"Não consigo respirar": ensino da respiração celular em perspectiva anti-racista

Yonier Alexander Orozco Marín, Jenny Paola Morales Sánchez, Suzani Cassiani

Resumo


O objetivo do trabalho foi construir possibilidades para promover a luta antirracista no ensino de ciências naturais e biologia, por meio da caracterização dos aprendizados construídos por duas alunas da sétima série de uma escola de Bogotá, DC, durante a aplicação de uma sequência didática sobre o conceito de respiração celular associada à resistência ancestral dos povos indígenas da Colômbia com a chicha, uma bebida fermentada andina. Os aprendizados, caracterizados qualitativamente no início, durante e no final da sequência didática, mostram que as alunas construíram explicações integrando macro e micro níveis sobre a fermentação, reconhecendo a resistência dos povos indígenas com a chicha como uma possibilidade antirracista.


Palavras-chave


Decolonialidade; educação para as relações etnicorraciais; ensino de biologia; pedagogia decolonial.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCURI, G.; MOTA, A. Construcción de modelos en clase acerca del fenómeno de la fermentación, con alumnos de educación secundaria. Revista latinoamericana de estudios educativos, v. 9, n. 1, p. 53-78, 2013.

BASALLO, J. Bogotá D.C, destino para la chicha y la dicha. Antrópica: Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, v. 3, n. 6, p. 99-118, 2017.

BELTRÁN, M. Racismo científico y textos escolares de Ciencias naturales (1979-2015). Voces y silencios, v. 8, n. 1, p. 37-59, 2017.

CARDOSO, L. A branquitude acrítica e as críticas. In: MULLER, T.; CARDOSO, L. Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Appris: Curitiba, 2017.

DECRETO 1122 DE JUNIO DE 1998. Cátedra de Estudios Afrocolombianos. Presidencia de la República de Colombia. 1998.

DUTRA, D.; CASTRO, D.; MONTEIRO, B. Educação em ciências e decolonialidade: em busca de caminhos outros. In: MONTEIRO, B.; DUTRA, D.; CASSIANI, S.; SANCHEZ, C.; OLIVEIRA, R. (Org.). Decolonialidades na educação em ciências. São Paulo: Livraria da Fisica. 2019.

MONTAÑEZ, P. Sacralidad, tormento y rescate: La vida social de la chicha muisca. Campos, v. 2, n. 1, p. 139-160, 2014.

MORALES, A.; AGUILERA, P. Fortalecimiento cultural desde la agricultura en el Cabildo. Revista Bio-Grafía, Edición Extraordinaria, p. 239-248, 2015.

NUÑEZ, B. La respiración celular: Representaciones y conceptos de los estudiantes de bachillerato de la Institución Educativa Departamental Serrezuela de Madrid y de la Fundación Universitaria Juan N. Corpas. Disertación, Maestría en Enseñanza de las Ciencias Exactas y Naturales, Universidad Nacional de Colombia, Bogotá, Colombia. 2011.

PINHEIRO, B. Educação em Ciências na Escola Democrática e as Relações Étnico-Raciais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v.19, n. 1, p. 329-344, 2019.

SECRETARIA DE EDUCACIÓN DEL DISTRITO. Etnociencia Perspectiva pedagógica de los estudios afrocolombianos para la enseñanza de las Ciencias Naturales. Alcaldía Mayor de Bogotá: Bogotá. 2014.

SOUZA, P.; FORTUNATO, I. Uma narrativa histórica da educação nacional entre mitos: do fundador ao de democracia racial. Revista de Política e Gestão Educacional, v. 23, n. 1, p. 103-131, 2019.

WALSH, C. Interculturalidade crítica e educação intercultural. (Conferência apresentada no Seminário “Interculturalidad y Educación Intercultural”, Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, La Paz). 2009.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n60.21732

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional