Aprendizagens em espaços não formais e o empoderamento feminino

Katiane Vargens de Oliveira, Neli Teresinha Galarce Machado, Marcos Rogério Kreutz

Resumo


O estudo em tela insere-se numa perspectiva atual e importante de análise da realidade feminina no Brasil. Ao entender as vivências das mulheres de uma associação na Amazônia mato-grossense como protagonistas de suas vidas, a pesquisa aborda um tema de relevância no contexto da academia e também para a instrumentalização e a avaliação de políticas públicas na área. Este artigo, que aborda a participação das mulheres em associações como elemento para o empoderamento social, está apoiado em pesquisa empírica. A produção dos dados adveio de grupos focais. A Associação de Mulheres “Cantinho da Amazônia” está localizada na Amazônia mato-grossense, na região do arco do desmatamento, mais precisamente no assentamento “Vale do Amanhecer”, a 14 km da sede do município de Juruena, pertencente ao estado de Mato Grosso. O enfoque teórico proposto permite uma articulação entre as propostas de uma educação não formal, as vivências e práticas que alteram o coletivo da comunidade e os efeitos na vida das mulheres, sob a perspectiva do empoderamento. À luz das análises, constatou-se que as ações da associação por si só não levam ao empoderamento; contudo, elas possibilitam momentos que podem ser pontes para que os sujeitos desenvolvam habilidades para se fortalecerem e se conscientizarem coletivamente.

 

 


Palavras-chave


Associações; Empoderamento; Mulheres; Vivências

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liberlivros, 2005.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária,1991.

ARENDT, H. Origens do Totalitarismo: antissemitismo, imperialismo e totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

ÁVILA, M. B. Vida cotidiana e o uso do tempo pelas mulheres. In: CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO de CIÊNCIAS SOCIAIS 8, Coimbra. Anais... Coimbra: Universidade de Coimbra, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora 70, 2011.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora,1994.

BRANDÃO, C. R. O que é Educação. São Paulo: Brasiliense, 2006.

CANO T. A.; ARROYAVE, O. A. Procesos de empoderamiento de mujeres: subjetivación y transformaciones en las relaciones de poder. In: Revista Virtual Universidad Católica del Norte. Medellin: n. 42, p. 94-110, 2014.

COOPAVAM. História. Disponível em: < em: 01 mar. 2016.

CORTELLA, M. S. Educação, escola e docência: novos tempos, novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014.

DA SILVA, L. M.; MIRANDA, L. Mulheres da Amazônia. In: Florestania e Ações que Transformam Vidas. Associação de Mulheres Cantinho da Amazônia (AMCA). Projeto CultivAção. 2016, 48 p.

DEERE, C. D.; LEÓN, M. O empoderamento da mulher: direitos à terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2002.

DISK, S. V. Educação popular e mulheres na América Latina. In: STROMQUIST, N. P. Gender dimensions in education in Latin América. Washginton: Interamer,1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GADOTTI, M. Educação popular, educação social, educação comunitária conceitos e práticas diversas, cimentadas por uma causa comum. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 4. São Paulo. Anais... Campinas: Unicamp, 2012. p. 1–36.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

GOHN, M. G. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

GOHN, M. G. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez, 2011.

GOHN, M. G. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Cidades. 2018. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/juruena/panorama. Acesso em 07 mai. 2018.

LEON, M. Poder y empoderamiento de las mujeres. Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1997.

LEON, M. Empoderamiento: relaciones de las mujeres com el poder. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, UFSC, v. 8, n. 2, p.191-205, 2000.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 2010.

LIMA, A. M. A institucionalização da cooperação por meio de práticas de trabalho entre atores locais: um estudo de caso em uma comunidade vulnerável da região amazônica. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2017.

MDA. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Agricultura familiar, reforma agrária e desenvolvimento local para um novo mundo rural: política de desenvolvimento rural com base na expansão da agricultura familiar e sua inserção no mercado. Brasília: MDA, 1999.

OLIVEIRA, K. V. Aprendizagens em espaços não formais e o empoderamento feminino: um estudo de caso em uma associação da Região Amazônica. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade do Vale do Taquari, Lajeado, 2017.

OLIVEIRA, M. L. L. Transformações das desigualdades de gênero: narrativas da vida cotidiana e empoderamento de mulheres de Assentamentos do Cariri Paraibano. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

ONU. Organização das nações Unidas Mulheres Brasil. Princípios de empoderamento das mulheres. 2016. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wpcontent/uploads/2016/04/cartilha_WEPs_2016.pdf. Acesso em: 10 jan. 2017.

SARDENBERG, C. M. B. Conceituando “empoderamento” na perspectiva feminista. SEMINÁRIO INTERNACIONAL: Trilhas do Empoderamento de Mulheres. 1, Salvador. Anais... Salvador, UFBA, 2006.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia da pesquisa. São Paulo: McGraw Hil, 2006.

SIMSON, O. R. M. V.; PARK, M. B.; FERNANDES, R. S.; Educação não-formal: um conceito em movimento. In: Visões singulares, conversas plurais. São Paulo: Itaú Cultural (Rumos Educação Cultura e Arte 3), 2007.

STROMQUIST, N. P. La búsqueda del empoderamiento: em qué puede contribuir el campo de la educación. In. LEÓN, M. Poder y empoderamiento de las mujeres. Santa fé de Bogotá: Tercer Mundo y Facultad de Ciencias Humanas, 1997.

TESTA, J. D. Educação pública em assentamento do MST. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2009.

VARGAS, L. N. Vale do Amanhecer, retrato de um assentamento: modelo de reforma agrária para a Amazônia mato-grossense. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamentos e métodos. Porto Alegre: Bookmam, 2010.

ZAPATA, E. Microfinanzas y empoderamiento de las mujeres rurales. Cidade do México: Plaza y Valdés, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n56.10779

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional