O “lugar” educação infantil: as infâncias e a contemporaneidade

Cleonice Lazzarotto, Luci dos Santos Bernardi

Resumo


Este estudo tem por objetivo refletir sobre como as concepções de infância e criança instituíram-se ao longo da história, entrelaçando-se com as transformações sociais e com a constituição das instituições educativas, tomando a infância como constructo social e buscando compreender seu lugar na contemporaneidade. Trata-se de uma discussão teórica, que conceitua lugar para além de mera localização geográfica e o define como espaço do vivido, da experiência e das interações sociais, amparando-se nos estudos de Tuan (2013) e Augé (2012). Partindo desse viés, emerge a possibilidade de pensar a Educação Infantil na contemporaneidade como “lugar” de experiência, fundamentando-se nos pressupostos de Larossa (2011, 2017) e Agamben (2005), como espaços educativos que oportunizem novos olhares e sentidos sobre as infâncias, de modo que a criança seja valorizada em sua singularidade, podendo expressar-se sobre si e ser reconhecida enquanto sujeito social.


Palavras-chave


contemporaneidade; educação infantil; infância; experiência; lugar

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2. ed. [reimpr.]. Rio de Janeiro: LTC, 2018.

AUGÉ, M. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. 9. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 3 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm. Acesso em: 5 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 5 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 10 jan. 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10172.htm. Acesso em: 10 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.274, 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases para a educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 7 fev. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm. Acesso em: 12 nov. 2021.

BRASIL. Emenda constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 12 nov. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc59.htm. Acesso em: 4 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares para a educação infantil – DCNEI. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Brasília, DF: MEC, SEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 5 nov. 2021.

CARVALHO, R. S.; SCHWENGBER, M. S. V. Infâncias e crianças na contemporaneidade. In: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. (orgs.). Dicionário crítico de Educação Física. 3. ed. rev. e ampl. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2014.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

HEYWOOD, C. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004.

KRAMER, S. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. In: BAZÍLIO, L. C.; KRAMER, S. Infância, educação e direitos humanos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LARROSA, J. Notas sobre experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 9, jan./fev./mar./abr. 2002.

LARROSA, J. Dar a palavra. Notas para uma dialógica da transmissão. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

LARROSA, J. O enigma da infância: ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In: LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 6. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

SARMENTO, M. J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 361-378, maio/ago. 2005.

TUAN, Y-F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n59.13522

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional