As práticas de avaliação da aprendizagem na concepção dos alunos do curso de administração da universidade estadual do Paraná

Cleverson Molinari Mello, Pedro Leão da Costa Neto

Resumo


A avaliação precisa ser objeto constante de análise para se saber se de fato ela está contribuindo no processo de ensino-aprendizagem e verificar se as práticas são condizentes com um processo avaliativo formativo. Some-se a complexidade do tema ainda mais por serem incipientes as contribuições no nível do ensino superior em comparação a educação básica. Para colaborar com o debate, o presente estudo foi realizado no Curso de Administração da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus de Paranaguá, constituindo-se em duas etapas. A primeira através da análise do projeto político-pedagógico e dos planos de ensino do curso. A segunda através de uma pesquisa com os alunos dos últimos anos. O objetivo da investigação foi analisar se o processo de avaliação da aprendizagem nesse curso está cumprindo o seu papel pedagógico ou somente serve como um instrumento tradicional. Desta forma, elaboramos a seguinte questão: Qual a relação existente entre o que é proposto no PPC (UNESPAR, 2020), nos planos de ensino e a percepção dos alunos com relação as práticas avaliativas? A análise dos dados foi realizada através da técnica de análise de conteúdo de Bardin (2016). As conclusões indicam que o PPC (UNESPAR, 2020) está um pouco distante da ideia de avaliação formativa. Por sua vez, os planos de ensino seguem na mesma direção do PPC (UNESPAR, 2020), sendo confirmado pelos próprios alunos na pesquisa.

 

 


Palavras-chave


Educação superior; Aprendizagem; Avaliação

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Mere; MONIZ, Maria Isabel Dandrade de Souza. Avaliação da aprendizagem em uma perspectiva emancipatória. Nuevamérica, Buenos Aires, n. 125, p. 44-47, jan./mar. 2010.

ALVES, Maria Palmir. Currículo e avaliação: uma perspectiva integrada. Porto: Porto, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação: mito e desafio – uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LUCKESI, Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2002.

MÉNDEZ, Juan Manuel Álvarez. Avaliar para conhecer, examinar para excluir. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

MORAES, Dirce Aparecida Foletto. Prova: instrumento avaliativo a serviço da

regulação do ensino e da aprendizagem. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 49, p. 233-258, 2011.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens - entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAUL, Ana Maria. Referenciais freireanos para a prática da avaliação. Revista de Educação, Campinas, n. 25, p. 17-24, nov. 2008.

TEIXEIRA, Josele; NUNES, Liliane. Avaliação escolar: da teoria à prática. Rio de

Janeiro: Wak, 2008.

TORRE, Saturnino de La. Aprender com os erros: o erro como estratégia de mudança. Porto Alegre: Artmed, 2007.

UNESPAR. Plano político-pedagógico do curso de administração. Paranaguá: Universidade Estadual do Paraná, 2020.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação: concepção dialética libertadora do processo de avaliação escolar. 17. ed. São Paulo: Libertad, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n55.18871

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional