Jogos cognitivos na escola: percepção das crianças sobre o aprimoramento das funções executivas

Mariana Carreira Oliveira, Daniela Karine Ramos

Resumo


Este estudo visa identificar quais são as possibilidades oferecidas pelo uso dos jogos, analógicos e digitais, para o exercício das funções executivas e, consequentemente, melhoraria das condições para a aprendizagem escolar na percepção das crianças. Para tanto, analisa-se uma experiência realizada em uma escola pública com uma turma de 4º ano do Ensino Fundamental de um projeto que propunha o uso dos jogos cognitivos analógicos, como jogos de tabuleiro e desafio, e digitais, com o uso do aplicativo Escola do Cérebro para exercitar habilidades cognitivas importantes à aprendizagem. Utilizando a abordagem qualitativa os dados foram coletados através de observações participativas durante a aplicação dos jogos, análise dessas observações, questionários aplicados e entrevistas realizadas com as crianças ao longo do projeto. As categorias descritivas utilizadas para que a análise e interpretações foram jogos, motivação e aprendizagem. Os resultados apontam que trabalhar com jogos torna o processo de aprendizagem prazeroso e atrativo para as crianças. Também indicam contribuições positivas em relação a aprendizagem de habilidades cognitivas e ao desenvolvimento de habilidades relacionadas as funções executivas.

 

 


Palavras-chave


Aprendizagem; Escola; Jogos; Processo cognitivo

Texto completo:

PDF

Referências


BLAIR, Clancy. As funções executivas na sala de aula. In: MORTON, J. Bruce (org.). Funções executivas. CEECD / SKC-ECD, 2013. p. 38-42.

BORBA, Ângela Meyer. O brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2007. p. 33-45.

BUCKINGHAM, David. Cultura digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Revista Educação Real, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 37-58, set/dez 2010.

CARVALHO, Chrissie; ABREU, Neander. Estimulando funções executivas em sala de aula: o programa heróis da mente. In: Seminário Tecnologias Aplicadas a Educação e Saúde, 1., 2014, Salvador.

CENTER ON THE DEVELOPING CHILD AT HARVARD UNIVERSITY. Construindo o sistema de “Controle de Tráfego Aéreo”: como as primeiras experiências moldam o desenvolvimento das funções executivas. Tradução para o português realizada pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. Estudo n. 11, 2011.

DIAMOND, Adele. Activities and programs that improve children’s executive functions. Current Directions in Psychological Science, Washington, D.C., v. 21, n. 5, p. 335-341, 2012.

DIAMOND, Adele. Executive functions. Annual Review of Psychology, Palo Alto, CA, v. 64, p. 135-168, 2013.

DIAMOND, Adele; LEE, Kathleen. Interventions shown to aid executive function development in children 4 to 12 years old. Science, [s. l.], v. 333, n. 6045, p. 959-964, 2011.

GEE, James Paul. Bons videogames e boa aprendizagem. Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 167-178, 2009.

GERHARDT, Tatiana Engel et al. Estrutura do projeto de pesquisa. In: GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. p. 67-90.

GODOY, Arilda Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE — Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995.

HOOK, Cayce J.; LAWSON, Gwendolyn M.; FARAH, Martha J. Status socioeconômico e desenvolvimento das funções executivas. In: MORTON, J. Bruce (org.). Funções executivas. CEECD / SKC-ECD, 2013. p. 32-37.

LOUZADO, Fernando. Neurociência e educação: um diálogo possível. Mente & Cérebro, Campinas, v. 222, p. 46-51, 2011.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U., 2015.

MANSUR-ALVES, Marcela; FLORES-MENDOZA, Carmen; TIERRA-CRIOLLO, Carlos Julio. Evidências preliminares da efetividade do treinamento cognitivo para melhorar a inteligência de crianças escolares. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 26, n. 3, p. 423-434, 2013.

MARTINOVIC, Dragana et al. Computer games that exercise cognitive skills: what makes them engaging for children? Computers in Human Behavior, [s. l.], v. 60, p. 451-462, 2016.

MORTON, J. Bruce (org.). Funções executivas. CEECD / SKC-ECD, 2013.

MUNAKATA, Yuko; MICHAELSON, Laura; BARKER, Jane; CHEVALIER, Nicolas. As funções executivas na infância. In: MORTON, J. Bruce (org.). Funções executivas. CEECD / SKC-ECD, 2013. p. 14-19.

PRENSKY, Marc. Aprendizagem baseada em jogos digitais. Tradução de Eric Yamagute. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2012.

RAMOS, Daniela Karine. Jogos cognitivos eletrônicos: contribuições à aprendizagem no contexto escolar. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 19-32, 2013.

RAMOS, Daniela Karine. Cognoteca: uma alternativa para o exercício de habilidades cognitivas, emocionais e sociais no contexto escolar. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 23, n. 41, 2014.

RAMOS, Daniela Karine; ROCHA, Natália Lorenzetti da. Avaliação do uso de jogos eletrônicos para o aprimoramento das funções executivas no contexto escolar. Revista Psicopedagogia, São Paulo, v. 33, n. 101, p. 133-143, 2016.

RUEDA, M. Rosario; PAZ-ALONSO, Pedro M. Funções executivas e desenvolvimento emocional. In: MORTON, J. Bruce (org.). Funções executivas. CEECD / SKC-ECD, 2013. p. 20-25.

STAKE, Robert E. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Tradução por Karla Reis. Porto Alegre: Penso, 2011.

VAN DE SANDE, Eva; SEGERS, Eliane; VERHOEVEN, Ludo. The role of executive control in young children's serious gaming behavior. Computers & Education, [s. l.], v. 82, p. 432-441, 2015.

WENZEL, Amanda J.; GUNNAR, Megan R. Papel protetor das habilidades das funções executivas em ambientes de alto risco. In: MORTON, J. Bruce (org.). Funções executivas. CEECD / SKC-ECD, 2013. p. 26-31.

ZAROA, Milton Antonio et al. Emergência da Neuroeducação: a hora e a vez da neurociência para agregar valor à pesquisa educacional. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 199-210, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n56.11199

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional