Filosofia e criação na escola: entre estrato e linha de fuga

Jair Miranda de Paiva

Resumo


Este texto tem por objetivo pensar a potência da escola como estrato que, apesar de se constituir num dos micropoderes que, pela disciplina, sanção e exame, conforma corpos e subjetividades, pode, todavia, tornar-se condição de outra escola como usina de ideias, como ateliê de experimentações. Buscamos no conceito deleuziano de virtual possibilidades de pensar a criação na escola, contrariamente aos pensamentos catastrofistas sobre seu fim iminente, bem como sobre sua inadequação à época atual, dita do conhecimento ou da informação. O ponto de juntura dessas duas perspectivas é constituído por uma afirmação sobre os estratos em Mil Platôs: “não será preciso guardar um mínimo de estratos, um mínimo de formas e de funções, um mínimo de sujeito para dele extrair materiais, afetos, agenciamentos?”


Palavras-chave


agenciamento - escola - criação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n39.6191

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional