assignment of roles outside the committee, and the creation of indicators concise.

Theoretical-methodological contributions: Institutions need to go beyond standardization and regulation, completing all the steps established in the implementation of Risk Management, subsequently introducing implementation, and institutionalizing their practices in the management processes.


Keywords


Risk management; Deploy; Implement; Challenges.

References


Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR ISO 3100. (2009). Gestão de riscos – Princípios e Diretrizes. Rio de Janeiro. Recuperado em 25 de março de 2021, de https://gestravp.files.wordpress.com/2013/06/iso31000-gestc3a3o-de-riscos.pdf

Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR ISO 3100. (2018). Gestão de riscos: diretrizes. (2º ed.). Rio de Janeiro. Recuperado em 25 de março de 2021, de https://www.apostilasopcao.com.br/arquivos-opcao/erratas/10677/66973/abnt-nbr-iso-31000-2018.pdf

Amorim, S. N. D. (2000). Ética na esfera pública: a busca de novas relações Estado/sociedade. Revista do Serviço Público, 51(2), 94–104. https://doi.org/10.21874/rsp.v51i2.327

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf

Brasil, F., & Souza, K. (2017). Como gerenciar riscos na administração pública (22o ed.). Negócios Públicos do Brasil.

Carvalho Filho, J. dos S. (2008). Manual de Direito Administrativo (20o ed.). São Paulo: Lumen Juris.

Christo, C. de S., & Borges, M. E. S. (2017). Reorganização do trabalho em uma agência da Previdência Social: Resistência à mudança ou preservação da saúde? Saúde em Debate, 41(SPE2), 104–114. https://doi.org/10.1590/0103-11042017s209

Decreto n. 9.203 de 22 de novembro de 2017. (2017). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9203.htm

Diário Oficial da União. (2016a). Instrução Normativa Conjunta n. 1, de 10 de maio de 2016 — Imprensa Nacional. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/21519355/do1-2016-05-11-instrucao-normativa-conjunta-n-1-de-10-de-maio-de-2016-21519197

Diário Oficial da União. (2016b). Portaria n. 426, de 30 de dezembro de 2016 — Imprensa Nacional. https://www.in.gov.br/materia

Escola Nacional de Administração Pública. (2017). Seminário Gestão de Riscos: Desafios para Implementação da Instrução Normativa Conjunta MP/CGU. Recuperado em 6 abril de 2020, de https://www.youtube.com/watch?v=Qvc-PoPxNyQ

Escola Nacional de Administração Pública. (2018). Implementando a Gestão de riscos no setor público. Recuperado em 15 abril de 2020, de https://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/4090/1/Modulo%203-Ciclo%20de%20Gerenciamento%20de%20Riscos.pdf

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4o ed.). São Paulo, Atlas.

Instituto Federal Catarinense. (2020a). Histórico – Instituto Federal Catarinense – Campus Camboriú. http://www.camboriu.ifc.edu.br/institucional-2/historico/

Instituto Federal Catarinense. (2020b). Política de Gestão de Riscos – Instituto Federal Catarinense. https://ifc.edu.br/2018/03/23/politica-de-gestao-de-riscos/

Instituto Federal Catarinense. (2020c). Portarias Normativas – 2019. https://ifc.edu.br/portarias-normativas-2019/

Instituto Federal Catarinense. (2021). Portarias Normativas – 2020. https://ifc.edu.br/portarias-normativas-2020/

Marques, W. (2011). Ensino, pesquisa e gestão acadêmica na universidade: Teaching, research and higher education academic management. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), 16(3), 685–701. https://doi.org/10.1590/S1414-40772011000300011

Rangel, M. L. (2007). Comunicação no controle de risco à saúde e segurança na sociedade contemporânea: Uma abordagem interdisciplinar. Ciência & amp; Saúde Coletiva, 12(5), 1375–1385. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000500035

Ribeiro, D. (2019). Significado In. Implementar. Dicionário Online de Português. Recuperado em 06 outubro de 2020, de https://www.dicio.com.br/implementar/

Rinaldi, A., & Barreiros, D. (2007). Organicom. A importância da comunicação de risco para as organizações, 6(4), 136–147.

Rocha, S. R., Souza, J. H., & Barros, A. B. (2009). Análises De Risco e Políticas Públicas: Juiz de Fora, uma experiência pioneira. Anais Eletrônicos – Artigos. V Seminário Internacional de Defesa Civil – DEFENCIL. https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2009/01/artigo-27.pdf

Santos, J. A. dos (2015). Estudo sobre a Questão da Mudança e da Resistência à Mudanças nas Organizações, Revista Ciências Gerenciais, 9, 62–71.

Silva, M. A. da (2014). O princípio da segregação de funções e sua aplicação no controle processual das despesas: Uma abordagem analítica pela ótica das licitações públicas e das contratações administrativas | Revista do TCU. https://revista.tcu.gov.br/ojs/index.php/RTCU/article/view/68

Sousa, M. R. B. D. de (2018). Gestão de Risco nas universidades federais brasileiras [Dissertação, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA]. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/198251/PPAU0174-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y

Stake, Robert E. (2011). Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Tradução: Karla Reis; revisão técnica: Nilda Jacks. ISBN 978-85-63899-33-0.

Steinberg, R. M., Everson, M. E. A., Martens, F. J., & Nottingham, L. E. (2007). COSO Gerenciamento de Riscos Corporativos – Estrutura Integrada. Price water house Coopers LLP. https://www.coso.org/Documents/COSO-ERM-Executive-Summary-Portuguese.pdf

The Institute of Internal Auditors. (2009). Declaração de Posicionamento do IIA: O Papel Da Auditoria Interna No Gerenciamento de Riscos Corporativo. (2009). https://iiabrasil.org.br/korbilload/upl/ippf/downloads/declarao-de-pos-ippf-00000001-21052018101250.pdf

Tribunal de Contas da União. (2017). Roteiro de Auditoria de Gestão de Riscos: Tribunal de Contas da União. Secretaria de Métodos e Suporte ao Controle Externo. Recuperado em 25 de março de 2021, de https://portal.tcu.gov.br/data/files/69/10/AC/EA/4623C5105A76E0C52A2818A8/BTCU_ESPECIAL_18_de_22_05_2017%20-%20Roteiro%20de%20Auditoria%20de%20Gest%C3%A3o%20de%20Riscos.pdf

Tribunal de Contas da União. (2018). Referencial Básico de Gestão de Riscos, Portal TCU. Recuperado em 25 de março de 2021, de https://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/referencial-basico-de-gestao-de-riscos.htm

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: Planejamento e métodos. (2o ed.). São Paulo: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.5585/riae.v20i1.18818

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2021 Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM)

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM)
Revista Ibero-Americana de Estratégia (RIAE)
e-ISSN: 2176-0756
https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=riae

Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM) © 2021 All rights reserved.

Is this work licensed with a License
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional