Há vida na escola e escola na vida: algumas provocações a partir do projeto de lei “Escola Sem Partido”

Rosinei Ronconi Vieiras, Martha Tristão, Bruna Neitzel Sepulcri

Resumo


O artigo em questão tem como objetivo principal problematizar e analisar a relação de congruência permanente entre escolasociedades, visando potencializar um processo de aprendizagem que seja/esteja voltado para a produção de outras relações, valorizando a pluralidade de experiências e conhecimentos existentes e constantes entre esses espaços. Nessas discussões, pensadores como Morin (1991), Santos (2010), Alves (2008) e Maturana (2009) correspondem a alguns dos intercessores teóricos com os quais procuramos nos envolver. Tendo como enfoque a proposta de lei denominada “Escola sem Partido”, que visa retroceder e “robotizar” o processo educacional e seus sujeitos, discute-se a relação da racionalidade hegemônica moderna, com sua perspectiva dualista e fragmentária de entendimento da realidade, com essa proposta de lei, cuja lógica comporta e implica a possibilidade de neutralidade da escola em relação ao que se passa na sociedade. Além disso, o artigo aborda, também, a necessidade urgente de um questionamento permanente da ideia dicotômica e reducionista com que é tratada a relação da escola com a sociedade, propondo, assim, a recusa a qualquer proposta/projeto ou mesmo modelo que submeta ou limite a liberdade do pensamento no ambiente escolar.

 

 


Palavras-chave


Educação. Sociedade. Escola sem Partido.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Currículo: conhecimento e cultura. Entrevista concedida ao programa Salto para o Futuro. Realizada em 30/10/2008. Disponível em: < http://www.tvbrasil.org.br/saltoparaofuturo/entrevista.asp?cod_Entrevista=54 >. Acesso em: 27/01/2015.

ALVES, Nilda. A Compreensão de Políticas nas Pesquisas com os Cotidianos: Para Além dos Processos de Regulação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1195-1212, out.-dez. 2010. Acesso em: 27/01/2015. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br

CARVALHO, Janete Magalhães. Do projeto às estratégias/táticas dos professores como profissionais necessários aos espaços/tempos da escola pública brasileira. In: CARVALHO, Janete Magalhães (org.). Diferentes perspectivas da profissão docente na atualidade. 2. Ed. Vitória: Edufes, 2004.

ESTEBAN, Maria Teresa. Currículos e conhecimentos escolares. In: FERRAÇO, Carlos Educardo e CARVALHO, Janete Magalhães (Org.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produções de subjetividades. Petrópolis: DP ey Alii; Vitória: Nupec/Ufes, 2013.

GARCIA, Regina Leite; ALVES, Nilda. Para começo de conversa. In: GARCIA, Regina Leite; ALVES, Nilda (Org.). O Sentido da Escola. 5. ed. Petrópolis: DP ey Alii, 2008.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 7ª Ed. Petrópolis, Vozes, 1985.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política; Tradução: José Fernando Campos Fontes. 1ª ed. atualizada. – Belo Horizonte: Editora. UFMG, 2009.

MORIN, Edgar. O método 4 - As ideias: a sua natureza, vida, habitat e organização. Tradução de Emilio Campos Lima. Mem Martins Codex: Editions du Seiul, 1991.

MORIN, Edgar. O método 1: A Natureza da Natureza. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 16. ed. Porto: Afrontamentos, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n56.8544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Eccos - Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional