O pensamento de Paulo Freire no século XXI – questionamentos e validade atual

Daniel Fernando Sanchez Navarro, Martin Kuhn, Walter Frantz

Resumo


O sentido deste texto é fazer uma reflexão em torno da pertinência do pensamento de Paulo Freire, considerando questionamentos que lhe são feitos hoje. O texto tem o desafio de buscar, criar ou refazer aportes de seu pensamento à construção de um mundo mais justo e solidário por meio do ato educativo. Isto é, de sua validade e pertinência à educação hoje. O percurso da reflexão se estrutura em dois movimentos. O primeiro interroga as propostas do Movimento da Escola sem Partido, apresentando as intencionalidades inerentes ao projeto, seus limites e como o pensamento freireano responderia a suas preocupações. O segundo movimento questiona a legitimidade dos argumentos presentes no livro, “Desconstruindo Paulo Freire”, organizado por Santos (2017). Não se explora a obra na integralidade, pois ela mesma nos parece uma compilação de coisas, que não estão necessariamente relacionadas, mas todas compartilham um objetivo comum: desconstruir o pensamento de Freire. Analisa-se, então, fragmentos que exemplificam seu objetivo e permitem avançar nas reflexões acerca da pertinência do pensamento pedagógico de Freire. O ensaio conclui, retomando os pressupostos sócio-políticos e pedagógicos humanistas de Freire, entendendo-os como promissores na construção de um mundo comum mais democrático, livre, justo e solidário. Antecipa-se que as teses sustentadas pelos dois movimentos se enquadram em um cenário de culpabilização e de criminalização dos movimentos sociais, como sendo responsáveis pelo fracasso da escola pública.


Palavras-chave


atualidade de Freire; desconstruindo Paulo Freire; escola sem partido.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei nº 867, de 23 de março de 2015. Autor Izalci. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 23, mar. 2015. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1317168.pdf. Acesso em: 15-12-2017.

FERNANDES, Clístenes Hafner. A educação clássica é a opressão da ignorância. In: SANTOS, Thomas Ferreira dos (Org.). Desconstruindo Paulo Freire. Porto Alegre: História Expressa, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia de la esperanza. Buenos Aires: Siglo XXI, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia de la indignación. Buenos Aires: Siglo XXI, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia de la autonomia. Buenos Aires: Siglo XXI, 2008.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 44. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, Paulo. Educación y cambio. São Paulo: Búsqueda, 1976.

FREIRE, Paulo. Pedagogia del oprimido. Buenos Aires: Siglo XXI, 1970.

GOODSON, Ivor F. As políticas de currículo e de escolarização. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

LOPES, Alice Casemiro. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, n. 39, 2013. p. 7-23. Disponível em: http://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/02.AliceLopes.pdf. Acesso: 25-08-2017.

MASSARRAT, Mohssen. Braucht die Welt den Finanzsektor? Postkapitalistische Perspektiven. Hamburg: VSA Verlag, 2017.

MBEMBE, Achille. A era do humanismo está terminando. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/564255-achille-mbembe-a-era-do-humanismo-estaterminando. Acesso: 06-03-2017.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. 2. ed. Lisboa: Antígona, 2017.

MEJÍA, Marco Raúl. Educaciones y pedagogias críticas desde el sur: cartografias de la Educacion Popular. Lima, Peru: TAREA Asociacion Gráfica Educativa, 2011.

MOVIMENTO ESCOLA SEM PARTIDO. Por uma lei contra o abuso da liberdade de ensinar. Disponível em: http://https://www.programaescolasempartido.org. Acesso: 15-12-2017.

NOGUEIRA, Rafael. Apontamentos sobre a educação bancária. In: SANTOS, Thomas Ferreira dos (Org.). Desconstruindo Paulo Freire. Porto Alegre: História Expressa, 2017.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Currículo Escolar e Justiça Social: o Cavalo de Troia da Educação. Penso, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

SANTOS, Thomas Giulliano Ferreira dos. Paulo Freire: o patrono do pau oco. In: SANTOS, Thomas Giulliano Ferreira dos (Org.). Desconstruindo Paulo Freire. Porto Alegre: História Expressa, 2017.

SILVA, A. Paulo Freire: una educación para la liberación. Revista de Educación: tendencias educativas del siglo XX. Madrid, n. 242, p. 87-96, jan./fev.1976. Disponível em: https://www.mecd.gob.es/dctm/revista-de-educacion/1976-242/re24206.pdf?docu mentId=0901e72b8181e396. Acesso: 15-12-2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

TORRES, Alfonso Carrillo. La educación popular: trayectoria y actualidad. Colombia: Editorial El Buho, 2008.

YOUNG, Michael. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, set.-dez, 2011. p. 609 – 623.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n60.15258

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional