Hábitos parafuncionais e sintomatologia de pacientes submetidos a intervenções buco-maxilo-faciais em uma clínica escola de fisioterapia: um estudo retrospectivo de 15 anos

Victor Bruno Soares de Oliveira, Itana Lisane Spinato, Micheline Freire Alencar Costa, Daniela Aparecida Biasotto-Gonzalez, Francisco Fleury Uchoa Santos-Júnior

Resumo


Objetivo: Comparar clinicamente os pacientes com desordens buco-maxilo-faciais (DBMF) atendidos em uma clínica-escola de fisioterapia da cidade de Fortaleza.
Materiais e métodos: Dentre 5.357 prontuários, foram coletados os dados de 315 prontuários referentes aos pacientes acometidos por DBMF, dentre eles, 62 homens e 253 mulheres.
Resultados: O estudo adotou perfil predominante de pacientes do gênero feminino, solteiros, entre 21 a 30 anos, estudantes, que fizeram uso de relaxante muscular; mulheres sentiram dor irradiada, já homens, dor do tipo fina. Bruxismo/endentações/desgaste dentário foram prevalentes em ambos os sexos e os sintomas que apresentaram diferença estatística entre homens e mulheres foram cervicalgia (p=0,0051), cefaleia (p<0,0001), formigamento de membros superiores (p=0,0371) e dor corporal (p=0,0234).
Conclusão: Bruxismo/endentações/desgaste dentário foram os prevalentes em ambos os sexos. Entre os homens, o sintoma mais prevalente foi a dor ou cansaço ao mastigar, já entre as mulheres foi a cefaleia.


Palavras-chave


Articulação temporomandibular; Fisioterapia; Dor

Texto completo:

PDF

Referências


Okeson JP. Etiologia dos Distúrbios Funcionais do Sistema Mastigatório. In: Fundamentos de Oclusão e Desordens Temporo-Mandibulares. 2.ed. São Paulo: Arte Médicas; 1992.

Amantéa DV, Novaes AP, Campolongo GD, Barros TP. A importância da avaliação postural no paciente com disfunção da articulação temporomandibular. Acta Ortop Bras. 2004; 12(3): 155-59.

Donnarumma MDC, Muzilli CA, Ferreira C, NEMR K. Disfunções temporomandibulares: sinais, sintomas e abordagem multidisciplinar. Rev. CEFAC. 2010; 12(5): 788-94.

Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4.ed. São Paulo: Artes Médicas; 2000.

Oliveira SLS, Carvalho DS. Cefaleia e articulação temporomandibular (ATM). Rev. Neurociências. 2002; 10(3): 141-52.

Menezes MS, Bussadori SK, Fernandes KPS, Biasotto-Gozales DA. Correlação entre cefaleia e disfunção temporomandibular. Fisioterapia e Pesquisa. 2008;15(2):183-87.

Steenks MH, Wijer A. Disfunções da articulação temporomandibular do ponto de vista da fisioterapia e da odontologia – diagnóstico e tratamento. Editora Santos, 2005.

Melo GM, Barbosa FS. Parafunção x DTM: a influência dos hábitos parafuncionais na etiologia das desordens temporomandibulares. POS- Prespect. Oral Sci. 2009; 1(1): 43-48.

Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do 1º Consenso em Disfunção Temporomandibular e dor Orofacial. Dental Press J Orthod. 2010; 15(3):114-20.

Grazi RCD, Bankoff ADP, Zamai CA. Alterações posturais relacionadas com a disfunção da articulação temporomandibular e seu tratamento. Movimento & Percepção. 2006;6(8): 150-62.

Gonçalves DA, Speciali JG, Jales LC, Camparis CM, Bigal ME. Temporomandibular symptoms, migraine and chronic daily headaches in the population. Neurology. 2009; 73(8): 645-46.

Lupoli T.A, Lockey RF. Temporomandibular dysfunction: an often overlooked cause of chronic headaches. Ann Allergy Asthma Immunol. 2007; 99(4): 314-18.

Franco AL. Estudo da prevalência de cefaleias primárias e da sua associação com a dor orofacial em pacientes com disfunção temporomandibular crônica [dissertação]. Araraquara: UNESP: Universidade Estadual Paulista; 2009.

Melo GM. Terapia farmacológica em disfunções temporomandibulares: uma breve revisão. Revista Dentísticaonline. 2011; 10(21): 35-40.

Karibe H, Goddard G, Shimazu K, Kato Y, Warita-Naoil S, Kawakami T. Comparison of self-reported pain intensity, sleeping difficulty, and treatment outcomes of patients with myofascial temporomandibular disorders by age group: a prospective outcome study. BMC Musculoskeletal Disorders. 2014; 15(423): 2 - 6.

Moura WP, Silva PLP, Lemos GA, Bonan PRF, Montenegro RV, Batista AUD. Revisão retrospectiva de pacientes encaminhados a um serviço de disfunção temporomandibular de uma universidade pública brasileira. Rev. Dor. 2017; 18(2): 128-34.

Matta MAP, Honorato DC. Uma abordagem fisioterapêutica nas desordens temporomandibulares: estudo retrospectivo. Rev. Fisioter. Univ. 2003; 10(2): 77-83.

Ryan J, Ahkter R, Hassan N, Hilton G, Wickham J, Ibaragi S. Epidemiology of Temporomandibular Disorder in the General Population: a Systematic Review. Adv. Dent & Oral Health. 2019; 10(3): 1-13.

Grossi PK, Bueno CH, Silva MAA, Pellizer EP, Grossi ML. Epidemiology of Temporomandibular Disorder in the General Population: a Systematic Review. International Journal of Prosthodontics. 2018; 31(6): 543-551.

Ribeiro MC, Meusel LDZ, Gaviolli E; Silveira AM, Cericato GO. Prevalence of TMJ Pain Symptom in Adults and its Association with Predisposing Factors. Biosci. J. 2018; 34(6): 1815-1823.

Jahandideh Y, Basirat M, Kananian B. Risk Factors for Temporomandibular Joint Disorder in Dental Students. J Dentomaxilofacial Radiol Pathol Surg. 2018; 7(1):23-28.

Reiter S, Emodi-Perlman A, Goldsmith C. Comorbidity Between Depression and Anxiety in Patients with Temporomandibular Disorders According to the Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders. Journal of Oral & Facial Pain and Headache. 2015; 29(2): 135-43.

Dantas AMX, Santos EJL, Vilela RM, Lucena LBS. Perfil epidemiológico de pacientes atendidos em um Serviço de Controle da Dor Orofacial. Rev Odontol UNESP. 2015 Nov-Dec; 44(6): 313-319.

Molina OF, Aquilino RN, César EW, Cury SE, Marçal RL, Miranda MM. Tmj Arthralgia: a rarely described internal joint derangement and characterization regarding factors of age, pain description, and prevalence in craniomandibular disorders individuals (Cmds). Cadernos UniFOA. 2010; 14(5): 71-81.

Portinho CP, Collares MVM, Faller GJ, Fraga MM, Pinto RA. Perfil dos pacientes com disfunção temporomandibular. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2012; 41(Sup 1): 95 - 99.

Pedroni CR, Oliveira AS, Bérzin F. Pain characteristics of temporomandibular disorder: a pilot study in patients with cervical spine dysfunction. J Appl Oral Sci. 2006 Out;14(5):388-92.

Di Paolo C, D’Urso A, Papi P, Di Sabato F, Rosella D, Pompa G, Polimeni A. Temporomandibular Disorders and Headache: A Retrospective Analysis of 1198 Patients. Pain Reasearch and Management. 2017; 2017(2): 1-8.

Muñoz-García D, López-de-Uralde-Villanueva I, Beltran-Alacreu H, Fernández-Carnero J. Patients with Concomitant Chronic Neck Pain and Myofascial Pain in Masticatory Muscles Have More Widespread Pain and Distal Hyperalgesia than Patients with Only Chronic Neck Pain. Pain Medicine. 2017; 18(3): 526-537.

Rubin PF, DMD AE, DMD BP, DMD RBW, DMD EW. Prevalence of Bruxism and Temporomandibular Disorders Among Orphans in Southeast Uganda: A Gender and Age Comparison. Cranio. 2018; 36(4): 243-249.

Braido GVV, Campi LB, Jordani PC, Fernandes G, Gonçalves DAG. Temporomandibular Disorder, Body Pain and Systematic Diseases: Assessing Their Associations in Adolescents. J Appl. Oral Sci. 2020; 28: 1-10.

Ouanounou A, Goldberg M, Haas DA. Pharmacotherapy in Temporomandibular Disorders: A Review. J Can Dent Assoc. 2017; 83 (7): 1-8




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v19n1.18352

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional