Por uma pedagogia do belo: educação, estética e sensibilidades

Graciele Maria Coelho de Andrade Gomes, Mário de Faria Carvalho

Resumo


Neste estudo interessamo-nos em problematizar o argumento kantiano sobre o gosto/juízo fora do objeto. Para tanto, é rediscutido o que é o ‘belo’ e ensaiada a proposição de uma categoria teórica denominada de ‘pedagogia do belo’ como forma de pensar a educação estética enquanto um saber que acontece a partir da consideração das sensibilidades e das subjetividades. Propomos que, na pedagogia do belo, a obra de arte opera como um artefato, uma metáfora mediadora. Assim, esta categoria dimensiona a reestruturação do consciente que assente ao imaginário; articula aspectos fundantes sobre as sensibilidades no fruir da existência e das experiências; permite a formação de valores estético-éticos por meio da contemplação sensível dos elementos simbólicos. A potência da pedagogia do belo remete ao modo pelo qual o conhecimento pode ser suscitado a partir da arte. Demonstra um caminho no qual o ato de conhecer decorre das trocas, dos afetos e da experiência.

Palavras-chave


Educação; Estética; Pedagogia do belo; Sensibilidades. Subjetividades.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Miguel Almir Lima de. Os sentidos da sensibilidade e sua fruição no fenômeno educar. Educação em Revista. Belo Horizonte. v. 25, n. 02, p. 199-222, ago., 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v25n2/09.pdf Acesso em: 15 jan. 2020.

BARBOSA, Ricardo. A especificidade do estético e a razão prática em Schiller. Kriterion. Belo Horizonte, n. 112, p. 229-242, dez, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/kr/v46n112/v46n112a08.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

BARBOSA, Ricardo. Schiller & a cultura estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BENJAMIN, Walter. Estética e sociologia da arte. Tradução de João Barreto. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

CALLADO, Antonio. Introdução. In: FISCHER, E. A necessidade da Arte. Tradução de Leandro Konder. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores 1976, p. 7-10.

CARDOSO, Fernando da Silva; GOMES, Graciele. Maria Coelho de Andrade; CARVALHO, Mario de Faria. Memória, imaginário e subjetividade: notas a uma categoria estética à rememoração da história de horror brasileira. Diálogos Latinoamericanos, v. 20, n. 28, p. 1-17, 2019. Disponível em: https://tidsskrift.dk/dialogos/article/view/118001/166024. Acesso em: 12 jan. 2020.

CARVALHO, Mario de; CARDOSO, Fernando da Silva. Contemporaneidade, Pesquisa Social e Imaginário. Revista NUPEM (Online), v. 7, p. 105-117, 2015. Disponível em: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/nupem/article/viewFile/793/603. Acesso em: 05 jan. 2020.

CARVALHO, Mario de Faria; GOMES, Graciele Maria Coelho de Andrade. Da racionalidade à subjetividade: educação estética e sensibilidades nas cartas de Friedrich Schiller. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 3, p. 693-707, dez. 2019. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/3347/3485. Acesso em: 18 jan. 2020.

DUARTE JÚNIOR, João Francisco. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 233 f. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. 4. ed. Lisboa: Presença, 2012.

FISCHER, Ernst. A necessidade da Arte. Tradução de Leandro Konder. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1976.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade. 19. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GOMES, Graciele Maria Coelho de Andrade. Diálogos entre arte e educação: a educação estética a partir da análise sensível da obra de Abelardo da Hora. 172 f. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea, Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, Pernambuco.

GOMES, Graciele Maria Coelho de Andrade; CARVALHO, Mário de Faria. Aesthetic Education and Sensitivity from the Thought of Friedrich Schiller. Art&Sensorium, Curitiba, v. 5, n. 2, p. 125 – 135, jul.-dez., 2018. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/sensorium/article/view/2348/1676. Acesso em: 01 dez. 2019.

GOMES, Graciele Maria Coelho de Andrade; CARVALHO, Mário de Faria. Bases sensíveis para pensar a educação popular à luz do muralismo mexicano: notas a partir da obra o primeiro encontro, de Aurora Reyes. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, v. 15, 2019, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2019, p. 1-15. Disponível em: http://www.enecult.ufba.br/modulos/submissao/Upload-484/111537.pdf. Acesso em: 21 jan.2020

HERMANN, Nadja. Ética e estética: a relação quase esquecida. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

HERMANN, Nadja. “O outro na intersubjetividade”. In: BOMBASSARO, Luiz Carlos; DALBOSCO, Claudio Almir; KUIAVA, Evaldo Antonio. Pensar sensível: homenagem a Jayme Paviani. Caxias do Sul: EDUCS, 2011, p. 433-443.

JUNG, Carl Gustav. Métamorphoses symboles de la libido. Montaigne, Paris, 1932.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Tradução de Fernando Costa Mattos. 4. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2015.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Tradução de Alfredo Veiga-Neto. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Tradução de Albert Chrisphe Migueis Stuckenbruck. Petrópolis: Vozes, 1998.

MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Tradução de Bertha Halpern Gurovitz. Petrópolis: Vozes, 1996.

MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, M. Terezinha Telles. Didática do ensino de arte: a língua do mundo. São Paulo: FTD, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro. Tradução de Márcio Pugliesi. Curitiba: Hemus, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Versão para E-books. E-books Brasil, 2002. Acesso em: 21 set. 2018.

READ, Herbert. A educação pela arte. Tradução de Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Martins fontes, 2001.

ROLNIK, S. Arquivo para uma obra-acontecimento: projeto de ativação da memória corporal de uma trajetória artística e seu contexto. São Paulo: Sesc, 2011.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do Homem. Tradução de Roberto Schwarz e Márcio Suzuki. 10. ed. São Paulo: Iluminuras, 2017.

SCHILLER, Friedrich. Objetos trágicos, objetos estéticos. Tradução de Vladmir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação. Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Ed. Bras. UNESP, 2005.

SOARES, Rosana. A educação estética como possibilidade de emancipação dos sujeitos no ensino da arte: desdobramentos e implicações. 283 f., 2015. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia.

SUASSUNA, Ariano. Iniciação à estética. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 2012.

SÜSSEKIND, Pedro. O impulso lúdico: sobre a questão antropológica em Schiller. Artefilosofia. Ouro Preto, n. 10, p. 11-24, 2011. Disponível em: http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/article/view/611. Acesso em: 05 abr. 2018.

WILLMS, Elni Elisa; ALMEIDA, Rogério de; BECCARI, Marcos. (org.). Diálogos entre arte, cultura & educação. São Paulo: FEUSP, 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n53.16647

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional