Pensamento decolonial feminista do Sul: uma experiência de educação popular a partir de narrativas de mulheres camponesas

Márcia Alves da Silva

Resumo


Este texto aborda alguns aspectos que integraram estudos de Pós-Doutoramento na área de Educação, conduzidos pela autora, e tem como objetivo sistematizar teoricamente uma experiência de educação popular baseada na implementação de oficinas que foram realizadas com mulheres camponesas assentadas do Sul do Brasil, participantes do Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST). Essa experiência se articula na construção de um pensamento decolonial feminista latino-americano na área de Educação, iniciativa que não se coloca de forma isolada, mas compondo amplo leque de possibilidades, tanto políticas quanto investigativas. Dessa forma, o referencial teórico adotado se localiza no campo do pensamento feminista, compreendendo a decolonialidade aplicada à questão de gênero na América Latina e tendo como metodologia a coleta de dados empíricos por meio de narrativas autobiográficas, onde afloram as narrativas (auto)biográficas das mulheres do Sul, encaminhando-se na construção de um pensamento que coloca em xeque o conhecimento androcêntrico e eurocêntrico no qual a ciência moderna se baseou.


Palavras-chave


Brasil; Educação Popular; Feminismo Latino-americano; Mulheres Camponesas; Movimentos Sociais do Campo

Texto completo:

PDF

Referências


BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, Brasília, maio/ag. 2013. p. 89-117.

CISNE, Mirla. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. 2. ed. São Paulo: Outras Expressões, 2015.

CYPRIANO, Breno. Construções do pensamento feminista latinoamericano. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, jan.-abr., 2013. p. 11-39.

DELPHY, Christine. Patriarcado (Teorias do) [verbete]. In: HIRATA, Helena et al. (orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. p. 173-178.

EGGERT, Edla; SILVA, Márcia Alves da. Observações sobre pesquisa autobiográfica na perspectiva da educação popular nos estudos de gênero. Contexto & Educação, v. 26, n. 85, jan./jun. 2011. p. 51-68.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GARGALLO, Francesca. Feminismo latinoamericano. Revista Venezolana de Estudios de la Mujer, Caracas, v. 12, n. 28, enero/junio, 2007. p. 17-34.

GODINHO, Eliane. O “Artesanato de Si” de mulheres assentadas do MST: um processo político-pedagógico feminista pelo viés da educação popular. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pelotas – Brasil. 2017.

GODINHO, Eliane; SILVA, Márcia Alves da. O trabalho de mulheres assentadas do MST retratado em arpilleras enquanto uma proposta pedagógica feminista. Documento apresentado no I Congresso Internacional de Memória e Educação: narrativas (auto)biográficas. Santa Maria, RS, Brasil, mar./abr. 2017.

JOSSO, Marie-Christine. Histórias de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LAGARDE Y DE LOS RÍOS, Marcela. Sororidad. In: CASTRO, Amanda e MACHADO, Rita (orgs.). Estudos feministas, mulheres e educação popular. Curitiba: CRV, 2016. p. 25-33.

LOPES, Daniele Rehling; SILVA, Márcia Alves da. Da educação não sexista à pedagogia feminista. In: CASTRO, Amanda; MACHADO, Rita de Cássia (orgs.). Estudos feministas, mulheres e educação popular. Curitiba: CRV, 2016. p. 263-275.

MACHADO, Rita (orgs.). Estudos feministas, mulheres e educação popular. Curitiba: CRV, 2016. p. 25-33.

MARÍN, Pilar Cuevas. Memória Colectiva: hacia um proyeto decolonial.

In: WALSH, Catherine (org.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgents de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo 1. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013. p. 69-103.

MOREIRA, Carlos Eduardo. Emancipação [verbete]. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jamie José (orgs.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 145-146.

OCHOA, Luz Maceira. El sueño y la práctica de sí - Pedagogía feminista: una propuesta. México, D. F.: El Colegio de México, Centro de Estudios Sociológicos, Programa Interdisciplinario de Estudios de la Mujer, 2008.

PAREDES, Julieta. Hilando fino desde el feminismo comunitario. In: GUZMÁN, Alejandra de Santiago; BORJA, Edith Caballero; ORTUÑO, Gabriela González (orgs.). Mujeres intelectuales: feminismos y liberación en América latina y el Caribe. Buenos Aires: CLACSO, 2017. p. 111-140.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 117-142.

ROSA, Graziela Rinaldi da; SILVA, Márcia Alves da. Práticas educativas feministas no Brasil: perspectivas epistemológicas antipatriarcais e a pedagogia feminista. In: AMARO, Sarita; DURAND, Véronique (orgs.). Veias feministas: desafios e perspectivas para as mulheres do século 21. Rio de Janeiro: Bonecker, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SEGATO, Rita. La guerra contra las mujeres. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n54.17322

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.