Relação ser humano-meio ambiente em uma reserva extrativista: (auto)reflexões para a educação ambiental

Diógenes Valdanha Neto, Maria Betanea Platzer, Diego Ferreira Gomes

Resumo


As últimas décadas da política e gestão ambiental nacional foram marcadas pelo reconhecimento e valorização dos povos tradicionais na conservação do meio ambiente. Nesse contexto, esta pesquisa investigou a relação ser humano-meio ambiente de uma comunidade ribeirinha da Amazônia. A principal questão de pesquisa foi: como moradores da Reserva Extrativista do Lago do Cuniã compreendem e avaliam sua relação com o meio ambiente? A pesquisa ocorreu no espaço escolar, mediante aplicação de 24 questionários, triangulados a observações diretas da vida comunitária e conversas informais. Os principais resultados demonstram que os moradores avaliam como positiva e conservacionista/pragmática a relação comunitária e sua relação individual com o meio. A partir dos dados são tecidas (auto)reflexões para o campo da pesquisa em educação ambiental, salientando a historicidade da noção de “meio ambiente” e suas implicações para se desenvolver investigações e ações com povos em relação de interdependência direta com a natureza.

 

 


Palavras-chave


Unidades de conservação; Povos tradicionais; Escola; Educação popular; Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Carlos Rodrigues; TSIKIOKA, Crismere Gadelha; CARVALHO, Maria Celina Pereira de. O cerco do Verde: o olhar dos outros sobre a questão do ambiente. Ambiente & Sociedade, n.5, 1999.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant’Ana; ARRUDA, Rinaldo. Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1ª ed. (reimpr.). Rio de Janeiro: Editora LTC, 2011.

GOMES, Diego Ferreira; VALDANHA NETO, Diógenes; PLATZER, Maria Betanea.

Leituras de mundo em uma escola na floresta: meio ambiente e educação ambiental

entre educandos e educadores de uma Reserva Extrativista. REMEA – Revista

Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 32, n. 1, p. 229-246, 2015.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7.ed. São Paulo: Edição. Atlas, 2010.

PÁDUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, 2010.

PNCSA (Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia). Caderno nova cartografia mapeamento social como instrumento de gestão territorial contra o desmatamento e a devastação: processo de capacitação de povos e comunidades tradicionais – N. 6 (Desastres socioambientais das hidrelétricas no rio Madeira e a grande cheia de 2014). Manaus: UEA Edições, 2014.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Os (des)caminhos do meio ambiente. 14ª edição, 1ª reimpressão. São Paulo: Editora Contexto, 2008.

ROMANELLI, Geraldo. A entrevista antropológica: troca e alteridade. In: ROMANELLI, Geraldo; BIASOLI-ALVES, Zelia Maria Mendes. (orgs.) Diálogos metodológicos sobre prática de pesquisa. Ribeirão Preto: Legis – Summa, 1998.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. (Org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SILVA, Rosana Louro Ferreira da; CAMPINA, Nilva Nunes. Concepções de educação ambiental na mídia e em práticas escolares: contribuições de uma tipologia. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 6, n. 1, p. 29-46, 2011.

STAKE, Robert E. Case studies. In: DENZIN, Normam K; LINCOLN, Yvonna S. Handbook of qualitative research. SAGE Publications, 1994.

STAKE, Robert E. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia R. Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade - MEC, UNESCO, 2007.

VALDANHA NETO, Diógenes; WHITAKER, Dulce Consuelo Andreatta; VASCONCELOS, Valéria Oliveira de. Educação e(m) unidades de conservação: luta por direitos e direito à luta. Revista de Educação Popular, v. 17, n. 2, p. 51-67, 2018.

VALLA, Victor Vincent. A crise de interpretação é nossa: procurando compreender a fala das classes subalternas. Educação & Realidade, v.21, n.2, p.177-190, 1996.

VEIGA, José Eli da. O âmago da sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 28, n. 82, 2014.

WHITAKER, Dulce Consuelo Andreatta; BEZZON, Lara Crivelaro. A Cultura e o Ecossistema: reflexões a partir de um diálogo. Campinas, São Paulo: Editora Alínea, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n55.8345

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.