Educação, sistema de justiça e as peças que compõem as políticas públicas para a proteção, defesa e garantia dos direitos à infância

Silvia Cardoso Rocha, Patrícia de Moraes Lima

Resumo


Este texto apresenta uma reflexão acerca da relação entre a Educação e o Sistema de Justiça na formulação de Políticas Públicas que versam sobre as infâncias e seus direitos. Traz o recorte de uma pesquisa de Doutorado apresentada em 2019 ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, à Linha de Pesquisa Sujeitos, Processos Educativos e Docência/ Ensino e Formação de Educadores que teve por objetivo compreender através do Protocolo APOIA Online e seu fluxo dentro do Programa de Enfrentamento à Evasão Escolar vinculado ao Ministério Público de Santa Catarina, como são construídas as aproximações entre Educação e Justiça. Caracterizou-se como uma pesquisa documental e de campo, integrada a uma abordagem etnográfica. As violências são aqui entendidas a partir da perspectiva de Arendt (2018). Os conceitos centrais da pesquisa-tese versaram sobre Educação, Justiça, Infâncias e as violências, com atenção aos maus-tratos na infância. Para este artigo, entretanto, optamos pelo recorte que evidencia a discussão entre a Educação o Sistema de Justiça e a relação estabelecida na elaboração das Políticas Públicas voltadas às infâncias. A pesquisa apontou, entre outros aspectos que, a invisibilidade de tantas crianças ou dos “ninguéns” junto aos equívocos nos dados oficiais compromete a criação de Políticas Públicas voltadas ao propósito de proteger e assegurar os direitos de crianças e adolescentes.


Palavras-chave


educação; infâncias; justiça; maus-tratos; violências

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2000.

ARENDT. Hannah. Origens do Totalitarismo: Antissemitismo, Imperialismo, Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ARENDT. Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo e Adriano Correia. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

ARENDT. Hannah. Sobre a violência. Tradução de André de Macedo Duarte. 9 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Tradução: Dora Flaksman. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil. Decreto-Lei n.º 2.848, de 7 de dezembro de 1940. DOU de 31/12/1940 e retificado em 3/1/1941, Brasília, DF, 1940.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Câmera dos Deputados, Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. DOU de 16/07/1990 – ECA. Brasília, DF, 1990

BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (5ª ed.). Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 1996.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil. Emenda Constitucional Nº 59, de 11 de novembro de 2009. DOU de DOU 12/11/2009, Brasília, DF, 2000.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil. Lei n.º 10.406, de 10 de janeiro de 2002. DOU de 11/01/2002, Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil. Lei Nº 12.796, de 4 de abril de 2013. DOU de 05/04/2013, Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Como Funciona?. Brasília, [2018?]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_como_funciona.php. Acesso em: 09 out. 2018.

CORAZZA, Sandra Mara. História da Infância Sem Fim. 2 ed. Ijuí: Editora: UNIJUÍ, 2004.

DADOUN, Roger. A violência: o ensaio acerca do “homo violens”. Rio de Janeiro: DIFEL, 1998.

FOUCAULT. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

GALEANO, Eduardo. De Pernas Pro Ar: a escola do mundo do avesso. São Paulo: L&PM, 1999.

GIRON, Maria Francisca Rodrigues. As violências e seus contextos. In: ZAPELINI, Cristiane Antunes Espindola (et al). Violências, Rede de Proteção e Sistema de Garanta de Direitos. Módulo 2. Florianópolis: NUVIC-CED-UFSC, 2010.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios- PNAD- 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

ROCHA, Sílvia Cardoso. Infâncias e violências: uma análise entre educação e justiça a partir do Programa de Enfrentamento à Evasão Escolar (APOIA-SC). 2019. 256 p. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2019. Disponível em: https://bu.ufsc.br/teses/PEED1406-T.pdf. Acesso em: 27 jan. 2022.

ROUDINESCO, Elisabeth. A parte obscura de nós mesmos: uma história dos perversos. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

SANTA CATARINA. Ministério Público. Procuradoria-Geral de Justiça. Centro das Promotorias da Infância. Justiça na Educação: APOIA – Programa de Combate a Evasão Escolar. 1ª ação. Florianópolis: MPSC, 2001. 68 p.

SANTA CATARINA. Ministério Público. Termo de Adesão Nº 223/2014, de 05 de novembro de 2014. Criciúma, 2014.

SANTA CATARINA. Ministério Público. Termo de Adesão Nº 268/2016, de 09 de setembro de 2016. Tubarão, 2016.

SILVEIRA. Diego Soares da. Governamentalidades, saberes e políticas públicas na área de Direitos Humanos da criança e do adolescente. In: RESENDE, Haroldo de. (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. Coleção Estudos Foucaultianos.

SOUSA, Ana Maria Borges de; MIGUEL, Denise Soares; LIMA, Patrícia de Moraes. Módulo 1: Gestão do Cuidado e Educação Biocêntrica. Florianópolis: UFSC-CED-NUVIC, 2010.

UNICEF. Relatório “Um Rosto Familiar: A violência na vida de crianças e adolescentes”. Nova Iorque/Brasília, 1º de novembro de 2017. Disponível em: https://www.unicef.org/publications/files/Violence_in_the_lives_of_children_and_adolescents.pdf. Acesso em: 26 abr. 2018.

VIEIRA, Oscar Vilhena; ALMEIDA, Eloisa Machado de. Direito, Educação e transformação (Prefácio). In: Justiça pela Qualidade na Educação. ABMP- Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude. Todos Pela Educação (Org.). São Paulo: Saraiva, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n60.13684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional