Consumo de frutas antes e após intervenção educativa com professores

Arilson Fernandes Mendonça de Sousa, Júlia Aparecida Devidé Nogueira, Teresa Helena Macedo da Costa

Resumo


Objetivo: Avaliar efeitos de duas intervenções educativas no consumo de frutas em professores. Métodos: Quarenta e dois professores de escolas públicas responderam a questionários para identificar a frequência de consumo de frutas antes e após uma intervenção longa (curso de 40 horas) ou uma curta (palestra de 30 minutos); em ambas distribuíram-se material educativo impresso. Medidas de massa e estatura corporal permitiram o cálculo do índice de massa corporal. Doenças crônicas foram autorrelatadas. Resultados: A prevalência de excesso de peso foi 60,5%, e 23% relataram ter alguma doença crônica. As intervenções produziram aumento significativo na prevalência do consumo adequado de frutas (de 58,1% para 79,1%) sem diferença significante por tipo de intervenção. Conclusões: Ações educativas simples produziram aumento no consumo de frutas. Entretanto, grande parte da amostra ainda falha em obter um consumo adequado. É necessário investir na melhoria da saúde e do comportamento alimentar de professores.

Palavras-chave


Educação; Estudo de intervenção; Padrões alimentares.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v14n1.5106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.