Professoras e bebês: uma docência interpretativa-relacional

Marlene Oliveira dos Santos

Resumo


O presente artigo discute a docência interpretativa-relacional na Educação Infantil. Os principais argumentos teóricos dialogam com estudos de Tardif, Lessard, Martins Filho, Delgado, Heidegger e outros pesquisadores do campo da Educação Infantil. A pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo descritiva, escutou seis professoras que exerceram a docência com bebês na rede pública de ensino de um município brasileiro. As narrativas de cada docente foram ouvidas em encontros denominados Tertúlias Narrativas. Concluiu-se que a docência interpretativa-relacional é experienciada cotidianamente por professoras e bebês e que toda interpretação vem acompanhada de uma ação, pois quando a professora interpreta, ela age, estabelece relação e se move em direção ao bebê, reconhecendo-o como um sujeito potente, capaz e criativo, princípio fundante para o trabalho pedagógico.

 

 

 


Palavras-chave


bebês; docência; educação infantil; professoras

Texto completo:

PDF

Referências


AMBROSETTI, Neusa B.; ALMEIDA, Patrícia C. Albieri de. A constituição da profissionalidade docente: tornar-se professora de Educação Infantil. 30ª reunião Anual da ANPED, 2007. Disponível em: http://30reuniao.anped.org.br/ trabalhos/GT08-3027--Int.pdf. Acesso em: 12 mar. 2008.

ARRUDA, Jeniffer de. Especificidades da docência na infância: o foco no trabalho com bebês. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Unesp, Campus de Marília, São Paulo, Marília, 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República - Casa Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 jul. 2013.

CERISARA, Ana Beatriz. Professoras da Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002. (Coleção Questões da Nossa Época; v. 98).

CRUZ, Silvia Helena V. Novas perspectivas na formação de professores da Educação Infantil. XV ENDIPE “Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais”. Belo Horizonte, abril de 2010.

DUARTE, Fabiana. Professora de bebês: as dimensões educativas que constituem as especificidades da ação docente. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/ arquivos/pdf/13_02_2012_10.57.57.28cafef3be1dcdb956ea860e7318ec7b.pdf. Acesso em: mar. 2015.

DUARTE, Fabiana. Professoras de bebês: as dimensões educativas que constituem a especificidade da ação docente. Congresso de Educação Básica - aprendizagem e currículo. Prefeitura Municipal de Florianópolis/SC, ano 2012. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/13_02_2012_10.57.57.28cafef3be1dcdb956ea860e7318ec7b.pdf. Acesso em: 21 jan. 2016.

GENTILLI, Pablo Antonio Amadeo; SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

GOLDSCHMIED, Elinor; JACKSON, Sonia. O cesto de tesouros. In: GOLDSCHMIED, Elinor; JACKSON, Sonia. Educação de 0 a 3 anos: atendimento em creche. Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 113-128.

GOMES, Marineide de O. (Org.). Formação de professores na Educação Infantil: conquistas e realidades. Santos (SP): Editora Universitária Leopoldianum, 2018.

GOMES, Marineide de O. Formação de professores na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2009.

GOODSON, Ivor F. Dar voz ao professor: histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992, p. 63-78.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. (Parte I). RJ, Petrópolis: Vozes, 1998.

KRAMER, Sônia (Org.). Profissionais da Educação Infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

LIMA, Iana; HYPOLITO, Álvaro. A expansão do neoconservadorismo na educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, p. 1-15, 24 set. 2019.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS FILHO, Altino José. Minúcias da vida cotidiana no fazer-fazendo da docência na Educação Infantil. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, 2013.

MARTINS FILHO, Altino José; DELGADO, Ana Cristina Coll. A construção da docência com bebês e crianças bem pequenas em creches. In: MARTINS FILHO, Altino José (Org.). Educar na creche: uma prática construída com os bebês e para os bebês. Porto Alegre: Mediação, 2016.

NÓVOA, António (Org.). Profissão Professor. Portugal: porto Editora, 1995.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 15-33.

OLIVEIRA, Zilma de M. R. de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia (Org.). Pedagogia(s) da Infância: reconstruindo uma práxis de participação. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia (Org.). Modelos Curriculares para a Educação de Infância: construindo uma práxis de participação. Porto, Portugal: Porto Editora, 2007, p. 13-42.

OSTETTO, L. E. (Org.) Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2008.

POPKEWITZ, Thomas S. Profissionalização e formação de professores: algumas notas sobre a sua história, ideologia e potencial. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 35-50.

RINALDI, Carlina. A pedagogia da escuta: a perspectiva da escuta em Reggio Emília. In: EDWARDS; GANDINI; FORMAN (Org.). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação (V.2). Porto Alegre: Penso, 2016, p. 235-247.

SANTOS, M. O. dos. “Nós estamos falando! E vocês, estão nos escutando?” Currículos praticados com bebês: professoras com a palavra. Tese de Doutorado em educação – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

TRISTÃO, Fernanda Carolina Dias. Ser professora de bebês: um estudo de caso em uma creche conveniada (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2004.

TRIVINÕS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VEIGA; Ilma P. A.; ARAÚJO, José Carlos S.; Célia, KAPUZINIAK. Docência: uma construção ético-profissional. Campinas, SP: Papirus, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n58.13507

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional