Avaliação institucional participativa na educação infantil percursos, desafios e potenciais em uma creche paulistana

Tássio José da Silva

Resumo


O debate sobre a qualidade da educação infantil tem ganhado destaque no cenário nacional e internacional a partir de diferentes projetos políticos que disputam, paradoxalmente, concepções bastante distintas de educação infantil, de sociedade e de criança. Diante disso, por meio da análise da experiência paulistana expressa no documento “Indicadores de Qualidade da Educação Infantil Paulistana”, vigente desde 2013, o presente artigo busca problematizar como a Avaliação Institucional Participativa (AIP) vem sendo aplicada nas unidades educacionais e quais os percursos, desafios e potenciais que permeiam o desenvolvimento dessa modalidade de avaliação na Educação Infantil.  As perspectivas teóricas que conduzem estas reflexões se inserem no campo das políticas públicas de avaliação e qualidade da Educação Infantil. Numa abordagem qualitativa, apresentamos uma etnografia realizada no ano de 2018 em um Centro de Educação Infantil da cidade de São Paulo, assumindo como pressuposto basilar o fato de que a implementação de políticas públicas, inevitavelmente, se configura como um dinâmica permeada por tensionamentos e negociações. Todavia, o percurso reflexivo trilhado neste estudo permite-nos afirmar o papel fundamental da AIP para a qualidade da educação infantil, uma vez que promove um movimento contínuo, sistematizado de discussão e materialização do projeto político pedagógico, em diálogo com as diretrizes que orientam a educação infantil no Brasil.


Palavras-chave


autoavaliação; avaliação institucional participativa; educação infantil; participação. qualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educação & Sociedade, Campinas, São Paulo: Centro de Estudos Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1059-1083, out. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300020. Acesso em: 17 Abril 2022.

BERTAGNA, R. H.; SORDI, M. R. L. Avaliação educacional: um campo em movimento e disputa. Cad. CEDES, v. 36, n. 99, Campinas, maio/ago. 2016. Disponível em https://doi.org/10.1590/CC0101-32622016162219. Acesso em: 17 Abril 2022.

BERTAGNA, R. H.; MELLO, L. R.; POLATO, A. Política e Avaliação Educacional: aproximações. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 2, pp. 244-261, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14244/19827199904. Acesso em: 17 Abril 2022.

BONOMI, A. O relacionamento entre educadores e pais. In: BONIOLI, A.; MANTOVANI, S. Manual de Educação Infantil: de 0 a 3 anos - uma abordagem reflexiva. Porto Alegre, Artmed, 1998, pp. 406-422.

BORGHI, R.; BERTAGNA, R. H. Que educação é pública? Análise preliminar do atendimento conveniado na educação infantil nas diferentes regiões administrativas brasileiras. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (on-line), Brasília, v. 97, n. 247, pp. 506-518, set./dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S2176-6681/278133671. Acesso em: 17 Abril 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Proposta de Emenda à Constituição n.º 415, de 16 de junho de 2005. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores de qualidade da Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009.

CAMPOS, M. M; RIBEIRO, B. Autoavaliação institucional participativa em unidades de Educação Infantil da rede municipal de São Paulo. 1ª ed. São Paulo: FCC, 2016. V. 48.

CAGLIARI, P.; GIUDICI, C. A escola como lugar de aprendizagem de grupo para os pais. In: Zero Project. Tornando visível a aprendizagem: crianças que aprendem individualmente e em grupo. Reggio Children. São Paulo: Phorte, 2014.

DALBEN, A. Avaliação Institucional na Escola de Educação Básica: uma aproximação orientada pelos princípios da participação. Educação: Teoria e Prática, v. 20, n. 35, 2010.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: Políticas Educacionais e Reformas da Educação Superior. São Paulo: Cortez, 2003.

FESTA, M. Autoavaliação Institucional Participativa da Educação Infantil da Cidade de São Paulo: o processo sob a ótica dos participantes. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2019.

FREIRE, P. Conscientização e libertação: uma conversa com Paulo Freire. In: Ação Cultural para a Liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FREITAS, L. C. Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, pp. 911-933, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000300010. Acesso em: 17 Abril 2022.

LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da escola: Teoria e Prática. 5ª Ed. Revista e Ampliada – Goiânia: MF livros, 2008.

MONÇÃO, M. A. G. Educação infantil e gestão democrática: desafios do cotidiano para a garantia dos direitos das crianças. Comunicações Piracicaba, v. 26, n. 23, pp. 167-189, set./dez. 2019. Disponível em https://doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v26n3p167-189. Acesso em: 17 Abril 2022.

MONÇÃO, M. A. G. Gestão ne Educação Infantil: Cenários do Cotidiano. São Paulo: Edições Loyola, 2021.

MORAES, S. R. C. Avaliação institucional na educação infantil de Campinas/SP: a experiência de três instituições públicas. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas/SP, 2014.

NASCIMENTO, A. D. Autoavaliação institucional participativa: uma experiência em duas creches da Rede Municipal de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Educação: Currículo) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Currículo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

XAVIER, C. A. O orientador pedagógico na implementação da avaliação institucional participativa: um olhar sobre a experiência. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2011.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Portaria 5.930 de 14 de outubro de 2013. Regulamenta o Decreto nº 54.452, de 10/10/2013, que institui, na Secretaria Municipal de Educação, o Programa de Reorganização Curricular e Administrativa, Ampliação e Fortalecimento da Rede Municipal de Ensino de São Paulo - “Mais Educação São Paulo”. São Paulo, 2013.

SÃO PAULO. Secretaria de Educação. Indicadores de qualidade da Educação Infantil paulistana. São Paulo: SME/DOT, 2016.

SILVA, T.J. Avaliação institucional na educação infantil: processos de construção de qualidade em uma creche paulistana. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista (Unesp), Instituto de Biociências, Rio Claro/SP, 2021.

SÍVERES, L.; SANTOS, J. R. Avaliação institucional na educação básica: os desafios de implementação. Revista Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 29, n. 70, pp. 222-253, jan./abr. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.18222/eae.v29i70.5075. Acesso em: 17 Abril 2022.

SORDI, M. R. L. D. A complexidade das relações sociais na escola: problematizando as resistências ao processo de avaliação institucional. In SOUZA, E. S.; SORDI, M. R. L. D. (Orgs.) Avaliação Institucional como instância mediadora da qualidade da escola pública: a rede municipal de educação de Campinas como espaço de aprendizagem. Campinas/SP: Millennium Editora, 2009, pp. 35-38.

STACCIOLI, G. Diário do acolhimento na escola da infância. Tradução: Fernanda Ortale & Ilse Paschoal Moreira. Campinas/SP: Autores Associados, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n62.22065

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional