Práticas pedagógicas: diálogo intertextual entre linguagens culturais e o ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena

Sueli do Nascimento, Diogo da Silva Roiz

Resumo


De acordo com Rüsen (2010), sentidos novos podem levar a novas representações no contexto histórico da experiência do passado, que requer novas técnicas. Esta pesquisa qualitativa foi realizada na cidade de Araçatuba/SP, com 49 acadêmicos dos cursos superiores em tecnologia. A escolha do campo de investigação e da população foi feita em razão da disciplina de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena, inserida pelas leis nº 10.639/03 e nº 11.645/08. O instrumento aplicado pela professora baseia-se na perspectiva argumentativa da pesquisa-ação, envolvendo pesquisadora-professora e participantes-acadêmicos. Foram propostas duas indagações-argumentativas aos discentes: “Como observam a participação dos indígenas/negros na história do Brasil? Qual o significado das palavras índio/negro na história do Brasil”. Analisaram-se, sob a óptica da competência narrativa da consciência histórica, a consciência transitiva ingênua freireana e a consciência prévia rüseniana, as possíveis alterações a partir do saber histórico, intermediado por linguagens culturais (livros literários, músicas, filmes e documentários brasileiros) do século XVIII ao XXI. Os resultados demonstram que o alunado correspondeu às propostas, frisando a continuidade desse processo nesta e em outras instituições de nível superior.


Palavras-chave


consciência histórica; história e cultura afro-brasileira e indígena; educação reflexiva

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José de. Iracema. Rio de Janeiro: BestBolso, 2018.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma. São Paulo: Martin Claret, 2016.

APPLE, Michael W. A educação pode mudar a sociedade. Petrópolis: Vozes, 2017.

ASSIS, Machado de. Pai contra mãe. Porto Alegre: Artes e Ofícios Editora Ltda, 2007.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Objetivo, Ano: s/d.

BARRETO, Lima. Clara dos Anjos. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BRASIL. Lei nº. 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm. Acesso em: 30 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº. 11.645, de 10 março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 4 set. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução do Conselho Nacional de Educação - Câmara Plena (CNE/CP) nº 01, de 17 de junho de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/003.pdf. Acesso em: 30 ago. 2018.

COUTO, Mia. Cada homem é uma raça. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. Rio Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 2001.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2017.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

ROIZ, Diogo da Silva. A batalha pelo uso da “temporalidade”: projetos de escrita da história para pensar o Brasil entre os “homens de letras” de São Paulo no início da década de 1930. In: ROIZ, Diogo da Silva; GOMES, Geovane Ferreira; SANTANA, Israel José (Org.). Direitos Humanos e o Pensamento Social Brasileiro. 1. ed. Serra: Editora Milfontes, 2018. 280p.

RÜSEN, Jörn. A História entre a Modernidade e a Pós-modernidade. História: questões e debates, Curitiba, v. 14, n. 26/27, p. 80-101, jan./dez. 1997.

RÜSEN, Jörn. História viva - Teoria da história III: forma e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: UnB, 1. reimp. 2010a.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica - Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Tradução: Estevão C. de Rezende Martins. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010b.

RÜSEN, Jörn. Jörn Rüsen e o ensino de história. (Org.). SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende. Curitiba: Ed. UFPR, 2011.

RÜSEN, Jörn. Teoria da história: uma teoria da história como ciência. Tradução: Estevão C. de Rezende Martins. Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. Hipóteses ontogenéticas relativas à consciência moral: possibilidades em consciência histórica de jovens brasileiros. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 42, p. 107-125, out./dez. 2011. Editora UFPR. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/25887/17278. Acesso em: 24 set. 2018.

SCLIAR, Moacyr. A majestade do Xingu. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n59.13920

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional