Experiência estética e escola: cartografia dos encontros com a infância e a arte nos anos iniciais do ensino fundamental

Fernanda Maria Santos Albuquerque, Conceição Gislâne Nóbrega Lima de Salles

Resumo


Este estudo é parte de uma pesquisa mais ampla, que encontrou com a infância, a arte e a experiência estética nos anos iniciais do Ensino Fundamental e as convidou para uma caminhada, sobretudo, com crianças no “espaçotempo” escolar. De modo geral, a pesquisa buscou cartografar os (des)encontros (im)possíveis da infância, da arte e da experiência estética na escola. No entanto, o presente artigo destaca, em específico, os (des)encontros (im)possíveis da experiência estética na escola. Considera a experiência estética como uma relação mais ampla e sensível com o mundo, conforme indicam Guedes e Ferreira (2017), e destaca os desafios postos pela modernidade para que tal relação aconteça, como colocado por Pedro Pagni (2014). A pesquisa foi realizada junto a 41 (quarenta e uma) crianças e 06 (seis) professoras de uma escola pública a partir de um plano comum e heterogêneo de produção de dados inspirado na cartografia. Os dados indicam, dentre outros descobertas, a cópia e o silêncio como parte do projeto moderno de redução da experiência estética e destaca as transformações disparadas pelas crianças através da escrita, do desenho e da conversa como (r)existência alternativa ao referido projeto na escola. Desse modo, os (des)encontros (im)possíveis da experiência estética destacados desfalecem todo saber e poder totalitários, a experiência estética parece soprar vida à escola, animar-lhe.


Palavras-chave


Arte; Cartografia; Escola; Experiência estética; Infância

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli Elisa Damalzo Alfonso de. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013. doi: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p95-103. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2018.

ARAÚJO, Miguel Almir Lima de. Os sentidos da sensibilidade e sua fruição no fenômeno do educar. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 02, p. 199-222, ago. 2009. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-46982009000200009. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982009000200009&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 06 jul. 2020.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. B. de Almeida. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

BARROS, Manoel de. Meu quintal é maior do que o mundo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas. v. 1. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação. Jan/Fev/Mar/Abr, n. 19, 2002, p. 04-27. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003 Disponível em: Acesso em: 13 dez. 2016.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Seção 1, p. 44-46. Disponível em: < http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/reso510.pdf > Acesso em: 18 jun. 2018.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. Tradução Cíntia Vieira da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; ALVES, Nilda. Conversas em redes e pesquisas com os cotidianos. In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (org.). Conversas como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

GAIVOTA, Daniel. Poética do deslocamento: nomadismo, diferença e narrativa da Escola. Rio de Janeiro: Nefi, 2017 (Coleção: Teses e Dissertações, 5).

GUEDES, Adrianne Ogêda; FERREIRA, Michelle Dantas. O professor de educação infantil, a arte e a educação estética: percursos de um grupo de pesquisa. In: Reunião Anual da ANPEd, 38, 2017, São Luís. Anais Eletrônicos… Disponível em: Acesso em: 22 jan. 2017.

KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância – Ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LARROSA, Jorge. Pedagogia profana. Danças, piruetas e mascaradas. Tradução AlfredoVeiga-Neto 4. ed. 3ª imp. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação - Revista do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação. v. 19, n. 2, 2011. doi: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v19i2.2444 Disponível em: Acesso em: 05 dez. 2016.

LARROSA, Jorge. Tremores: Escritos sobre experiência. Tradução Cristina Antunes, João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Arte e metáforas contemporâneas para pensar infância e educação. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 112-122, jan./abr. 2008. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100010 Disponível em: Acesso em: 06 jul. 2020.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Tradução Cristina Antunes. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

PAGNI, Pedro Angelo. Experiência estética, formação humana e arte de viver: desafios filosóficos à educação escolar. São Paulo: Loyola, 2014.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia (orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2016.

RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (orgs.). Conversas como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

RODRIGUES, Luiza Silva; ROBLE, Odilon José. Educação dos sentidos na contemporaneidade e suas implicações pedagógicas. Pro-Posições, Campinas, v. 26, n. 3, p. 205-224, set./dez, 2015. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-7307201507810 Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/pp/v26n3/0103-7307-pp-26-03-0205.pdf> Acesso em: 06 jul. 2020.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. 2. ed. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2014.

SKLIAR, Carlos. Elogio à conversa. In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (orgs.). Conversas como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SKLIAR, Carlos. A escuta das diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n54.16683

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional