A justiça como serviço público

limitações ao benefício da justiça gratuita pela jurisprudência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/2024.23629

Palavras-chave:

acesso à justiça, gratuidade da justiça , serviços públicos, direito constitucional

Resumo

Notório o desejo do Código de Processo Civil/15 em fortalecer o acesso à justiça, especialmente pelas disposições concernentes ao benefício da justiça gratuita. A partir desta constatação, busca-se uma análise sobre os resultados do sistema atual, bem como a possibilidade de aumento dos efeitos da referida benesse, através de análises estatísticas. Portanto, utilizando-se do método hipotético-dedutivo, questiona-se a possibilidade de alargamento do benefício da justiça gratuita, para que atinja um maior número de beneficiários, conforme determinação legal. Conclui-se que é possível robustecer o benefício, a fim de que a Justiça como serviço público promova melhor atendimento às necessidades populacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilton Garcia da Costa, Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP / Jacarezinho - PR, Brasil

Doutor e Mestre em Direito - PUC SP Pontifícia Universidade de São Paulo, Mestre em Administração pelo Unibero, Pesquisador e Professor do Doutorado, Mestrado e Graduação da UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná, Professor do latu sensu da Universidade Federal do Mato Grosso - Uniselva e Fundação Escola Superior do Ministério Público de Mato Grosso, avaliador institucional e de cursos do INEP - MEC Ministério da Educação, Especialista em Formação Profissional - Alemanha, Especialista em Finança - FECAP. Foi do Conselho Fiscal do Conpedi, Secretário Adjunto de Educação e Diretor Executivo do Instituto de Previdência do Município de Ourinhos SP, Membro do Comitê de Área da Fundação Araucária de Apoio a Pesquisa do Estado do Paraná, Membro do Comitê Avaliação da Lei de Incentivo ao Esporte do Estado de São Paulo, Presidente da Comissão de Estágio e Vice Presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB SP, coordenei o curso de Direito das Faculdade Anchieta SBC - Anhaguera, foi do Conselho Fiscal, Diretor e Coordenador do Curso de Direito da Unib - Universidade Ibirapuera, Diretor Superintendente de Planejamento e Controles do Banco Crefisul - BAQ, Consultor Instrutor da Câmara Brasil Alemanha, É membro do Conselho Editorial da Editora da UENP, É líder do GpCertos - Grupo de Pesquisa em Constituição, Educação, Relações de Trabalho e Organização Sociais registrado no CNPq, Membro da E Justicia Latinoamerica, Matemático e Advogado.  

Matheus Teodoro, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) / Jacarezinho - PR, Brasil

Doutorando e Mestre em Ciência Jurídica, pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica da Universidade Estadual do Norte do Paraná, vinculado à linha de pesquisa "Função Política do Direito e Teorias da Constituição". Pós-Graduado em Advocacia Cível e em Direito Público Aplicado, ambas pela Escola Brasileira de Direito (em parceria com a Universidade São Judas Tadeu - USJT). Pós-Graduado em Direito Previdenciário e Processo Previdenciário, pelo Complexo Educacional Damásio de Jesus. Graduado em Direito pelas Faculdades Integradas de Itararé. Professor de Filosofia Jurídica, Sociologia Jurídica e Direito Constitucional na Faculdade de Ciências Agrárias e Sociais de Itapeva. Advogado e pesquisador.

Fernando de Brito Alves, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) / Jacarezinho, PR - Brasil

Doutor em Direito pela Instituição Toledo de Ensino - ITE / Bauru-SP. Mestre em Ciência Jurídica pela Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP. Graduado em Filosofia pela Universidade do Sagrado Coração e graduado em Direito pela Faculdade Estadual de Direito do Norte Pioneiro, é especialista em "História e historiografia: sociedade e cultura" pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Jacarezinho. Foi Coordenador do Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Ciência Jurídica (agosto de 2014- março de 2023). Realizou estágio de pós-doutorado no Ius Gentium Conimbrigae da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (2013-2014), Visiting researcher na Universidad de Murcia (2019). Atualmente é Procurador Geral da UENP, Editor da Argumenta Journal Law, e Assessor Técnico da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado do Paraná.

Referências

AGRA, Walber de Moura. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.

BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito constitucional. 8. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2014.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 2002.

CARVALHO FILHO, Antônio; SAMPAIO JUNIOR, Herval (orgs.). Os juízes e o novo CPC. Salvador: JusPODIVM, 2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números. Brasília: CNJ, 2022.

COSTA, Ilton Garcia da. Paz e serviços públicos. RJLB - Revista Jurídica Luso-Brasileira, v. 8, p. 1879-1892, 2022. Disponível em: https://www.cidp.pt/revistas/rjlb/2022/2/2022_02_1879_1892.pdf. Acesso em 28/11/2022.

COSTA, Ilton Garcia da; ANDREASSA, João V. N.; Cambi, Eduardo A. S.. Amicus Curiae como Amigo da Democracia Processual na Produção de Padrões Decisórios que tratam de Direitos Humanos. Revista Justiça do Direito, v. 36, p. 276-300, 2022.

COSTA, Ilton Garcia da; SANTOS, Ana Flavia Coelho dos. O princípio da eficiência e a (i)legitimidade do controle jurisdicional das políticas públicas. Prisma Jurídico, v. 20, p. 311-329, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.5585/prismaj.v20n2.20145. Acesso em: 02 dez. 2022.

DINAMARCO, Cândido Rangel. A instrumentalidade do processo. 14. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Nova era do processo civil. São Paulo: Editora Malheiros, 2003.

DONIZETTI, Elpídio. Novo Código de Processo Civil comentado – 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Atlas, 2017.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de direito constitucional. 9. ed. rev. ampl. e atual. Salvador: JusPODIVM, 2017.

FONAJEF – Fórum Nacional dos Juizados Especiais Federais. AJUFE – Associação dos Juízes Federais do Brasil, 2017. Disponível em: https://www.ajufe.org.br/fonajef/245-enunciados-ii-fonajef/11429-enunciadon38. Acesso em 09 de novembro de 2022.

HEACKTHEUER, Pedro Abib; LOPES ASSIS, Ana Cláudia Miranda. A desjudicialização da execução civil: uma tendência universal a ser seguida pelo Brasil. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, v17, n. 1, 2021, p. 296-313. Disponível em: https://doi.org/10.14210/rdp.v17n1.p296-313. Acesso em: 01 dez. 2022.

HOLMES, Stephen; SUNSTEIN, Cass. O custo dos direitos: por que a liberdade depende dos impostos. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2019.

Justiça em números. Conselho Nacional de Justiça, 2021. Disponível em: https://paineis.cnj.jus.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=qvw_l%2FPainelCNJ.qvw&host=QVS%40neodimio03&anonymous=true&sheet=shPDPrincipal. Acesso em: 09 nov. 2022.

LOWI, Theodore J. Arenas of Power. London: Paradigm Publishers, 2009.

MARTINS, Taigoara Finardi; COSTA, Ilton Garcia da. Serviços públicos, jurisdição e inclusão social. Revista Paradigma, Ribeirão Preto/SP, a. XXV, v.29, n. 1, p. 175-193, 2020.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 42. ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2016.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 30. ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2013.

MORAES, Alexandre de; [et al]. Constituição Federal Comentada. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

PEDROSO, João. Acesso ao Direito e à justiça: um direito fundamental em (des)construção: o caso do acesso ao direito e à justiça da família e das crianças. f. Tese (Doutorado em Sociologia do Estado, do Direito e da Administração), Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2011.

PEREIRA, Camila Martins Mendes. A desjudicialização como forma de promoção do acesso à justiça no Brasil. Revista Cidadania e Acesso à Justiça, v. 6, n. 2, 2020, p. 54 - 71. Disponível em: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-026X/2020.v6i2.6929. Acesso em: 02 dez. 2022.

POSSATO, Fabio A.; MAILLART, Adriana S. Os meios autocompositivos de solução de conflitos e as comunidades de baixa renda: um enfoque sobre a efetividade na busca pela pacificação social e a prevenção da violência. Prisma Jurídico, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 447-478, jul./dez. 2013. https://doi.org/10.5585/prismaj.v12n2.4628 https://doi.org/10.5585/prismaj.v12n2.4628

PRIEBE, Victor Saldanha; SPENGLER, Fabiana Marion. Burocracia pública e prestação jurisdicional: o gerencialismo em prol das políticas públicas de acesso à justiça. Revista Cidadania e Acesso à Justiça. v.7, n.2, 2021, p. 36-52. Disponível em: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-026X/2021.v7i2.8198. Acesso em: 01 dez. 2022.

SILVA, José Afonso da. Teoria do Conhecimento Constitucional. São Paulo: Malheiros editores, 2014.

Downloads

Publicado

27.06.2024

Como Citar

GARCIA DA COSTA, Ilton; TEODORO, Matheus; DE BRITO ALVES, Fernando. A justiça como serviço público: limitações ao benefício da justiça gratuita pela jurisprudência. Prisma Juridico, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 129–142, 2024. DOI: 10.5585/2024.23629. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/prisma/article/view/23629. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos