Checklist de Mobilização Precoce: construção de uma ferramenta para facilitar sua aplicação na Unidade de Terapia Intensiva

Ronaldo Luís Abdalla-Silva, Luan de Marco Felix, Fernanda Regina de Moraes

Resumo


Introdução: Um extenso período imóvel no leito, ocasionalmente, leva à síndrome do imobilismo, comum em Unidades de Terapia Intensiva. Contrapondo-se as complicações, a mobilização precoce proporciona melhora ventilatória, circulatória e metabólica.
Objetivo: Construir um instrumento (checklist) que aponte os principais achados clínicos para nortear a atuação fisioterapêutica no combate ao imobilismo prolongado.
Métodos: Elaborar Checklist com achados particulares e na literatura, aperfeiçoando escolhas no protocolo cinesioterapêutico em pacientes críticos admitidos no Mario Palmério Hospital Universitário, em Uberaba-MG. Mediante Revisão Integrativa para fundamentação do instrumento Checklist para Mobilização Precoce, somada à Pesquisa Experimental para adequações no referido serviço hospitalar.
Resultados: 24 pacientes, coleta beira-leito e prontuários eletrônicos, idade média de 66anos (±25) distribuído igualmente em ambos os gêneros.
Discussão: A ferramenta promoveu apoio na atuação da equipe de fisioterapia, não havendo divergência nos parâmetros cardiorrespiratórios entre beira-leito e prontuário eletrônico. Conclusão: A utilização de uma ferramenta avaliativa é fundamental ao tratamento, favorecendo a conduta individualizada ao paciente crítico.


Palavras-chave


Mobilização precoce; Checklist; Fisioterapia hospitalar

Texto completo:

PDF

Referências


Ribeiro CG, Silva CVNS, Miranda MM. O paciente crítico em uma Unidade de Terapia Intensiva: uma revisão da literatura. REME – Rev. Min. Enf. [Periódico on-line]. 2005;9(4): 371-377. [citado em 08 de mar 2019]. Disponível em: http://www.dx.doi.org/S1415-27622005000400014.

Backes MTS, Erdmann AL, Büscher A. O ambiente vivo, dinâmico e complexo de cuidados em Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Latino-am. Enfermagem [Periódico on-line]. 2015;3(23). [citado em 14 de out 2019]. DOI: 10.1590/0104-1169.0568.2570. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n3/pt_0104-1169-rlae-0568-2570.pdf.

COFFITO. Resolução n°402, de 03 de agosto de 2011. Disciplina a Especialidade Profissional Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras providências [internet]. [citado em 19 mai 2020]. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3165.

Chung CJ, Christian SP. Exercise as a nonpharmacologic intervention in patients with heart failure. Physician and Sportsmedicine [Periódico on-line]. 2011;39(4). [citado em 14 de out 2019]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/221795000_Exercise_as_a_Nonpharmacologic_Intervention_in_Patients_with_Heart_Failure.

França EÉT et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Rer. Bras Ter Intensiva [Internet]. 2012;24(1):6-22 [citado em 12 mar de 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v24n1/03.pdf.

Pereira SAP, Maynard K, Rodrigues CM. Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2010 [citado em 23 de apr 2020]; DOI 10.1590/s0103-507x2010000100014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2010000100014&script=sci_arttext.

Costa F M da et al. Avaliação da Funcionalidade Motora em Pacientes com Tempo Prolongado de Internação Hospitalar. UNOPAR Cient.Ciênc.Biol.Saúde[Internet]. 2014;16(2):87-91[citado em 13 mar de 2019]. Disponível em: http://revista.pgsskroton.com.br/index.php/JHealthSci/article/view/486/456.

Gosselink R. et al. Physiotherapy for adult patients with critical illness: Recommendations of the European Respiratory Society and European Society of Intensive Care Medicine Task Force on Physiotherapy for Critically Ill Patients.Intensive Care Medicine [Internet]. 2008;34(7):1188-99 [citado em 08 mar 2019]. Disponível em: http://www.taylorandfrancis.com.

Hodgson Carol L, et al. Expert consensus and recommendations on safety criteria for active mobilization of mechanically ventilated critically ill adults. Critical Care [Internet]. 2014;18(6):1-9. [citado em 23 de apr de 2020]. DOI 10.1186/s13054-014-0658-y. Disponível em: https://ccforum.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13054-014-0658-y.

Morris PE, Goad A, Thompson C, Taylor K, Harry B, Passmore L, et al. Early intensive care unit mobility therapy in the treatment of acute respiratory failure. Crit Care Med [Internet]. 2008;36(8) [citado em 23 de fev de 2020]. Disponivel em: https://cdn.journals.lww.com/ccmjournal/Abstract/2008/08000/Early_intensive_care_unit_mobility_therapy_in_the.3.aspx.

Stiller K, Phillips A. Safety aspects of mobilising acutely ill inpatients. Physiother Theory Pract[Internet]. 2003;19(4):239–57. [citado em 05 maio 2020]. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09593980390246751.

Conceição TM, Gonzáles AI, Figueiredo FCXSdeV, Bündchen DC. Critérios de segurança para iniciar a mobilização precoce em unidades de terapia intensiva. Revisão sistemática. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2017;29(4):509–19. [citado em 05 maio 2020]. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2017000400509〈=pt.

Denehy L, Berney S. Physiotherapy in the intensive care unit. Phys Ther Rev [Internet]. 2006;11(1):49–56.[citado em 05 maio 2020].Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1179/108331906X98921.

Gosselink R, Clerckx B, Robbeets C, Vanhullebusch T, Vanpee G, Segers J. Physiotherapy in the Intensive Care Unit. Netherlands Journal of Critical Care [Internet]. 2011 [cited 2020 May 5];15(2) Available from: https://www.teida.lt/out/fck_file/MOTOmed_straipsnis%20ICU.pdf.

Needham DM, Korupolu R. Rehabilitation Quality Improvement in an Intensive Care Unit Setting: Implementation of a Quality Improvement Model. Top Stroke Rehabil [Internet]. 2010;17(4):271–81.[citado em 08 maio 2020].Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1310/tsr1704-271.

Clini E, Ambrosino N. Early physiotherapy in the respiratory intensive care unit. Respir Med [Internet]. 2005;99(9):1096–104.[citado em 08 maio 2020].Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S095461110500051X.

Perme CS, Southard RE, Joyce DL, Noon GP, Loebe M. Early mobilization of LVAD recipients who require prolonged mechanical ventilation. Tex Heart Inst J. 2006;33(2):130-3.

Nydahl P, Sricharoenchai T, Chandra S, et al. Safety of Patient Mobilization and Rehabilitation in the Intensive Care Unit. Safety of Patient Mobilization and Rehabilitation in the Intensive Care Unit [Internet]. 2017 [citado em 19 mar 2020]; DOI 10.1513/AnnalsATS.201611-843SR. Disponível em: https://www.atsjournals.org/doi/full/10.1513/AnnalsATS.201611-843SR.

Bacurau AVN, Jardim MA, Ferreira JCB, Bechara LRG, Bueno CR, Alba-Loureiro TC, et al. Sympathetic hyperactivity differentially affects skeletal muscle mass in developing heart failure: role of exercise training. J Appl Physiol [Internet]. maio de 2009;106(5):1631–40. Available at: https://www.physiology.org/doi/10.1152/japplphysiol.91067.2008.

Khamoui A V., Park B-S, Kim D-H, Yeh M-C, Oh S-L, Elam ML, et al. Aerobic and resistance training dependent skeletal muscle plasticity in the colon-26 murine model of cancer cachexia. Metabolism [Internet]. maio de 2016;65(5):685–98. Available at: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0026049516000299.

Altun M, Besche HC, Overkleeft HS, Piccirillo R, Edelmann MJ, Kessler BM, et al. Muscle Wasting in Aged, Sarcopenic Rats Is Associated with Enhanced Activity of the Ubiquitin Proteasome Pathway*. J Biol Chem [Internet]. dezembro de 2010;285(51):39597–608. Available at: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0021925820604902.

Bonorino KC, Cani KC. Mobilização precoce em tempos de COVID-19. Rev. bras. ter. intensiva [Internet]. 2020 Dez [citado 2021 Abr 23] ; 32( 4 ): 484-486. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2020000400484&lng=pt. Epub 13-Jan-2021. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507x.20200086.

Fontela PC, Forgiarini Jr. L A, Friedman G. Atitudes clínicas e barreiras percebidas para a mobilização precoce de pacientes graves em unidades de terapia intensiva adulto. Rev. bras. ter. intensiva [Internet]. 2018 June [cited 2021 Apr 23] ; 30( 2 ): 187-194. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2018000200187&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507x.20180037.

Hermans G, Van den Berghe G. Clinical review: intensive care unit acquired weakness. Crit Care. 2015 Aug 5;19(1):274. doi: 10.1186/s13054-015-0993-7. PMID: 26242743; PMCID: PMC4526175.




DOI: https://doi.org/10.5585/20.2021.19500

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional