A semana cultural indígena enquanto espaço de conhecimento, fortalecimento e resistência da cultura kaingang

Cláudia Battestin, Adroaldo Antonio Fidelis, Getúlio Narsizo

Resumo


A escrita deste artigo apresenta a importância e necessidade da organização e realização da semana cultural indígena enquanto espaço de conhecimento, fortalecimento e resistência das comunidades indígenas do Sul do Brasil. O objetivo desta pesquisa de caráter teórico bibliográfico e autoetnográfico, contextualiza a necessidade de darmos visibilidade aos mais de 40 mil Kaingangs que habitam o Sul, buscando através das semanas culturais mostrar o quanto é importante o respeito e a diversidade existente nestas terras. Um dos acontecimentos mais marcantes da semana cultural é o reconhecimento e identificação das metades ou marcas clânicas Kamé e Kanhru, as mesmas são presença e movimento, tanto nos rituais, danças, na coleta dos alimentos como na organização familiar. Nesta dinâmica de escrita, queremos alargar o alcance da divulgação e mostrar a potencialidade que os movimentos culturais possuem em defesa dos direitos e valores dos povos indígenas.


Palavras-chave


semana cultural; kaingang; resistência; metades clânicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBÓ, S. J. X. Cultura, Interculturalidad, Inculturación. Caracas: Federación Internacional de Fe y Alegría, 2003

BATTESTIN, C; BONATTI, J, QUINTO, J. A colonização e resistência dos povos originários da américa latina. Revista Fórum Identidades, Itabaiana-SE, v. 30, n. 01, p. 13-27, 2019.E-ISSN:

GAUDÊNCIO, J. S. et al. Breve perspectiva historiográfica sobre a ancestralidade da etnia indígena Kaingang. In: Cadernos do CEOM. v. 32, n. 50, p. 115-128. Chapecó, 2019. Disponível em:

http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/view/4728/2715. Acesso em: 24 de jul. de 2019.

MONTE, N. L. Educação e sociedades indígenas no Brasil. In: Sociedade Brasileira de História da Educação (Org.). Educação no Brasil: História e Historiografia. Campinas, SP: Autores Associados: São Paulo: SBHE, 2001. p. 99-117.

NASCIMENTO, E. S. Há vida na história dos outros. Chapecó: Argos, 2001.

NARSIZO, G. BATTESTIN, C. SANTOS,J.Rirual do Kiki: Cosmologia e resistência do povo kaingang . In: Constitucionalismo, Pluralismo Jurídico, Bem Viver e Educação. Org. CAOVILLA, M, A; CERUTTI, S. São Leopoldo: Karywa, 2019, p. 44-54.

VEIGA, J. Revisão bibliográfica crítica sobre organização social Kaingang. In: Cadernos do CEOM v. 6, n. 8. 1992. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/view/2312. Acesso em: 10 de nov. de 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n60.21727

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional