Despesas em ações da assistência financeira da União na educação básica no período 2014-2020

Nalú Farenzena

Resumo


Uma das responsabilidades do governo da União no setor educacional é a prestação de assistência técnica e financeira aos governos subnacionais na educação básica, responsabilidade que é um dos pilares da cooperação federativa na educação e da atuação estatal para a garantia dos direitos à educação. O objetivo do artigo é analisar a evolução da execução orçamentária nas principais ações de assistência financeira do governo federal na educação básica entre os anos de 2014 e 2020, de responsabilidade, do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). São trabalhados os montantes, totais e por agrupamentos, de ações orçamentárias, bem como os valores por matrícula, considerando os demarcadores para a atuação da União na educação básica: as funções supletiva e redistributiva e os objetivos de garantia de padrão de qualidade e equalização de oportunidades educacionais. No período, ocorreu decréscimo de recursos, no total e na grande maioria das ações, o que deriva, principalmente, da política de austeridade fiscal posta pela Emenda à Constituição nº 95/2016, que fixou um teto para os gastos primários federais. A complementação da União ao Fundeb e o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar são as ações com menor diminuição de recursos dentro do período, porém, houve significativas perdas em outras ações, principalmente naquelas de assistência voluntária.

 


Palavras-chave


assistência financeira da União na educação; cooperação federativa na educação; financiamento da educação básica; políticas de financiamento da educação

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Nelson Cardoso. Dois anos de desgoverno – os números da desconstrução. A Terra é Redonda, 08 de abril de 2021. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/dois-anos-de-desgoverno-os-numeros-da-desconstrucao/. Acesso: maio de 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 05 out. 1988. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso contínuo.

BRASIL. Lei nº 10.880, de 09 de junho de 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para Atendimento à Educação de Jovens e Adultos, dispõe sobre o repasse de recursos financeiros do Programa Brasil Alfabetizado [...].

BRASIL. Lei nº 11.692, de 10 de junho de 2008. Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem [...].

BRASIL. Lei nº. 12.722, de 03 de outubro de 2012. [....] dispõe sobre o apoio financeiro da União aos Municípios e ao Distrito Federal para ampliação da oferta da educação infantil; e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: maio 2021.

BRASIL. Lei nº 14.113, de 25 de dezembro de 2020. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), de que trata o art. 212-A da Constituição Federal; revoga dispositivos da Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Lei/L14113

.htm. Acesso em: junho 2021.

BRASIL. Medida Provisória nº 1.061, de 09 de agosto de 2021. Institui o Programa Auxílio Brasil e o Programa Alimenta Brasil, e dá outras providências.

CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues. Configurações da política de assistência da União para a oferta de educação básica pós golpe de 2016. FINEDUCA – Revista de Financiamento da Educação, v. 09, n. 19, p. 1-13, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22491/fineduca-2236-5907-v9-90083.

CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues. Tensões federativas no financiamento da educação básica: equidade, qualidade e coordenação federativa na assistência técnica e financeira da União. Belo Horizonte: UFMG, 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Conhecimento e Inclusão Social em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

COALIZÃO Direitos Valem Mais. LDO/LOA 2021 e PEC 188: Piso mínimo emergencial para serviços essenciais, desmonte do Estado pela PEC do Pacto Federativo e necessidade de mudanças urgentes nas regras fiscais. São Paulo, Nota Técnica, set. 2020.

CRUZ, Rosana Evangelista da. Pacto federativo e financiamento da educação: a função supletiva e redistributiva da União – o FNDE em destaque. São Paulo: USP, 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

DWECK, Esther; ROSSI, Pedro; OLIVEIRA, Ana Luíza Matos. Economia pós-pandemia: desmontando os mitos da austeridade fiscal e construindo um novo paradigma econômico. São Paulo: Autonomia Literária, 2020. Disponível em: https://pedrorossi.org/wp-content/uploads/2020/11/Economia-Po%CC%81s-Pandemia-compactado.pdf. Acesso em: jul. 2021.

FARENZENA, N. A assistência financeira da União às políticas educacionais locais. Retratos da Escola, Brasília, v. 6, n. 10, p. 105-117, jan./jun. 2012a.

FARENZENA, N. Relações intergovernamentais nas políticas de educação básica no Brasil: a assistência da União aos governos subnacionais em foco. Revista Uruguaya de Ciencia Política, v. 21, p. 183-202, 2012b.

FARENZENA, N.; MULLER, K. S.; FELIX, N. F. F. Financiamento e oferta da educação infantil no Rio Grande do Sul (2009-2019). In: ROCHA, D. B.; ROYER, H. (Org.). Educação infantil: uma visão multidisciplinar. Porto Alegre: ESGC Publicações; TCE/RS, 2020. p. 177-210.

FINEDUCA. Por que o salário-educação não pode ser fonte da complementação da União ao Fundeb. Manifestação. São Paulo, mar. 2020a. Disponível em: https://fineduca.org.br/

/03/27/por-que-o-salario-educacao-nao-pode-ser-fonte-da-complementacao-da-uniao-ao-fundeb/. Acesso em: 21 maio 2021.

FINEDUCA. Em defesa de novos recursos para a complementação da União ao Fundeb. São Paulo, abr. 2020b. Disponível em: Disponível em: https://fineduca.org.br/2020/04/13/em-defesa-de-novos-recursos-para-complementacao-da-uniao-ao-fundeb/. Acesso: abril de 2021.

FINEDUCA. A política de educação infantil no Brasil: das garantias legais ao financiamento do atendimento público. São Paulo, jul. 2021. Disponível em: https://fineduca.org.br/2021/07/09/a-politica-de-educacao-infantil-no-brasil-das-garantias-legais-ao-financiamento-do-atendimentopublico/. Acesso: agosto de 2021.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Relatório do 3º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação – 2020. Brasília: Inep, 2020.

LASCOUMES, Pierre; LE GALÈS, Patrick. Sociologie de l’acion publique. Paris: Armand Colin, 2007.

LUTZ, Diego. Trajetórias do salário-educação (1997-2018) como política de financiamento da educação. Porto Alegre: UFRGS, 2020. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

MACHADO, Maria Goreti Farias; FARENZENA, Nalú. Delineamentos normativos da política de financiamento da educação básica brasileira. In: CHAVES, Neusa Batista; Flores, Maria Luíza Rodrigues. Formação de Gestores Escolares para a Educação Básica: avanços, retrocessos e desafios frente aos 20 anos de normatização da gestão democrática na LDBEN. Porto Alegre: Evangraf, Escola de Gestores, 2016, p. 173-190.

MARTINS, Paulo de Sena. O financiamento da educação básica como política pública. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 26, p. 497-514, 2010.

MULLER, Pierre. Les politiques publiques. Paris : PUF, 2006.

O’DONNELL, Guilhermo. Democracia, agencia y estado: teoría com intención comparativa. Buenos Aires, Prometeo Libros, 2010. p. 205.

PINTO, José Marcelino de Rezende. As Esperanças Perdidas da Educação de Jovens e Adultos com o Fundeb. FINEDUCA – Revista de Financiamento da Educação, v. 11, n. 14, p. 1-21, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.22491/2236-5907111438.

PELLANDA, Andressa; CARA, Daniel. Educação na pandemia: oferta e financiamento remotos. In: DWECK, Esther; ROSSI, Pedro; OLIVEIRA, Ana Luíza Matos. Economia pós-pandemia: desmontando os mitos da austeridade fiscal e construindo um novo paradigma econômico. São Paulo: Autonomia Literária, 2020, p. 183-189. Disponível em: https://pedrorossi.org/wp-content/uploads/2020/11/Economia-Po%CC%81s-Pandemia-compactado.pdf. Acesso em: jul. 2021.

ROSSI, Pedro; OLIVEIRA, Ana Luíza Matos de; ARANTES, Flávio; DWECK, Esther. Austeridade fiscal e o financiamento da educação no Brasil. Educ. Soc., Campinas, v.40, e0223456, 2019. DOI: 10.1590/ES0101-73302019223456

THOENIG, Jean-Claude. Politique publique. In : BOUSSAGUET, Laurie; JACQUOT, Sophie ; RAVINET, Pauline. Dictionnaire des politiques publiques. Paris: Sciences Po – Les Presses, 2006, p. 328-335.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n58.20849

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional