Influência da institucionalização e da prática de atividade física no equilíbrio e na mobilidade funcional de idosos

Autores

  • Juliana Broering
  • Tamara Ferreira Rachadel
  • Marcelo Luza
  • Lisiane Piazza Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5585/conssaude.v14n3.5453

Palavras-chave:

Equilíbrio postural, Idoso, Institucionalização.

Resumo

Objetivo: Analisar a influência da institucionalização e da prática de atividade física no equilíbrio e na mobilidade funcional de idosos. Métodos: Participaram 61 idosos, divididos em três grupos: 21 institucionalizados (GIN), 20 não institucionalizados ativos (GAT) e 20 não institucionalizados não ativos (GNAT). O equilíbrio e a mobilidade funcional foram avaliados pela Escala de Equilíbrio de Berg (EEB) e pelo teste Timed Up and Go (TUG), respectivamente. Analisaram-se os dados pela estatística descritiva e inferencial (Anova One Way, testes de Kruskall-Wallis e U de Mann-Whitney) com nível de significância de p≤0,05. Resultados: Observou-se diferença entre os grupos na EEB (p=0,001) e no TUG (p=0,001), com GAT apresentando melhor equilíbrio (55±1,4 pontos) e mobilidade funcional (8,4±2,03 segundos) em relação ao GNAT (48,6±8,8 pontos; 16,1±12,9 segundos) e GIN (34,3±15,1 pontos; 29,6±18,6 segundos). Conclusões: Idosos ativos apresentaram melhor equilíbrio, mobilidade funcional e menor risco de quedas. Já os institucionalizados apresentaram menor equilíbrio, mobilidade funcional reduzida e maior risco de quedas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisiane Piazza, Universidade do Estado de Santa Catarina

Fisioterapeuta graduada pela Universidade de Passo Fundo, mestranda em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina.

Downloads

Publicado

21.01.2016

Como Citar

1.
Broering J, Rachadel TF, Luza M, Piazza L. Influência da institucionalização e da prática de atividade física no equilíbrio e na mobilidade funcional de idosos. Cons. Saúde [Internet]. 21º de janeiro de 2016 [citado 29º de fevereiro de 2024];14(3):417-24. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/saude/article/view/5453

Edição

Seção

Artigos