As ações afirmativas e o acesso dos quilombolas à educação superior

Eglantina Alonso Braz, Daiane da Luz Silva, Elizabeth Matos Ribeiro

Resumo


As políticas de ações afirmativas no Brasil nas últimas décadas estão exercendo função primordial como recurso facilitador da democratização do acesso à Educação Superior, principalmente para a inclusão de grupos étnicos sub-representados. Nesse contexto, o presente estudo tem por objetivo analisar o acesso à conclusão e à evasão, bem como os cursos e as áreas de maior interesse dos estudantes remanescentes de quilombos na Universidade Federal da Bahia (UFBA) que ingressaram por meio de cotas raciais, para identificar os resultados da adoção das ações afirmativas específicas para esse público nessa instituição. Trata-se de uma pesquisa descritiva, quali-quantitativa, de tipo documental. Para tanto, foram analisados os dados de acesso e permanência aos cursos de graduação a partir da implementação das cotas raciais para os remanescentes de quilombo ingressos de 2005 até o semestre 2019.1. Os resultados apontaram que o número de acesso à Universidade por parte desse público aumentou nos últimos anos, que as preferências são para as carreiras das áreas de saúde e humanas, com mais matriculados nos cursos de Farmácia, Enfermagem, Medicina e Letras e que o número de evasão é baixo, em comparação com uma taxa de conclusão exitosa. A maior taxa de ocupação das vagas em cursos que formam profissionais em carreiras historicamente ocupadas pelas elites denota que as ações afirmativas estão gerando significativas transformações sociais, que pode levar à reparação histórica, ao reconhecimento e à valorização política, cultural e de identidade dos quilombolas.

 


Palavras-chave


universidade; ações afirmativas; quilombolas; estudo de caso

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, N. et al. Ações afirmativas na universidade pública: o caso da UFBA. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais, 2005.

AGÊNCIA IBGE NOTÍCIAS. PNAD - Contínua 2017: número de jovens que não estudam nem trabalham ou se qualificam cresce 5,9% em um ano. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21253-pnad-continua-2017-numero-de-jovens-que-nao-estudam-nem-trabalham-ou-se-qualificam-cresce-5-9-em-um-ano. Acesso em: 14 de ago. 2019.

BRASIL. Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 5.051, de 19 de abril de2004.Promulga a Convenção no 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20. abr. 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5051.htm. Acesso em: 12 de ago. 2019.

BRASIL. Lei 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30. ago. 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 11 de ago. 2019.

CAMPOS, L. A. Racismo em três Dimensões: Uma abordagem realista-crítica. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo. v. 32, n. 95, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092017000300503&lng=pt&nrm=iso. Acesso em11 ago. 2019.

CELLARD, A. Análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa:

enfoques epistemológicos e metodológicos. Trad. Ana Cristina Nasser.

Petropólis: Vozes, 2008. p. 295-316.

CORREIOS. MEC amplia bloqueio de recursos para a Ufba: corte pode passar de R$ 55 milhões.2019. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mec-amplia-bloqueio-de-recursos-para-a-ufba-corte-pode-passar-de-r-55-milhoes/. Acesso em: 16 ago. 2019.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; SOARES, L. J. G. Formação de Educadoras/es, diversidade e compromisso social. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 35, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-

&lng=pt&nrm=iso&gt. Acesso em: 29 jul. 2019.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Comunidades certificadas. In: Certificação Quilombola, 2019 Disponível em: http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551. Acesso em: 12 ago. 2019.

FURTADO, M. B.; PEDROZA, R. L.S., ALVES, C. B. Cultura, identidade e subjetividade quilombola: uma leitura a partir da psicologia cultural. Psicologia & Sociedade, v. 26, n. 1, p. 106-115, 2014.

LARCHERT, J. M.; OLIVEIRA, M. W. de. Panorama da educação quilombola no Brasil. Políticas Educativas, Porto Alegre, v.6, n. 2, p. 44-60, 2013. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Poled/article/viewFile/45656/28836. Acesso em: 30 jun. 2019.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latino Americano de Ciencias Sociales, setembro, 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: 11 ago. 2019.

RICHARDSON. R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2012.

SANTOS, E. S. et al. Oferta de Escolas de Educação Escolar Quilombola no Nordeste Brasileiro. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 1, 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA). Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução nº 1, de 26 de julho de 2004. Altera a Resolução 01/2002 do CONSEPE. Estabelece reserva de vagas na seleção para os cursos de graduação da UFBA realizada através do Vestibular. 2004. Disponível em: https://ufba.br/sites/portal.ufba.br/files/Resolu%C3%A7%C3%A3o%2001.2004.pdf. Acesso em: 09 ago. 2019

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA). Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução n. 03/2012. Altera o Art. 3º e o Art. 5º da Resolução nº 01/2004 do CONSEPE. 2012. Disponível em: https://ingresso.ufba.br/sites/ingresso.ufba.br/files/resolucao_03.2012_1.pdf. Acesso em: 09 ago. 2019

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA). Cursos. Disponível em: https://ufba.br/cursos. Acesso em: 30 abr. 2020.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y pedagogía decolonial: apuestas (des)de el in-surgir, re-existir y re-vivir. Revista de Educação Técnica e Tecnológica em Ciências Agrícolas. Seropédica - RJ, v.3. n.6, p. 25-42, 2012.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Tradução Daniel Grassi, Porto Alegre: Artmed, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n58.17335

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional