O conflito do neoconservadorismo brasileiro com Paulo Freire: a disputa entre a opressão e a autonomia

Donizete Ferreira Beck, Rodrigo Barboza dos Santos

Resumo


Recentemente, principalmente a partir da última década, uma onda neoconservadora emergiu no Brasil, representada por movimentos reacionários que elegeram Bolsonaro, influenciados pelo ideólogo Olavo de Carvalho. Este artigo explorou e sintetizou o pensamento pedagógico de Freire e o pensamento dos pensadores clássicos do conservadorismo, por conseguinte, fez-se uma análise do conteúdo de um artigo de opinião e uma entrevista de Carvalho que trataram sobre Freire e uma análise sobre os conflitos característicos entre a síntese da pedagogia de Freire e do pensamento neoconservador. Assim, inferiu-se que o movimento neoconservador brasileiro menospreza, não reconhece e rejeita o legado e o pensamento educacional de Paulo Freire devido a natureza ideológica e valorativa divergente e incompatível entre o ambos. Portanto, concluiu-se que o movimento neoconservador brasileiro procura manter status quo, ou seja, a existência e manutenção da relação entre opressores e oprimidos; por isso, não aceita a proposta de Freire sobre a libertação dos oprimidos por meio da educação que dialoga com a realidade do estudante, que o faz pensar, formar senso crítico e, assim, libertar-se do estado de opressão.

 


Palavras-chave


autonomia; neoconservadorismo; Olavo de Carvalho; opressão; pedagogia de Paulo Freire

Texto completo:

PDF

Referências


ALESSI, Gil. Plano de Bolsonaro para ‘desesquerdizar’ educação vai além do Escola Sem Partido. El País, 23 mai. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/20/politica/1558374880_757085.html Acesso em: 26 mai. 2019.

APPLE, Michael W. Standards, subject matter, and a romantic past. Educational Policy, v. 15, p. 323-333, 2001.

APPLE, Michael W. Strategic alliance or hegemonic strategy: Conservatism among dispossessed. London Review of Education, v. 1, p. 57-60, 2003.

APPLE, Michael W. Creating Difference: Neo-Liberalism, Neo-Conservatism and the Politics of Educational Reform. Educational Policy, v. 18, n. 1, p. 12-44, 2004.

APPLE, Michael W. Education and Power. Nova Iorque: Routledge, 2012.

BEGUOCI, Leandro. MEC não pode ser privatizado para Olavo de Carvalho. Folha de São Paulo, Nova Escola, 1 mai. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/novaescola/2019/05/mec-nao-pode-ser-privatizado-para-olavo-de-carvalho.shtml Acesso em: 26 mai. 2019.

BENITES, Afonso. Sob pressão, Bolsonaro libera verba para Educação e sofre revés na Câmara. El País, política, Brasília, 23 mai. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/23/politica/1558566950_721450.html Acesso em: 26 mai. 2019.

BURKE, Edmund. Reflections on the French Revolution. London: The Temple Press Letchworth, 1910.

CARVALHO, Olavo de. Educação e consciência. Educação, jul. 1999. Disponível em: http://olavodecarvalho.org/educacao-e-consciencia/ Acesso em 27 jul. 2019.

CARVALHO, Olavo de. Viva Paulo Freire! 19. Abr. 2012. Disponível em: http://olavodecarvalho.org/viva-paulo-freire/ Acesso em: 27 jul. 2019.

CASIMIRO, Flávio Henrique Calheiros. As classes dominantes e a nova direita no Brasil contemporâneo. In: GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil, São Paulo: Boitempo, 2018.

CÊPEDA, Vera Alves. A nova direita no Brasil: contexto e matrizes conceituais. Mediações - Revista de Ciências Sociais, v. 23, n. 2, p. 40-74, 2018.

CHÂTELET, François; DUHAMEL, Olivier; PISIER-KOUCHNER, Évelyne. História das Ideias Políticas, 2a. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

DELCOURT, Laurent. Um TeaParty tropical: a ascensão de uma “nova direita” no Brasil. Lutas Sociais, [S.I.], v. 20, n. 36, p. 126-139, 2016.

DOS SANTOS, Marcelo Alves. Cartografia das redes da revolta: fluxos políticos de oposição no Facebook. Contemporânea, v. 12, n. 2, 2015.

FAIRCLOUGH, Norman; FAIRCLOUGH, Isabela. Textual Analysis. In: BEVIR, Mark; RHODES, Roderick Arthur William (Eds.) Routledge Handbook of Interpretative Political Science, 1a. ed., Abingdon: Routledge, 2016, p. 186-198.

FERNANDES, Talita. Em live com Bolsonaro, Weintraub explica cortes da Educação com ‘chocolatinhos’. Folha de São Paulo, educação, 09 mai. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2019/05/em-live-com-bolsonaro-weintraub-explica-cortes-da-educacao-com-chocolatinhos.shtml. Acesso em: 26 mai. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GADOTTI, Moacir. Alfabetizar e Politizar. Angicos, 50 anos depois. Foro de Educación, v. 12, n. 16, p. 51-70, 2014.

GALLEGO, Esther Solano. La Bolsonarización de Brasil. Documentos de Trabajo IELAT, n. 121, p. 4-27, 2019.

GAMBA, Karla; MARIZ, Renata. Bolsonaro diz que vai mudar patrono da Educação brasileira, título conferido a Paulo Freire. O Globo, sociedade, 29. Abr. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/bolsonaro-diz-que-vai-mudar-patrono-da-educacao-brasileira-titulo-conferido-paulo-freire-23630439 Acesso em: 26 mai. 2019.

GEE, James Paul. An Introduction to discourse analysis: theory and method. London: Routledge, 1999.

GEE, James Paul. Introducing Discourse Analysis: from grammar to society. London: Routledge, 2018.

GONÇALVES, Suzane da Rocha Vieira. O neoconservadorismo e os retrocessos na agenda educacional. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, edição especial EDEA, n. 2, p. 213-228, 2019.

GREEN, Elliot. What are the most-cited publications in the social sciences (according to Google Scholar)? The London School of Economics and Political Science Impact Blog, 12 mai. 2016. Disponível em: https://blogs.lse.ac.uk/impactofsocialsciences/2016/05/12/what-are-the-most-cited-publications-in-the-social-sciences-according-to-google-scholar/ Acesso em 01 jun. 2019.

HADDAD, Sérgio; SIQUEIRA, Filomena. Analfabetismo entre jovens e adultos no Brasil. Revista Brasileira de Analfabetismo, v. 1, n. 2, p. 88-110, 2015.

HEWER, Christopher J.; LYONS, Evanthia. Political Psychology: A Social Psychological Approach. Hoboken: John Wiley & Sons, 2018.

HUNTINGTON, Samuel Phillips. Conservatism as Ideology. The American Political Science Review, v. 51, n. 2, p. 454-473, 1957.

ISTOÉ. Olavo de Carvalho, o controvertido ideólogo do governo Bolsonaro. Istoé, AFP: 09 mai. 2019 Disponível em: https://istoe.com.br/olavo-de-carvalho-o-controvertido-ideologo-do-governo-bolsonaro/ Acesso em: 26 mai. 2019.

JOST, John T.; GLASER, Jack; KRUGLANSKI, Arie W.; SULLOWAY, Frank J. Political Conservatism as Motivated Social Cognition. Psychological Bulletin, 129(3), 339-375.

KIRK, Russell. Why Edmund Burke is studied. Modern Age, v. 30, n. 3, p. 237-244, 1986.

KIRK, Russell. The Conservative Mind: From Burke to Eliot. Washington, Regnery Publishing, 2001.

KOLKO, Gabriel. The Triumph of Conservatism: a reinterpretation of American History. Nova Iorque: The Free Press, 1977.

LIND, Michael. Up from conservatism: why the right is wrong for America. Nova Iorque: Free Press, 1996.

RAND, Ayn. The Virtue of Selfishness: a new concept of Egoism. Nova Iorque: Penguin, 1964.

RAND, Ayn. Atlas Shrugged. Nova Iorque: Dutton, 2005.

RAND, Ayn. The Fountainhead. Nova Iorque: A Signet Book, 1993.

ROBIN, Corey. The reactionary mind: conservatism from Edmund Burke to Donald Trump. Nova Iorque: Oxford University Press, 2018.

ROCHA, Camila. O boom das novas direitas brasileiras: financiamento ou militância? In: GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil, São Paulo: Boitempo, 2018.

ROSA, Pablo Ornelas; REZENDE, Rafael Alves; MARTINS, Victória Mariani de Vargas. As consequências do etnocentrismo de Olavo de Carvalho na produção discursiva das novíssimas direitas conservadoras brasileiras. Revista NEP - Núcleo de Estudos Paranaenses, v. 4, n. 2, 2018.

RYAN, Maria. Neoconservatism and the new American century. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2010.

SCRUTON, Roger. The Meaning of Conservatism. 3th ed. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2001.

SOWELL, Thomas. Black Education: Myths and Tragedies. Nova Iorque: David McKay Company, 1974.

SOWELL, Thomas. Education: assumptions versus history. Stanford: Hoover Institution Press, 1986.

SOWELL, Thomas. Choosing a College: a guide for parents and students. Nova Iorque: Harper & Row, 1989.

SOWELL, Thomas. Inside American Education: the decline, the deception, the dogmas. Nova Iorque: Free Press, 1993.

SOWELL, Thomas. Race and Culture: A World View. Nova Iorque: Basic Books, 1994.

SOWELL, Thomas. Knowledge and Decisions. Nova Iorque: Basic Books, 1996.

SOWELL, Thomas. Affirmative Action around the World: an empirical study. New Haven: Yale University Press, 2004.

SOWELL, Thomas. A Conflict of Visions: Ideological Origins of Political Struggles (2nd ed.). Nova Iorque: Basic Books, 2007.

SOWELL, Thomas. Dismantling America and other controversial essays. Nova Iorque: Basic Books, 2010.

SOWELL, Thomas. Economics Facts and Fallacies (2nd ed.). Nova Iorque: Basic Books, 2011.

SOWELL, Thomas. “Trickle Down” Theory and “Tax Cuts for the Rich”. Stanford: Hoover Institution Press, 2012.

SOWELL, Thomas. Intellectuals and Race. Nova Iorque: Basic Books, 2013.

SOWELL, Thomas. Basic Economics: A Common Sense Guide to the Economy (5th ed.). Nova Iorque: Basic Books, 2015a.

SOWELL, Thomas. Intellectuals and Society. Nova Iorque: Basic Books, 2015b.

SOWELL, Thomas. Wealth, Poverty and Politics: an international perspective. Nova Iorque: Basic Books, 2015c.

TANNEN, Deborah; HAMILTON, Heidi E.; SCHIFFRIN, Deborah. The Handbook of discourse analysis. Chichester: Willey Blackwell, 2015.

VAÏSSE, Justin. Neoconservatism: the biography of a movement. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 2010.

VOU ficar quietinho e não me meto mais na política brasileira, diz Olavo. Folha de São Paulo, poder, São Paulo, 16 mai. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/05/vou-ficar-quietinho-e-nao-me-meto-mais-na-politica-brasileira-diz-olavo.shtml Acesso em 26 maio. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n60.14824

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional